Notícias

Leitura em pauta


Uma das fotos tiradas por João Silva durante os conflitos na África do Sul: três homens mortos na rua onde foram baleados durante uma batalha entre o Inkatha e o CNA em Dobsonville, subúrbio do Soweto. O grafite diz: “Lembre: a vida não lhe deve nada – você deve tudo à vida!!!”

O fotógrafo moçambicano João Silva ficou gravemente ferido ao pisar em uma mina terrestre, semana passada, no sul do Afeganistão. Ele acompanhava uma unidade do Exército dos Estados Unidos, a trabalho pelo New York Times.

Silva fez parte do Clube do Bangue-Bangue, grupo de fotógrafos que ganhou dois Pulitzer por registrar e mostrar ao mundo a violência causada pelas brigas de poder na África do Sul da década de 1990, durante a transição do apartheid para a democracia multirracial. O Clube era composto por Ken Oosterbroek, Kevin Carter, João Silva e Greg Marinovich. Apenas João Silva e Greg Marinovich sobreviveram a esse período, e contaram sua história em O Clube do Bangue-Bangue.

João Silva acompanhou e registrou zonas de guerra no Iraque e nos Bálcãs, entre outras, e ganhou diversos prêmios por seu trabalho. Ele está estável mas continua internado, e os presentes no momento da explosão afirmam que ele continuou fotografando mesmo após ser ferido.

Links da semana

A foto acima é de Fabrício Corsaletti, que ganhou o Prêmio BRAVO! de melhor livro por Esquimó. Parabéns, Fabrício!

Jonathan Franzen listou no site da Oprah alguns de seus livros favoritos. Entre eles estão Ruído branco, de Don DeLillo, Desesperados, de Paula Fox, e Fugitiva, de Alice Munro.

Raquel Cozer entrevistou Ingrid Betancourt para o Caderno 2. A ex-senadora colombiana, que passou seis anos em cativeiro das Farc, vem ao Brasil na semana que vem, e autografará sua biografia Não há silêncio que não termine em São Paulono Rio de Janeiro.

O Jack, do blog The body electric, resenhou Memória de elefante, de Caeto. O Guilherme, do Universo HQ, entrevistou Caeto.

Carlo Carrenho, que faz parte da equipe do PublishNews, começou um blog voltado para o mercado de livros digitais.

No Meia Palavra, a Taize resenhou A teoria das janelas quebradas, de Drauzio Varella, a Anica leu A ascensão do romance, de Ian Watt, o Lucas resenhou Cacau, de Jorge Amado, e o Felipe falou de Solar, de Ian McEwan.

O professor e acadêmico Alfredo Bosi formulou para o Museu da Língua Portuguesa uma lista de 120 grandes obras da Literatura Brasileira.

A produtora Rever fez um mini-documentário em homenagem a Laerte, com a participação de Angeli, Allan Sieber e André Dahmer. O Renan, do Judão, resenhou Muchacha.

A Companhia acabou de lançar o 2º volume de Scott Pilgrim contra o mundo. A Amanda, do blog O Café, falou do 1º volume da série, e o Clube Scott Pilgrim fez um vídeoum post sobre o encontro de inauguração do fã-clube.

No blog O Espanador, o Rafael falou de Invisível, de Paul Auster, e Memória de elefante, de Caeto, enquanto o Daniel escreveu sobre Nada me faltará, de Lourenço Mutarelli.

O escritor Antônio Xerxenesky resenhou O grande, de Juan José Saer, para o Estado de S. Paulo. O Ricardo escreveu para a Revista Cult sobre Veneno, sombra e adeus, o terceiro volume da trilogia Seu rosto amanhã, de Javier Marías.

O Lorran, do blog Subtítulo, resenhou No buraco, de Tony Bellotto. O Alex, da revista Acesso Total, resenhou O menino que odiava mentira, de M.J. Hyland.

A FLIP anunciou seu novo curador: Manuel da Costa Pinto. No site da emissora espanhola RTVE você pode ver um documentário sobre o escritor Roberto Bolaño.

programa Entrelinhas fez uma matéria sobre o projeto da Companhia das Letras e da RT Features de reunir escritores e desenhistas para produzir histórias em quadrinhos nacionais.  Eles entrevistaram Emilio Fraia e DW Ribatski, que estão trabalhando em Campo em branco.

Links da semana

A foto acima é do quadrinista Dash Shaw, que posou para um artigo sobre jovens sucessos da L’Uomo Vogue (veja outras imagens no site do fotógrafo, Seth Kushner).

O Arthur, do blog O leitor comum, assistiu várias palestras da Bienal do Livro do Paraná, e conta um pouco sobre o que falaram escritores como Moacyr ScliarMarçal AquinoRuy Castro.

Rafael Coutinho, desenhista de Cachaloteescreveu em seu blog sobre como conheceu Caeto, e compartilha sua alegria por ver Memória de elefante pronto. A festa de lançamento da graphic novel será esta sexta-feira.

Mauricio Stycer escreveu sobre Operação Massacre, de Rodolfo Walsh, em seu blog. Veja no YouTube trechos da carta de Walsh sobre a ditadura argentina.

A The Paris Review traz um texto de Nick Antosca sobre os efeitos que ler Lolita aos doze anos teve sobre ele.

O André, do blog O Roteiro, resenhou Ponto final, de Mikal Gilmore. O Braulio, do Mundo Fantasmo, leu Detetives selvagens, de Roberto Bolaño.

programa Pipoca e Nanquim, que toda semana traz dicas de filmes e quadrinhos, recomendou MuchachaMemória de elefante em seu último vídeo. Veja aqui os episódios anteriores do programa.

No Jornal O Globo, Miguel Conde mostra o estado precário de alguns acervos de escritores brasileiros falecidos.

No Meia Palavra, o Luciano leu Peixe dourado, de J.M.G. Le Clézio; a Taize falou de O menino que odiava mentira, de M.J. Hyland; a Anica resenhou A valsa dos adeuses, de Milan Kundera, e Putas assassinas, de Roberto Bolaño.

No New York Times, Anne Trubek comenta a moda de transformar casas de escritores falecidos em museus. O The Guardian traz uma matéria sobre um negociador de livros raros.

O Amilton, do Vortex Cultural, resenhou Retalhos, de Craig Thompson. O Paulo Ramos, do Blog de Quadrinhos, falou de Muchacha, de Laerte, e o Lucas, do blog O Holográfico, leu O resto é ruído, de Alex Ross.

A TV Cultura criou um programa para exibir documentários raros diariamente, e o portal da Livraria Cultura entrevistou J.P. Cuenca.

O Vladimir, do Princípio do Escrever, resenhou Pelos olhos de Maisie, de Henry James. Cadorno escreveu sobre O acidente, de Ismail Kadaré, no Dicas Alheias.

No UOL Entretenimento, a Marta Barbosa resenhou Noturnos, de Kazuo Ishiguro. O Guilherme, do blog Biscoitos Sortidos, falou sobre o jornalista Joseph Mitchel, autor de O segredo de Joe Gould.

A revista Piauí deste mês traz um conto inédito de Milton Hatoum, e Robert Darnton escreveu para a New York Review of Books sobre a possibilidade de uma biblioteca totalmente digital.

Links da semana

A revista Esquire publicou um longo perfil de Philip Roth. Ele recentemente se disse avesso às mudanças que a tecnologia está trazendo ao mercado editorial.

Lira Neto, que ganhou o Jabuti por sua biografia do Padre Cícero, anunciou que seu próximo biografado será Getúlio Vargas, e defendeu em seu blog a necessidade de uma obra completa sobre o falecido presidente.

Rafael resenhou em seu blog Deus, um delírio, de Richard Dawkins. O Omegacast fez um episódio dedicado a Scott Pilgrim. O 2º volume da série tem lançamento previsto para 19 de outubro.

Mil livros que pertenceram a Jorge Luis Borges, com anotações suas nas margens, foram encontrados na Biblioteca Nacional da Argentina, assim como um poema seu desconhecido.

Os alunos do curso de jornalismo do Estado de S. Paulo, conhecidos como “focas”, agora têm um blog, onde falam sobre seu aprendizado e o dia-a-dia na redação.

A Arielle, do Diversão sem culpa, leu Na natureza selvagem, de Jon Krakauer. O Marcos, do Confissões do sétimo andar, falou de Felicidade demais, de Alice Munro. O Kovacs, do Mundo de K, resenhou Fantasma sai de cena, de Philip Roth.

O Pedro, do Blog de Quadrinhos do Jornal do Brasil, conseguiu uma pequena entrevista com Laerte sobre Muchacha. E como o Omelete noticiou, a Quadrinhos na Cia. lançará Little Nemo no ano que vem.

Mario Vargas Llosa ganhou o Prêmio Nobel de Literatura semana passada. Leia um artigo dele de 2001 sobre a importância da literatura.

Kelvin Falcão falou em seu blog sobre Roberto Bolaño e Juan José Saer. O Márcio, do Portal Rock Press, resenhou Memória de elefante, de Caeto.

No site Meia Palavra, a Taize resenhou Linguagem de sinais, de Luiz Schwarcz, a Kika falou de Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago, e o Felipe leu No buraco, de Tony Bellotto. Você já está participando do sorteio de dois exemplares autografados do livro de Bellotto?

O site Design Related tem uma entrevista com Coralie Bickford-Smith, capista da Penguin Books. A Deise, do Tower of reading, falou de Coração de tinta, de Cornelia Funke.

Para terminar, alguns artigos sobre tradução: um de Michael Cunningham, autor de As horas, para o New York Times; uma série de textos de Lydia Davis para a Paris Review sobre a nova tradução que ela fez de Madame Bovary; e um apanhado de respostas de tradutores de japonês, russo e outras línguas sobre seus métodos de tradução. (E hoje mesmo nós colocamos aqui no blog um texto de Eduardo Brandão, tradutor de Roberto Bolaño no Brasil.)

Vencedores do 52º Prêmio Jabuti


(Foto por Danilo Máximo)

O Prêmio Jabuti, organizado pela Câmara Brasileira do Livro, divulgou hoje de manhã os vencedores da edição de 2010. Abaixo você vê os livros premiados da Companhia das Letras; a lista completa está no site do Jabuti. Estamos muito felizes porque, além de tudo, a Companhia foi a editora com mais obras premiadas este ano! Parabéns a todos os autores e colaboradores!

Romance:
2º – Leite derramado – Chico Buarque

Juvenil:
1º – AvóDezanove e o segredo do soviético – Ondjaki

Infantil:
2º – Carvoeirinhos – Roger Mello
3º – A visita dos 10 monstrinhos – Angela-Lago

Ciências humanas:
3º – Um enigma chamado Brasil – André Botelho, Lilia Moritz Schwarcz

Poesia:
3º – Lar, – Armando Freitas Filho

Biografia:
2º – Padre Cícero – Poder, fé e guerra no Sertão – Lira Neto

Reportagem:
1º – O leitor apaixonado – Prazeres à luz do abajur – Ruy Castro

Teoria e crítica literária
1º – A clave do poético – Benedito Nunes
2º – O controle do imaginário & a afirmação do romance – Luiz Costa Lima

Capa:
1º – O resto é ruído – Alex Ross (capa por Retina_78)

Tradução de obra literária do espanhol para o português:
1º – Purgatório – Tomás Eloy Martínez (tradução por Bernardo Ajzenberg)

* * * * *

O Jabuti agora abriu a votação para o melhor livro de ficção e de não-ficção escolhido por Júri Popular : basta ir na página do prêmio e votar no seu favorito de cada categoria. Para facilitar a sua decisão, clique nas capas abaixo e leia um trecho de cada livro: