Links da semana

O jornalista britânico Alex Bellos conversou com o público em português (ele foi correspondente do jornal The Guardian no Brasil) durante o lançamento de Alex no país dos números em São Paulo. Na quinta-feira ele leva suas curiosidades matemáticas ao Rio de Janeiro, não deixe de conferir!

A revista Catorze entrevistou Joca Reiners Terron sobre internet, literatura e seu último livro, Do fundo do poço se vê a lua.

O Luiz, do Amálgama, resenhou Tanto faz & Abacaxi, de Reinaldo Moraes. Rogério Waldrigues Galindo, do blog Dia de Clássico, escreveu sobre O complexo de Portnoy, de Philip Roth.

A revista Bravo! encontrou Lourenço Mutarelli em seu ambiente de criação.

Rodrigo Levino, da Veja.com, resenhou Zeitoun, de Dave Eggers. O Alexandre, do Impulso HQ, falou sobre Ordinário, de Rafael Sica.

O jornal The Independent fala sobre a representação negativa que os jornalistas costumam receber na ficção.

No Meia Palavra, o Luciano resenhou O imperador, de Ryszard Kapuściński, A língua exilada, de Imre Kertész. O Tiago fez uma crítica sobre Mecanismos internos, de J.M. Coetzee, o Felippe escreveu sobre Breves entrevistas com homens hediondos, de David Foster Wallace, e a Anica leu As intermitências da morte, de José Saramago. A Kika comentou A vida imortal de Henrietta Lacks, de Rebecca Skloot, e o Arthur comparou a adaptação cinematográfica de Dinheiro queimado com o livro de Ricardo Piglia.

O Ernesto, do blog Intersemiótica, discute se histórias em quadrinhos são literatura.

O Rafael, do blog O Espanador, falou sobre Não me abandone jamais, de Kazuo Ishiguro. Marco Severo, do blog Qual é a tua obra?, resenhou Indignação, de Philip Roth.

Um tumblr se dedica a reunir apenas fotos de escritores com seus gatos.

Reinaldo Moraes falou à Folha sobre Ilusões pesadas, romance que traduziu sobre a juventude vazia parisiense.

Marcelo Orozco, do blog Preliminares Etc., falou sobre Zeitoun, de Dave Eggers. A Michelle, do blog Interrogação, comentou Só garotos, de Patti Smith, e o Diego, do blog Li um livro, falou sobre Retalhos, de Craig Thompson.

Um estudo americano verificou que adolescentes que gostam de ler têm menor tendência a sofrer de depressão do que aqueles que preferem música ou filmes.

Por tempo limitado, a New Yorker oferece acesso a um ensaio de Jonathan Franzen sobre sua amizade com David Foster Wallace para quem “curtir” a página da revista no Facebook.

Um Comentário

  1. Marco Severo disse:

    Foi de uma surpresa gratificante saber que o link da minha humilde resenha estava entre os links da semana do blog da Companhia. Que honra! Muito obrigado aos que fazem este espaço. Espero, quem sabe, nos vermos mais vezes. :)

Deixe seu comentário...





*