2014: Um bom ano para a literatura policial brasileira

Por Raphael Montes

3234529883_b2027da068

O ano de 2014 trouxe muitas novidades para os fãs de literatura policial. Sempre me incomodou — como leitor — a falta de uma tradição literária do gênero no Brasil; autores efetivamente dedicados a crime novels, com repercussão internacional. Talvez por esse incômodo eu tenha decidido escrever tramas policiais. Publiquei em março meu segundo romance, Dias Perfeitos, que teve uma boa recepção crítica e calorosa aceitação dos leitores, com traduções para o exterior e direitos vendidos para o cinema.

Em entrevistas, sempre digo que não se constrói uma tradição sozinho. O trabalho é árduo, demorado e, claro, tradição significa muitos autores publicando muitos livros de mistério ao longo de anos. Por isso, mesmo feliz com minha carreira, torci e torço para que novos autores do gênero policial surjam no mercado para ganhar as livrarias e o gosto dos leitores. Nesse sentido, 2014 não decepcionou: nas prateleiras, é fácil encontrar estreantes como A forma da sombra, de Fernando de Abreu Barreto; Ao meu ídolo, com amor, de Mariana Pereira; O assassino que mutilava Leminski, de Anisio Homem, O caso dos ossos, de Sally Satler e Carla Fernanda da Silva, República Paradiso, crimes e segredos, de Sérgio Lang, e Mate-me quando quiser, de Anita Deak. Publicados, em sua maioria, por editoras pequenas, esses livros confirmam o crescente número de novos autores dedicados ao policial.

Na plataforma digital, o número é ainda maior. O jovem Mateus Baldi lançou seu Impublicáveis contos na Amazon, por exemplo. Chris Lauxx, especialista em literatura policial, chegou com seu ótimo Os maiores detetives do mundo, também pela Amazon. Não bastasse, autores que se dedicam a alguns anos ao gênero lançaram novos romances de alta qualidade, consolidando suas carreiras: Em linha reta, de Tailor Diniz, Safári, de Luís Dill, Matar alguém, de Roger Franchini, A comédia mundana, de Luiz Biajoni, O trovador, de Rodrigo Garcia Lopes, e O silêncio mais profundo, de Oscar Bessi. Livros que merecem ser conferidos.

Entre os veteranos, Tony Bellotto trouxe mais uma aventura do detetive Remo Bellini em Bellini e o Labirinto, e Luiz Alfredo Garcia-Roza apresentou a décima aventura do delegado Espinosa em Um lugar perigoso. Por fim, nossa dama do crime, Patrícia Melo, publicou seu Fogo-fátuo, a primeira aventura da perita Azucena.

Confirmando a valorização do gênero no Brasil, personalidades de outras áreas fizeram sua incursão ao policial em 2014. É o caso do escritor Bernardo Kucinski, com Alice, seu primeiro livro de suspense, do editor Marcelo Ferroni, com Das paredes, meu amor, os escravos nos contemplam, e do cantor Tico Santa Cruz, com o violento e delicioso Pólvora.

Para coroar tantas publicações, Rubem Fonseca, o mestre do gênero no país, venceu o Prêmio Jabuti com seu livro de contos, Amálgama. Além disso, em dezembro, foi publicada a antologia de contos Rio Noir, organizada por Tony Bellotto e com participação de diversos autores do gênero escrevendo contos policiais situados em bairros da Cidade Maravilhosa. Um livraço!

Na internet, o leitor de policial pode se manter atualizado através de duas novas e incríveis plataformas. A página Clube do Crime posta diariamente no Facebook notícias e entrevistas sobre o gênero policial. Já o site literaturapolicial.com traz resenhas, sinopses, listas, lançamentos e promoções. Um deleite para quem curte um bom romance policial. Para 2015, além de muita paz, saúde e alegrias, desejo mais sangue nas páginas, mais cadáveres, mais detetives e mais mistérios a desvendar. Estão prontos?

* * * * *

Raphael Montes nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Advogado e escritor, publicou contos em diversas antologias de mistério, inclusive na revista americana Ellery Queen Mystery MagazineSuicidas (ed. Saraiva), romance de estreia do autor, foi finalista do Prêmio Benvirá de Literatura 2010, do Prêmio Machado de Assis 2012 da Biblioteca Nacional e do Prêmio São Paulo de Literatura 2013. Em 2014 lançou seu novo romance pela Companhia das Letras, Dias perfeitos. Atualmente, o autor realiza trabalhos editoriais, ministra palestras sobre processo criativo e escreve o projeto de uma série policial para TV.
Site — Facebook — Twitter

8 Comentários

  1. […] Relacionadas “Os maiores detetives do mundo” é destaque no blog da Companhia das Letras Chris Lauxx escreve as novas páginas do gênero policial da literatura ilhéu Casal de jornalistas […]

  2. Sergio Lang disse:

    É uma honra figurar, tão cedo, no rol dos novos e dos consagrados autores brasileiros dedicados ao gênero policial. Grato, Raphael!
    Romance policial com cara de Brasil. Parabéns a todos. Enfim, crime é não ler.
    8-)

  3. Raphael, eu te admiro não só por levantar a bandeira da literatura policial (há quanto tempo mesmo? desde que te conheço virtualmente, pelo menos, elá se vão alguns anos!), como pelo fato de estudá-la e produzi-la com extrema qualidade. Teu sucesso é o resultado merecido e natural dessa paixão. Ou seja, competência e alto nível. Eu te agradeço a gentileza de citar meu livro aqui, é uma honra. Fiquei surpreso e feliz ao extremo, ainda mais na companhia só de gente do primeiro time. Um abração, meu querido, e sucesso sempre! :)

  4. Valter Ferraz disse:

    Literatura policial é um desafio e tanto, ao menos para mim. Quem sabe um dia?
    Sucesso para você, Rafael.

  5. Muito bacana o texto, Raphael. E obrigada por ter citado “Ao meu ídolo, com amor”.
    Beijos.

  6. Fernando de A. Barreto disse:

    A literatura policial sempre esteve por aí, vagando. Agora mais forte do que nunca, no Brasil. Grande abraço, Raphael.

  7. Edielson B. do Carmo disse:

    Raphael Moentes li seu livro “Dias perfeitos” em exatos 7 dias. E fico muito feliz em dizer que nossa literatura, não só policial, encontra-se em ascensão. Seu texto é enxuto, recheado de ótimas referencias e, acima de tudo, gostoso de se ler. Espero ansioso pela próxima trama!

  8. Thiago Martins disse:

    Como diria Capitão Nascimento: “Missão dada é missão cumprida.”
    Estou produzindo um Thriller Psicológico. Quem sabe em breve mais um Romance Policial Nacional? :)

Deixe seu comentário...





*