Chave para destrancar

Por Camilla Rillo


Caro Educador,

Um dos grandes prazeres da equipe do departamento de educação — formada por Rafaela, Mariana, Patrícia, Camilla, Priscilla e Michaela —, tem sido indicar para os professores os livros infanto-juvenis publicados pela editora. Mensalmente nos dividimos e cada uma, por afinidade e gosto, escolhe o que vai ler e depois narramos umas para as outras. Nesse processo, acabamos por descobrir livros maravilhosos, que passam a serem lidos  por todas nós. É comum que, de tempos em tempos, elejamos um “queridinho”, que acaba sendo adotado por despertar para questões, temas e sentimentos únicos.

Nessa seção do blog, dividiremos com vocês nossas descobertas! Camilla Rillo, assistente de divulgação escolar, é uma grande detetive na arte de descobrir esses livros tão companheiros quanto queridos: desses que logo viram amigos íntimos. Convidamos você a ler abaixo a reflexão que Camilla fez para o livro Aristóteles e Dante descobrem o segredo do universo, de Benjamin Alire Sáenz.

* * *

Incertezas, silêncio e ausências de respostas compõem um grande vazio no cotidiano de Aristóteles. Sua vida é como um grande dia cinzento, aqueles dias em que tudo que se quer é ficar sozinho e distante de tudo e de todos. Mas como fugir de si mesmo?

Não há como escapar: na verdade, o mergulho foi dado e tudo ocorreu em um dia de verão. O sol nasceu, bateu na janela do quarto, e a vida entrou como uma brisa leve. Aristóteles sem saber nadar vai para a piscina, para boiar em seu tédio. Mas o sol brilhou e Dante surgiu como um raio de luz para ensiná-lo a nadar e é  assim que se inicia a jornada de Aristóteles para o mergulho em si mesmo. Um garoto como Dante, com um jeito tão único de encarar a vida, é peça fundamental para que Aristóteles quebre as barreiras que ele mesmo construiu dentro de si.

Adolescência, amizade, descobertas, temas tão presentes nas nossas vidas, são narrados de uma maneira comovente e delicada. Benjamin Sáenz traz na base de sua história o sentido do amor e do carinho presente nas relações familiares, os quais são tão importantes para esse encontro inesperado com a própria essência de cada um de nós. Tanto Dante quanto Aristóteles têm o amparo de suas famílias e seus pais estão sempre abertos e dispostos a ajudá-los nessa fase tão única e especial da vida de cada um deles.

Aí está um livro muito atual, que relata temas importantíssimos para serem abordados e discutidos na adolescência, uma vez que fazem parte do nosso conturbado e intenso universo juvenil. A agenda é variada: relacionamentos, curiosidade em experimentar cerveja, maconha, masturbação, homofobia. A todos eles o autor oferece um tratamento leve, descontraído e natural. Até a situação de agressão, que Dante sofreu em determinado momento de sua vida, acaba sendo fundamental para que Aristóteles, ao salvar Dante, começasse a desvendar que amor e amizade caminham sempre juntos.

Esses são temas difíceis, mas que precisam ser olhados sem tabus e despidos de preconceitos. São muitos os desafios  que o educador enfrenta para transformar a sala de aula em um espaço de discussão, reflexão e transformação. Mas é só assim que é possível ampliar a percepção e a clareza desses alunos. Esperamos que esses assuntos sirvam como ferramentas para auxiliar os leitores e os educadores empenhados na construção das várias identidades que vamos inventando, para nós mesmos, e como parte do processo complexo, demorado e sempre contínuo do autoconhecimento.

* * * * *

Camilla Rillo é assistente de divulgação escolar no departamento de educação da Companhia das Letras.