Woody Allen, diretor de Tubarão

Por Érico Assis

4182013439_f3e66e5361

Foto: Ari Evergreen

Eu estava fazendo uma palestra sobre quadrinho nacional. Comparei a trama de uma HQ — acho que foi Aos cuidados de Rafaela, de Marcelo Saravá e Marco Oliveira — aos filmes do Woody Allen. Nenhum dos sete componentes da plateia (justificando: era uma palestra sobre quadrinho nacional) expressou reação facial. Na dúvida, perguntei:

— Woody Allen, diretor de cinema…?

Um garoto, aí pelos 18 anos:

— Ah, acho que eu sei. É o que dirigiu aquele filme velho, Tubarão, né?

Sem desculpas aos que se ofendem por tratar Tubarão como “filme velho”. Objetivamente, eu e o garoto somos mais novos que Tubarão, o que objetivamente faz ele entrar na categoria filme velho.

Em relação a Woody Allen ser diretor de Tubarão, compreendo a dificuldade dos entendedores em conectar a filmografia do Allen ao que é Tubarão. Mas eu me contive. Talvez tenha ficado um segundo de olhar fixo no garoto, tentando controlar o meu rosto e o sarcasmo borbulhante. Mas:

— Hã, não. O Woody Allen é um diretor que faz comédias, dramas, histórias mais intimistas. Ele estrelava muito os próprios filmes, um carinha mirrado de óculos. Agora ele está com mais de 80, não aparece tanto, mas continua fazendo filmes…

Me senti bem adulto.

Um amigo que estava na palestra, da minha idade, veio conversar comigo mais tarde. Ficamos inventando tramas de “Woody Allen’s Jaws”. Mas isso foi depois.

* * *

O caso é que quando eu tinha os (supostos) 18 anos daquele garoto, acessei uma filmografia do Woody Allen via internet discada, fui à única locadora da cidade com busca em banco de dados por título estrangeiro (depois me disseram que tinha busca por diretor) e assisti à filmografia woodyallenesca. Em VHS.

Não é só o Snap, o PS4 e o catálogo do Netflix que desincentivam qualquer ser humano a fazer algo parecido hoje. Os gostos são muito fragmentados para chegar nessa idolatria — meio brega — de pesquisar e zerar filmografia de um diretor. Aliás, acho que a minha conclusão da experiência, naquela época, foi que eu não precisava nem devia ter visto todo Woody Allen.

Uma pessoa de 18 anos, mesmo levemente interessada por cultura pop — ei, o cara foi numa palestra sobre quadrinho nacional — tem opções demais, interesses demais e tempo de menos para se dar ao trabalho de saber quem é o Woody Allen. E outra: é uma coisa do tempo dos pais dele. O último Allen que eu acho genial, Descontruindo Harry, é de 1997: mais velho que o garoto.

Seria o caso de eu ter dito “Mas nem Zelig? Nem Manhattan? Nem o final do Memórias?” Oras, também ouvi coisas assim da geração acima da minha. Ou riram na minha cara. Algum velhão deve ter dito que eu precisava ler Hemingway para ser gente. Fui até o fim de Adeus às armas e minha vida não mudou. Embora eu tenha tido alegrias com as sugestões de velhões (Ardil 22, sim, mudou minha vida), o ponto é que nem todas as referências de uma geração cabem para a outra. Com sorte, devem haver pilhas de Woody Allens-youtubers na dieta cultural do garoto que eu nem conheço.

O ponto também é que estou velho e vou ter que começar a selecionar para quem cito Woody Allen como ponto de referência. Ou para contar piadas sobre “Woody Allen’s Jaws”.

* * * * *

Érico Assis é jornalista, tradutor e doutorando. É o editor convidado de O Fabuloso Quadrinho Brasileiro de 2015 (Editora Narval). Mora em Florianópolis e contribui mensalmente com o blog com textos sobre histórias em quadrinhos. Também escreve em seu site pessoal, A Pilha.

4 Comentários

  1. Douglas Cerdeira disse:

    Érico, hoje e sempre, te desejo os mais sinceros e calorosos aplausos. Acompanho seus textos dentro e fora do blog da companhia, e só o que tenho a te dizer é que, de longe, você é uma das melhores pessoas que fazem girar a roda dos quadrinhos nacionais. Muito além disso, é um pensador muito adiante do status “cult” que há no meio crítico atual. Suas opiniões atuais e totalmente compreensivas com os assuntos contemporâneos são apresentadas com absurdo bom humor e sagacidade, negando a necessidade desse ar cinza, ranzinza e de desprezo, com o qual a 95% dos pensadores, literatos, críticos e estudantes destas áreas costumam basear seus discursos.
    Sempre me dando motivos pra ser seu fã!
    Um abraço!

  2. Sylvia Silence disse:

    “Com sorte, devem haver pilhas de Woody Allens-youtubers na dieta cultural do garoto que eu nem conheço.”

    Hmmm, tem não hein.

  3. Caio Leao disse:

    Por favor me apresenta entao “as pilhas de Woody Allens-youtubers”.

    Louco pra ver. Sério. Sem ironia. Não conheço nenhum.

    Adoro uma polêmica – no sentido de provocar reflexôes – no entanto, no fundo, existe coisas boas e coisas ruins. Pra mim, não interessa a década. Nem o século.

    Que bom que tem gente que não pratica isso, se não ninguém leria Shakespeare já há mais de 350 anos. :)

  4. Thais Aux disse:

    Olha, sinceramente, o Woody Allen ainda faz filme até hoje, e não é porque é “das antigas” (na verdade ele não é!) que não se deve conhecê-lo. Isso é cultura geral, independente da pessoa achar bom ou ruim, recomenda-se conhecer, entender, assistir, consumir. Essa juventude está perdida mesmo.

Deixe seu comentário...





*