Fé nos professores e nas meninas de quinze

Por Carol Bensimon


E lá fui eu falar com os alunos de um colégio católico. Quase todos os colégios particulares são católicos, então nós não nos impressionamos muito com esse fato; simplesmente acontece de ter uma cruz na sala de aula, alguém que ensina religião, e um punhado de pais que pensa “mal não vai fazer”. É como batizar os filhos sem ter certeza de coisa nenhuma. Esse colégio era um bocado católico. Havia uma Bíblia aberta sobre um pedestal, cartazes de grupos de jovens católicos e pessoas com expressões estranhas nos quadros. Crianças tinham recortado letras coloridas para saudar a Virgem Maria. Enquanto eu aguardava a professora de Literatura, houve tempo de ver tudo isso.

Nós já nos conhecíamos de outra escola, era minha primeira experiência desse tipo, eu tinha estreado na literatura no ano anterior e meu romance acabara de sair do forno. A professora Vivi me causou a melhor das impressões. Dava para sentir no ar que ela era aquele tipo de professora queridona que todo mundo gosta, e nas quais as meninas de quinze anos se abraçam para encontrar um misto de mãe e confidente. Na tal da manhã da semana passada, eu fiquei na porta de um auditório vazio esperando os adolescentes chegarem. Eles iam surgindo aos poucos. Essa é uma idade em que ficam muito evidentes as diferenças (construídas) entre garotos e garotas, ninguém tem coragem de se misturar, eles sentam em filas distintas como se todo o tempo dos treze aos dezessete fosse uma mesma e interminável reunião dançante. Os grupinhos passavam, acenavam, sorriam. Eu ouvi alguns “é ela” seguidos de risinhos trocados. Parecia muito irreal. Finalmente, a professora Vivi apareceu e nós entramos no auditório. Seguiu-se daí uma recepção incrivelmente barulhenta de aplausos e urros, a coordenadora pedagógica estava de cabelo em pé, e tudo que eu conseguia pensar era “eu sou só uma escritora”.

Seguiram-se tantas perguntas que é difícil resumir agora. Como sempre, a gurizada se mostrou intrigada com alguns aspectos formais do meu primeiro livro, o Pó de parede. Por que as falas não tinham travessão? Por que a última história terminava em uma frase incompleta (a professora Vivi, aliás, tinha pedido na prova que os alunos completassem a narrativa)? Nós falamos sobre rock, leituras na infância, interpretações, vida de escritor, livro novo, e eu até ensaiei uma rápida defesa à descriminalização da maconha. Ao final, havia um monte de livros para assinar (quase que exclusivamente os das meninas) e um punhado de solicitações de fotos. “Eu me identifico muito com a Alice”, disse uma garota sorridente. Algumas dessas alunas leem Jack London, Jane Austen, Caio Fernando Abreu, Victor Hugo sem ninguém mandar. Pelo menos duas delas escrevem.

No caminho para o carro, eu estava me sentindo muito melhor do que quando cheguei ali, encontrei a capelinha, etc e tal. E, chame de autodepreciação, mas eu não conseguia parar de pensar que toda aquela visível empolgação dos alunos era muito mais mérito da professora Vivi que do meu livro. Se eu tivesse quinze anos a menos e fosse parar na sala de aula de um colégio católico, ela me faria escrever.

Esse post é uma homenagem a Viviane Schitz, Lia Schulz, Vinicius Rodrigues, Marcelo Frizon e todos os professores de literatura ousados e sonhadores o suficiente. E às meninas que leem romances na solidão de seus quartos, é claro.

* * * * *

Carol Bensimon nasceu em Porto Alegre, em 1982. Publicou Pó de parede em 2008, e no ano seguinte, a Companhia das Letras lançou seu primeiro romance, Sinuca embaixo d’água (finalista dos prêmios Jabuti e São Paulo de Literatura). Ela contribui para o blog com uma coluna quinzenal.
Site – Twitter – Facebook

18 Comentários

  1. Carol Bensimon disse:

    Rodrigo, o Marcelo tem razão. O que eu quis dizer é que quase todos os colégios particulares são religiosos (a maioria, católicos) aqui em Porto Alegre. Eu diria que os laicos não chegam a 15%.

  2. Rodrigo disse:

    Marcelo, acho que estamos lendo a mesma frase com sentidos diversos. Acho que ela quis dizer que “quase todos os colégios com ensino religioso são católicos”. Pois é óbvio que eles são minoria dentre os colégios particulares, ao menos das cidades que eu conheço no Brasil

  3. Aqui em Porto Alegre não são católicos todos os colégios, mas um punhado enorme é. A Carol está certa. Alguns são luteranos. Alguns poucos são judaicos ou não são ligados a nenhuma religião.

  4. Rodrigo disse:

    “Quase todos os colégios particulares são católicos”

    Como assim? Onde?

  5. Sam Alexander disse:

    É realmente deplorável. E eu odeio parecer maniqueísta, mas, não há maniqueísmo nenhum em minha ação. Há, na verdade, um caso de crueldade muito sério, que, ao primeiro instante, pode parecer superficial ou algo perto disso. Mas, não, não é.

  6. wagner disse:

    Linda crônica! ;)

  7. Carol Bensimon disse:

    Que legal saber disso, Mayra! Quando os pais estimulam e a escola estimula, a combinação tem tudo pra dar certo.
    Lia, Vinicius, Marcelo, que bom que vocês gostaram da minha pequena homenagem.
    Agradecida por todos os outros comentários também. :)

  8. mayra stroschoen disse:

    Lindo teu texto, Carol. Minha filha Lídia é uma das alunas desta escola, a qual tem uma excelente professora de literatura: Vivi, que estimula seus alunos a amar os livros. Me mostrou teu blog e ficou feliz ao ver sua foto postada aqui. O quarto dela não tem mais lugar para colocar livros !!!! Gosta muito de ler, o que é muito bom. Abraço, Mayra.

Deixe seu comentário...





*