Desapontamentos I

Por Joca Reiners Terron

WALKING MAN

1.
Nunca reserve a verdade ao amigo e a mentira ao inimigo.

2.
É impossível ao adormecido engolir em seco; o medo genuíno é experimentado somente na vigília.

3.
A vida é uma doença (de nascença).

4.
A beleza pode não caber num romance de mil páginas. Todavia, pode caber numa canção de três minutos.

5.
Mesmo a um herói de três anos uma mãe brava pode ser um moinho de vento intransponível.

6.
Prefiro uma sexta-feira 13 a qualquer segunda-feira.

7.
Como alcançar o sono, se há tantos braços e ombros e pescoços e cabeças no meio do caminho?

8.
Insônia é um outro nome para sonhar acordado.

9.
Houve um momento em que as pessoas desistiram de escrever pedidos e orações nas notas de dinheiro, mas qual foi esse momento, qual foi, meu Deus, qual foi?

10.
No sinal fechado, um ceguinho quase é atropelado ao atravessar a faixa de pedestres por outro cego, do pior tipo, aquele que não quer ver.

11.
Conhecer todo tipo de nó ensinado no Manual do Escoteiro Mirim para acabar dando nó cego no saco de lixo domingo à noite.

12.
118,000,000,000,000 milhas é a distância que estou de meu döppelganger bizarro em Gliese 581g. Todavia, posso ser eu a cópia defeituosa.

13.
Imortalidade literária é virar nome de sanduíche no cardápio de seu bar predileto.

14.
Spring Fever tomou conta de mim.
Spring Fever receberá todas as minhas apostas.
Spring Fever ganhará por uma cabeça.

15.
O caminho está lá, todo pavimentado e iluminado, basta percorrê-lo. Mas não esqueça o dinheiro do pedágio.

16.
Ser jovem é cortar apenas as unhas da mão esquerda e deixar as da mão direita para amanhã.

17.
Envelhecer pode ser apenas cortar as unhas da mão esquerda e esquecer as da mão direita.

18.
Morrer significa não precisar mais cortar as unhas.

19.
Eternidade é ter unhas crescendo para sempre sem ter o que coçar.

20.
Escrever de dia e sonhar à noite não configuraria dupla jornada? E a quem processar?

21.
Picolé na orla é chupado pelo vento.

22.
Cigarro, idem.

23.
Teu corpo é composto de 72% de água. Acrescente 28% que faltam. Dê a descarga.

24.
Viciei-me na carolina de creme da padaria. Antes eram outras Carolinas. A velhice é uma merda.

25.
Num dia típico de escritor as horas vêm todas fora de hora.

26.
Nada como um dia de chuva para descobrir que todos os seus sapatos estão furados.

27.
Em dia frio ninguém reclama de fila de cartório.

28.
Escritor de verdade mede o dia em número de letras (com longos bocejos entre elas).

29.
A existência está calcada nas relações e na forma que elas se estabelecem; a verdade está no resultado, no que acontece por conta de um ato impensado ou distraído: o que sucede esse mal entendido não tem conserto; o que não tem conserto é o destino.

30.
Carteiros em greve queimam cartas de amor pois o amor dá trabalho.

* * * * *

Joca Reiners Terron é escritor. Publicou Curva de rio sujoSonho interrompido por guilhotina, entre outros. Pela Companhia das Letras, lançou seu último romance, Do fundo do poço se vê a lua, e relançou seu primeiro, Não há nada lá. Ele contribui para o blog com uma coluna quinzenal.
Site – Twitter – Facebook

11 Comentários

  1. N. disse:

    claro que publicariam um livro seu de aforismos, Joca! Não se lembra de Poliedro, do Murilo Mendes?! Maravilhoso!

    Há tanto lugar pequenino em que a beleza caberia, não é verdade?!

Deixe seu comentário...





*