Rasgando dinheiro

Por Tony Bellotto

Estou sem ideia para escrever sobre literatura.

Nem sobre música, embora a morte de Ravi Shankar mereça algum comentário que não consigo formular.

Acabo de pegar um dinheiro no caixa eletrônico e me dá no saco ler “Deus seja louvado” nas notas.

Como assim?

O que Deus tem a ver com dinheiro?

Tudo, a se levar em conta o apetite financeiro de igrejas, seitas e religiões em geral.

O que mais me espanta ― e um articulista da Folha de São Paulo observou a mesma coisa outro dia ― é que os próprios crentes, ou religiosos, não se revoltem com o uso do santo nome nas cédulas sujas e profanas.

A Justiça Federal de São Paulo acaba de negar um pedido do Ministério Público Federal para obrigar a União e o Banco Central a retirar os dizeres das notas de Real.

A decisão foi de uma juíza que alegou não haver na sociedade dados concretos “que denotassem um incômodo com a expressão Deus no papel-moeda”.

Pois agora há, juíza: eu estou incomodado com essa expressão no papel-moeda.

A expressão acompanha nosso dinheiro desde a década de 1980, ideia do então presidente, José Sarney.

Diante do pedido do Ministério Público para a remoção da frase, Sarney declarou: “Eu tenho pena do homem que na face da terra não acredita em Deus”.

Pode ter pena de mim, Sarney, mas não quero essa frase na minha moeda.

Também não gostaria de ler beba Coca-Cola nas notas de dinheiro.

O dinheiro é sagrado.

Rasgo uma nota de dois reais em protesto, mas ninguém dá a mínima.

Na próxima, rasgo uma de cem.

* * * * *

Tony Bellotto, além de escritor, é compositor e guitarrista da banda de rock Titãs. Seu livro mais recente, No buraco, foi lançado pela Companhia das Letras em setembro de 2010.

37 Comentários

  1. Luciana Veloso disse:

    Não acho que a fé deva ser imposta ainda por cima em cédulas de dinheiro… Tony, adoro seus posts ;)
    Liberdade sempre!

  2. Diana (admin) disse:

    Oi, Moira. Obrigada pelo aviso, já arrumei o link.

  3. Moira Verso disse:

    Tony, desculpe não ser este um comentário ao teu texto (aliás, duvido que rasgarás uma nossa querida garoupinha), pois isso é mais um recado para o pessoal – programadores do site – da editora: quando clicamos no link que supostamente levaria ao No buraco, dá ‘erro’. Abraços

  4. Alexandre disse:

    meu caro tony. não vou ser muito formal e chama-lo de senhor bellotto, achou isso um saco.
    bem a proposito do seu comentário a respeito da frase “deus seja louvado” no dinheiro tenho a dizer que talvez deva ler um versiculo da biblia, sei que não acredita em Deus, não quero converte-lo, mas antes de mostra talvez uma explicação que justifica a frase e quem sabe outro comentario. 2 epistola de são paulo aos coríntios cap.4 versiculo 4. sei que vai achar interessante.

  5. NEY MARTINS disse:

    Olá tony,

    Primeiramente, parabens pelos artigos. Apesar de não acompanhar com frequência suas postagens, o pouco que li é suficiente para evidenciar sua intelectualidade singular. Eu, na verdade, gostaria de falar com você sobre música. Preciso de uma opinião e orientação. Tenho tentado compor algumas músicas e acho que deu alguns resultados legais. Mas essa é minha opinião. Preciso ouvir de um parecer isento.

    É possível?

    Feliz 2013 para você e toda sua família.

  6. Carlos Medeiros disse:

    Aproveitando este espaço para fazer uma pergunta fora dos temas daqui. O que são os cegos do castelo?

    Tenho dificuldades em interpretar letras de músicas.

  7. homem dicionario disse:

    Ninguem eh ateu quando a menstruacao da namorada atrasa.

Deixe seu comentário...





*