Links da semana

Está chegando nas livrarias o lançamento do nosso colunista de sexta-feira, Tony Bellotto. Haverá eventos de lançamento para No buraco em São PauloRio de Janeiro.

O novo livro de Jonathan FranzenFreedom, que ganhou visibilidade, entre outros motivos, porque Barack Obama foi visto com um exemplar, foi escolhido como o próximo livro do clube de leitura da Oprah. O título será lançado pela Companhia no ano que vem.

A Juliana, do blog O Espanador, escreveu sobre o debate que aconteceu semana passada na Livraria da Vila, sobre Roberto Bolaño e Philip Roth. O Gabriel falou, no Guia de Leitura, sobre O crime do restaurante chinês, de Boris Fausto.

Petê Rissatti entrevistou, para sua série “Conversas entre tradutores”, Jorio Dauster, que já traduziu obras de Vladimir Nabokov e Philip Roth, entre outros.

O Leandro, do Ensaios de um ababelado, resenhou Não me abandone jamais, de Kazuo Ishiguro. O Danilo, da Revista Speculum, falou de O perdido, de Hans-Ulrich Treichel.

Apesar de muitos escritores acreditarem que resenhas negativas são causadas por críticos invejosos ou em busca de vingança, um artigo do The Guardian explica que esse raramente é o caso.

O Jornal O Globo pediu para os candidatos à presidência comentarem sobre seus livros favoritos, e o site Saraiva Conteúdo tem uma entrevista em vídeo com Lourenço Mutarelli.

A Ada falou em seu blog sobre o new journalism de Gay Talese. O Carlos André, do Mundo Livro, falou de Eu vos abraço, milhões, de Moacyr Scliar. O autor estará na Livraria de Cultura de Porto Alegre na próxima segunda-feira para o lançamento do livro.

No Meia Palavra, o Felipe resenhou A trégua, de Primo Levi, o Luciano leu Cenas da vida na aldeia, de Amós Oz, e a Liv falou do infantil Uma história de pinguim, de Antoinette Portis. O portal também está com um concurso cultural do Scott Pilgrim.

O verbo tuitar entrou para o dicionário, e um autor explica por que se envolver com um escritor não é uma boa ideia.

O Sérgio Rodrigues, do Todoprosa, recomendou 68 contos de Raymond Carver.  A Mari, do blog Todos os livros do mundo, leu Todos os nomes, de José Saramago. O Oscar falou, em seu blog, de A grande história da evolução, de Richard Dawkins.

O quadrinista Gabriel Bá escreveu em blog sobre a importância do contato entre autor e público, especialmente em eventos de HQ.

O site Work in progress fez combinações entre livros e discos: O arco-íris da gravidade, de Thomas Pynchon, estaria para Amnesiac, do Radiohead, assim como Os detetives selvagens, de Roberto Bolaño, estaria para In/Casino/Out, do At the drive-in.

O blog Casmurros finalizou sua série de entrevistas com 20 escritores brasileiros com menos de 40 anos. A série inclui, entre outros, Carlos de Brito e MelloDaniel Galera.

Um Comentário

  1. Caríssimos,

    Já que este post anuncia tantos links, gostaria de perguntar quando sai a versão eletrônica do Livro da Vida, de Santa Tereza D’Ávila?

    Aproveito para felicitar a Companhia das Letras pelo iniciativa! Longa vida ao selo Companhia-Pinguin!

Deixe seu comentário...





*