Links da semana

Ontem à noite aconteceu a cerimônia de premiação do National Book Award, e Patti Smith ganhou na categoria “Melhor livro de não-ficção” por Só garotos, sobre sua amizade com Robert Mapplethorpe quando os dois ainda estavam tentando se tornar artistas. O livro será lançado pela Companhia das Letras semana que vem.

Patti, que trabalhou em uma livraria na juventude, ao receber o prêmio, pediu  “por favor, não importa o quanto a tecnologia avance, não abandonem o livro. Não há nada mais bonito no nosso mundo material do que o livro.

Falando em premiações, no Todoprosa Sérgio Rodrigues propõe uma votação dos melhores livros do ano, e pede que as pessoas indiquem nos comentários os títulos que deveriam concorrer.

No Meia Palavra, Luciano resenhou Viagem ao fim do milênio, de A.B. Yehoshua, e Uma certa paz, de Amós Oz.

Marcelo Miranda, do jornal O Tempo, falou de Notas sobre Gaza, de Joe Sacco, e Maus, de Art Spiegelman. O Gustavo, do blog O Esquema, resenhou Cachalote, de Daniel Galera e Rafael Coutinho. Mona Dorf postou em sua coluna do IG o vídeo de uma entrevista que ela fez com Rafael Coutinho durante a FLIP deste ano.

Sinvaldo, do blog O bule, leu Respiração Artificial, de Ricardo Piglia. Alfredo, do blog Monte de leituras, falou sobre Pelos olhos de Maisie, de Henry James.

No Veja Meus Livros, Nelson Oliveira dá dez dicas para ser um escritor.

A Mel, do blog Três Lápis, recomendou Sua resposta vale um bilhão, de Vikas Swarup. O Ramiro, do blog Abstraindo a realidade, falou sobre O bom Jesus e o infame Cristo, de Philip Pullman — livro que o Daniel, do blog Amálgama, também resenhou.

O Daniel, do Pipoca e Nanquim, escreveu sobre o filme da série Scott Pilgrim. Aliás, o programa acabou de ganhar um novo site, que seguirá a mesma proposta de falar sobre cinema e quadrinhos.

A Martha, do Colherada Cultural, leu O único final feliz para uma história de amor é um acidente, de J.P. Cuenca. O Johnny, do PavaBlog, resenhou Retalhos, de Craig Thompson.

O Claudio, do site IdeaFixa, falou sobre Muchacha e entrevistou seu autor, Laerte. O Alex, da revista Bula, resenhou Solar, de Ian McEwan.

O escritor Michel Laub pondera em seu blog sobre os possíveis motivos pelos quais a internet pode mudar a literatura.