Links da semana

Jonathan Franzen, autor do recém-lançado Liberdade, escreveu um ensaio sobre as redes sociais, e como elas são um substituto barato para o amor.

Luís Antônio Giron fala sobre os conselhos de Orwell para uma boa escrita, que aparecem em Como morrem os pobres, e dá suas próprias dicas.

A equipe do Pipoca e Nanquim fez um podcast especial sobre Maus, de Art Spiegelman. Zé Oliboni, do Universo HQ, falou sobre Scott Pilgrim contra o mundo – vol. 3.

A equipe do Meia Palavra resenhou os seguintes livros: Borges, uma vida, de Edwin Williamson, A quem de direito, de Martín Caparrós, O centauro no jardim, de Moacyr Scliar, Só garotos, de Patti Smith, O elmo do horror, de Victor Pelevin, e Nunca vai embora, de Chico Mattoso.

Na final da Copa de Literatura Brasileira, O filho da mãe enfrentou O livro dos mandarins.

Mário Marcos resenhou em seu blog A vida imortal de Henrietta Lacks, de Rebecca Skloot. O Rafael, do blog O Espanador, falou sobre Tarde, de Paulo Henriques Britto.

O site Mínimo Múltiplo entrevistou Daniel Galera.

No Amálgama, o Daniel resenhou Declaração de Independência, de David Armitage, e o Maurício falou sobre Borges, uma vida, de Edwin Williamson.

O Alexandre estava no 1º Encontro Quadrinhos na Cia. e fez uma cobertura para o Impulso HQ.

Cassionei Petry falou sobre Antes do baile verde, de Lygia Fagundes Telles, em seu blog. A Ana Lucia escreveu sobre O museu da inocência, de Orhan Pamuk, para o site InfoEscola.

Uma mineira de 100 anos resolveu voltar à escola. Ela nunca aprendeu a ler e escrever, e espera que seu esforço incentive aqueles que querem retornar aos estudos.