Links da semana

Curiosidades:

  • 10 recordes literários registrados pelo Guinness Book (Listas Literárias)
  • As 6 regras de George Orwell para escritores (Lists of note)
  • Em 1949, Aldous Huxley escreveu uma carta para George Orwell comentando 1984 e comparando-o com seu próprio livro, Admirável mundo novo. (Letters of note)
  • Igreja do Livro Transformador: um projeto concebido por Luiz Ruffato, no qual pessoas enviam testemunhos sobre os livros que mudaram suas vidas.
  • As 10 melhores livrarias da ficção (Flavorwire)
  • Desconfie da leitura fácil: artigo de Eduardo Pinheiro (Portal Natura Homem)
  • Em um depósito na Califórnia, Brewster Kahle preenche diversos contêineres com livros que chegam aos milhares toda semana, atrás de um objetivo: manter um exemplar de cada livro já publicado para a posterioridade (NY Times)
  • 500 novos contos de fadas foram descobertos na Alemanha. As histórias foram coletadas pelo historiador Franz Xaver von Schönwerth no século 19. (The Guardian)

Notícias:

  • A Flip reestreou seu blog, com novas seções que trarão informações constantes sobre o festival.
  • Esta sexta-feira começa a Ocupação Angeli no Itaú Cultural, com exposição de mais de 800 obras do cartunista. Em maio lançaremos uma edição especial com todas as histórias da Rê Bordosa.
  • Lira Neto criou um site que mantém atualizado com informações sobre a biografia em 3 volumes de Getúlio Vargas que está escrevendo. O 1° volume será lançado em maio.
  • O aplicativo para iPad de Quem soltou o Pum? é um dos finalistas da premiação da Feira do Livro Infantil de Bologna! A Júlia falou um pouco sobre a produção do app aqui.
  • Museu da Língua Portuguesa receberá exposição sobre Jorge Amado em abril (Folha)
  • Vinicius Campos inaugurou um blog onde falará sobre como surgiu O amor nos tempos do blog, romance juvenil que lançaremos em maio, e aproveitará para dar algumas dicas para quem também quer publicar seu livro.
  • O Fronteiras do Pensamento divulgou sua lista completa de palestrantes para este ano. Entre os convidados estão Mia Couto, Amartya Sen e Tzvetan Todorov.
  • Cidade aberta, de Teju Cole, ganhou semana passada o prêmio Hemingway/PEN, concedido todo ano a um autor estreante. Lançaremos o livro por aqui em junho.

Entrevistas:

  • Lourenço Mutarelli: “Falo em influências quando vejo como aquelas pessoas resolveram bem suas questões em suas obras. E não por que tento fazer um trabalho parecido com o que leio. Mas houve uma época, por exemplo, em que me sentia tão influenciado pelo William Burroughs, que fiz um livro meio misturado com ele, mas era na verdade uma homenagem.” (Suplemento Pernambuco)
  • Siddhartha Mukherjee, autor de O imperador de todos os males: “A primeira descrição médica do câncer aparece num papiro egípcio escrito em 2.500 a.C. O escriba descreve um tumor saliente no peito, algo como uma bola de papel. Os gregos também se referiam a tumores.” (Revista Época)
  • Pauline Alphen, autora de Os gêmeos: “Acho que isso é algo que me define: sou uma leitora. Sou escritora antes de tudo porque sou leitora. Acho que passei mais horas lendo na minha vida do que qualquer outra coisa.” (Nanie’s World)
  • Juan Pablo Villalobos, autor de Festa no covil: “Eu fui o típico adolescente atormentado que escrevia poemas horríveis e lia livros que não conseguia entender, tipo Sartre ou Camus. Tive uma etapa anti-social que foi muito importante para me formar como leitor e para definir minha vocação de escritor. Mas meu interesse na literatura virou sério muito tarde, quando eu tinha 25 anos e trabalhava em marketing. Larguei todo e fui estudar Letras Espanholas.” (o batom de clarice)

Resenhas:

  • Os gêmeos, de Pauline Alphen: “Uma história criativa que mistura elementos da fantasia e da ficção científica num cenário extremamente instigante.” (Melissa, Livros de Fantasia)
  • As coisas, de Georges Perec: “Sem se afastar do princípio de relegar a história em favor dos objetos, Georges Perec fundamenta sua crítica às idiossincrasias dos anos sessenta. Através de um realismo que se apega a apenas aquilo que é sólido, negligenciando a psicologia para favorecer a sociologia, o escritor faz um diagnóstico com frieza e nenhuma emoção dos valores da sociedade de consumo.” (João Paulo, Mais 1 Livro)
  • Festa no covil, de Juan Pablo Villalobos: “Pelos olhos inocentes do observador e inteligente Tochtli, nós temos uma visão diferente da vida de um poderoso traficante.” (Iris, Literalmente falando)
  • Estórias abensonhadas, de Mia Couto: “Sua prosa, que mais parece poesia, consegue nos transportar para um mundo onde a fantasia cruza com a realidade, sem entregar em nenhum momento qual é a verdadeira face dela e, como o próprio autor escreve, ‘são estórias que se querem fingir de verdade’, cabe ao leitor decidir essa barreira.” (Rafael, O Espanador)
  • Jakob von Gunten, de Robert Walser: “Com a cortante lucidez de seu lirismo realista, Robert Walser, no romance Jakob von Gunten, expõe as vísceras do drama do indivíduo impessoalizado dentro do sistema capitalista industrial.” (Isabela, 30porcento)
  • Abaixo as verdades sagradas, de Harold Bloom: “é realmente uma leitura essencial para os acadêmicos de estudos literários” (Anica, Meia Palavra)

[A seção Links da Semana ficará de férias por duas semanas, e voltará no dia 4 de abril.]

Deixe seu comentário...





*