Dia 4: Vi o Ian McEwan

Por José Luís Peixoto

E ele viu-me a mim.

Por email, antes de chegar ao Brasil, aceitei o convite para ler o poema “E agora, José?”, do Drummond, antes de uma das conversas na tenda principal. Quando soube que ia ser antes da conversa entre o Ian McEwan e a Jennifer Egan pareceu-me que esse foi um daqueles momentos em que o cosmos se organizou para fazer sentido. Eu não tinha chegado a este pensamento mas sei que, se tivesse podido escolher, teria sido justamente essa ocasião que teria escolhido para a minha leitura. Isso, claro, porque gostaria de, se possível, olhar para o Ian McEwan. Olhar para ele teria bastado.

A organização da Flip telefonou a perguntar a que horas poderiam ir buscar-me para me acompanharem à tenda. Agradeci, mas dispensei. Fui sozinho, a pé. Cheguei e, já com o livro do Drummond, fui levado por seguranças a falarem através de auriculares. Cheguei, por fim, aos bastidores. Eles já lá estavam, sentados em poltronas, à volta de uma mesa com bolinhos. Fomos todos apresentados, cumprimentámo-nos e fui chamado a uma mesa, onde me esperavam uma meia dúzia de exemplares do meu último romance. Todos os autores que participam na Flip são convidados a dedicar e a autografar um conjunto de livros que se destinam a bibliotecas da cidade, patronos, etc. Escrevi umas palavras também no livro de honra e assinei um papel que dava autorização a fazer qualquer coisa que não sei muito bem o que era porque não li, presumo que tenha sido autorização para captarem imagens e as divulgarem. Só depois voltei para perto deles.

Os livros do Ian McEwan acompanham-me há anos. Alguns fazem parte daquela lista curta que me rasgou horizontes de pensamento, de escrita e de vida, que me apaixonou. Já conheci autores mais do que suficientes para saber que, muitas vezes, o entusiasmo do afecto que se sente por uma obra não é devolvido pela má disposição ou pela antipatia da pessoa que, por acaso, escreveu essa obra. Por isso, sei que se deve ir devagar, como quem avalia a temperatura da água com a ponta do pé antes de entrar na piscina. Foi o que fiz. O sorriso de McEwan foi amplo, abundante, generoso.

Falámos um pouco e tive tempo para o meu momento de admirador. Disse aquilo que achava que devia de dizer tendo em conta aquilo que já tinha recebido através do trabalho daquele homem. A seguir, enquanto eu estava a fazer a leitura, o Ian McEwan e a Jennifer Egan esperavam atrás do cenário para entrarem assim que acabasse.

Isto teria sido suficiente mas, à noite, voltámos a estar juntos com muito mais tempo. Falou-se de política internacional, de futebol, entre outros assuntos menos graves.

A Flip tem muito a ver com estas histórias. Sobre os escritores que participaram noutras edições, é vulgar ouvir: fulano é muito simpático, beltrano andava aí pelas ruas a passear de chapéu de palha, cicrano adorava cachaça. Na Flip, os leitores observam os autores e, mais tarde, quando vier a propósito de qualquer conversa, irão contar aquilo que viram. Sim, eu sei muito bem que a literatura não é isso mas, pessoalmente, sinto muito prazer em coleccionar essas pequenas histórias, são inofensivas e, como se diz aqui no Brasil: por favor, não cortem o meu barato.

Já hoje, domingo, assisti com o Ian McEwan a uma parte da final de Wimbledon, entre Murray e Federer. Saí a meio porque vim aqui escrever estas palavras. Ele continuou lá, a torcer pelo inglês.

Eu sei que não somos amigos, eu sei que ele não reparou tanto neste encontro como eu, mas não me importa. Aquilo que me importa é que esse encontro aconteceu, nada pode mudar isso, ninguém pode fazer com que não tenha acontecido.

20120708-194022.jpg

(Foto do instagram de José Luís Peixoto)

* * * * *

José Luís Peixoto nasceu em 1974, em Galveias, Portugal. Jovem revelação literária, recebeu o Prêmio José Saramago com o romance Nenhum olhar em 2001. Livro foi publicado pela Companhia das Letras em fevereiro. O autor participa da programação alternativa da Flip deste ano e escreve um diário para o blog durante o evento.
SiteFacebook

6 Comentários

  1. viorica disse:

    appréciation pour les deux livres de Polirom, Roumanie

  2. Alister disse:

    SAI DAÍ, O MCEWAN É MEU.

  3. Outro orgulho secreto desta Flip foi te ver ler “E agora, José?”. Estava no telão, pois nem a fila do último minuto – tábua de salvação de quem não conseguiu ingresso para estar com os autores – me salvou desta vez. Mas, como você mesmo diz, a tela é grande, os rostos são grandes. E a experiência do fone de ouvido, com o idioma original a duelar com a amplificada tradução simultânea, é um exercício de adaptabilidade como poucos.
    Lembrei-me do Ian McEwan em 2004, a recordar no palco o mar de cachaças em meio às quais se viu na noite anterior. Foi num certo bar que ele não sabia nomear, mas creio que pode ter sido o Porto da Pinga e suas infindáveis prateleiras repletas de toda sorte de garrafas. Alegre, sereno, quase paratiense no ritmo, recordou o amigo Christopher Hitchens e sua passagem pela cidade.
    Em seu momento de admirador, você tem muita razão: nada pode mudar o fato de que aquilo aconteceu. A foto é linda e feliz, talentos em harmonia. Talvez só a Flip tenha dessas coisas.
    Outra hora te conto o meu momento com David Grossman, em 2005, sobre a pontezinha, no entardecer do domingo.

  4. gilmara disse:

    também tive essa felicidade de encontro quando te vi na Casa da Cultura e você tão atencioso fez uma dedicatória no meu Livro! e ouvir o Ian McEwan falando meu nome na hora do autógrafo foi inesquecível…Essa Flip foi linda!

  5. Deise Lima disse:

    feliz que a temperatura da água da sua piscina (ou do seu mar? prefiro mar) foi, aos pouqinhos, bem quentinha e agradável :) sei que você não reparou tanto nesse encontro como eu, mas não me importa. é como Livro, é circular, voltamos ao começo – ainda que com papéis trocados. beijo, beijo

  6. Prezado José Luís,
    pois apesar de não nos conhecermos pessoalmente, infelizmente, considero-o como um aqui de casa, representando no Livro ali na cabeceira. Senti aquele prazer do reconhecimento lendo agora esse teu texto e vendo em ti, não o meu ídolo, mas um fã como eu.
    Eu, se estivesse na FLIP, e não sou escritora, mas pesquisadora da literatura, cumpriria esse mesmo papel de sorrir por dentro diante de ti, tentando fazer de conta que é muito natural estar diante daquele que, em segredo, parece ler nossos pensamento. Não será isso, apesar do que dizes, a verdadeira essência da literatura?
    Enquanto tu te sentes realizado, eu, por minha vez, vou continuar sonhando que, certo dia, em uma dessas feiras literárias em que estejas, venha a ler qualquer coisa, pegar em livros, falar seja o que for, assistir a futebol de várzea ou mesmo te saber atrás da cortina – uma linda metáfora aliás!
    Não seja assim tão modesto, pois!

Deixe seu comentário...





*