Novos livros para novos tempos

Diving into Digital Books 4

Tempo é artigo cada vez mais raro. Lembra a última vez que você não reclamou de estar em descompasso com os ponteiros do relógio, com a folhinha do calendário? Pois é. Difícil. E isso afeta tudo em nossa vida: lazer, trabalho e aquele oásis (cada vez mais com cara de miragem) chamado “tempo livre”.

Não só na sua vida isso acontece. Todos nós estamos sem tempo, os fatos e eventos da vida parecem acontecer cada vez mais rápido. Olhe para fora, para a rua, nos últimos dias. Tudo parece acelerado. E basta um breve cochilo e pronto, você deixou algo passar. “Perdi o bonde e a esperança,” escreveu Drummond, acertando no alvo como sempre.

Há várias formas de responder a essa cobrança sem fim. Uma delas é quebrar um pouco a cabeça e pensar em alternativas. Aqui no editorial bolamos um novo selo, batizando-o de Breve Companhia. Tirando proveito de uma dessas invenções dos nossos frenéticos tempos, o livro eletrônico — a que todos aqui já nos rendemos, até por dever de ofício —, a ideia é oferecer edições que só o formato digital permite e viabiliza: ebooks mais enxutos, ensaios decisivos para leitores interessados e estudantes universitários, boa e curta ficção — como novelas e coletânas de contos —, poesia, além de textos de reflexão e reportagens ampliadas sobre grandes temas. Porque é preciso estar bem equipado para compreender o rumo dos acontecimentos, e se for possível fazer isso em pouco tempo, tanto melhor! História social, estudos literários, jornalismo aprofundado, comentário político: tudo isso nos ajuda a captar e a entender melhor os múltiplos sinais do mundo.

A onda de manifestações no Brasil vai render, nas próximas semanas, os dois primeiros ebooks da Breve Companhia. O destemido e informadíssimo Piero Locatelli, o jovem repórter que chegou a ser detido pela polícia paulista enquanto cobria uma das gigantescas manifestações populares (portando, que crime, um frasco de vinagre!), está preparando um volume sobre a origem desses movimentos, as grandes histórias das manifestações das últimas semanas, além de tentar entender o que está em jogo.

Um dos principais observadores da política brasileira, o professor da Unicamp Marcos Nobre será o autor da outra obra sobre o tema, que deve ser lançada até o fim deste mês. Em veia mais ensaística, Nobre atribui a revolta popular a um impasse em curso desde a redemocratização. Os protestos seriam uma resposta difusa à cultura política do “pemedebismo”, por ele definido como uma blindagem do sistema político que represa o avanço de forças de transformação.

Um momento difícil de explicar não poderia ser estímulo maior para a nova empreitada. Aguardem novidades!

— Os editores + Departamento digital

11 Comentários

  1. Francis Sierra Hussein disse:

    Parabéns a Cia das Letras, e a equipe do seu Blog, pela iniciativa aqui descrita, e pelo maravilhoso texto escrito acima, que tão bem retratou os nossos tempos.
    Gostaria de receber sempre notícias de todos.

    Francis Sierra Hussein

Deixe seu comentário...





*