alex bellos

Semana duzentos e quarenta e nove

blog

As transições e os choques, de Martin Wolf (tradução de Otacílio Nunes)
As transições e os choques não é apenas mais uma história da crise, e sim o relato mais abrangente a respeito dos efeitos da crise sobre a economia moderna. Ele mostra que novas crises estão por vir e que as atuais mudanças políticas fazem da Europa um ambiente instável. Escrito com a segurança intelectual que fez de Martin Wolf um dos mais influentes colunistas de economia do mundo, este é um livro que nenhum interessado nos rumos da economia mundial poderá ignorar.

Alex através do espelho, de Alex Bellos (tradução de Paulo Geiger)
De triângulos, rotações e números primos a fractais, cones e curvas, Alex Bellos nos leva a uma viagem de descoberta matemática. Com ânimo e sagacidade, suas marcas registradas, Bellos atravessa o globo em busca de histórias e pessoas que o ajudem a compreender a belíssima natureza dos números. É a partir desses encontros que o autor irá nos mostrar como a matemática pôde transformar o mundo. Ao longo das aventuras de Bellos, vemos os conceitos que antes nos pareciam complexos ganharem explicações simples e surpreendentes. Todos os que já temeram algum dia as ciências exatas encontrarão aqui uma brilhante defesa de como os números podem ser divertidos.

A falta que ama, de Carlos Drummond de Andrade
Publicado em 1968, A falta que ama aprofunda questões que sempre marcaram a obra poética de Carlos Drummond de Andrade: afetos, memória e observações sobre a realidade brasileira. Com posfácio de Marlene de Castro Correia, esta edição de A falta que ama conta com caderno de imagens e bibliografia recomendada para aqueles que quiserem mergulhar mais fundo na obra de um de nossos maiores poetas.

Seguinte

A Herdeira – A Seleção Vol.4, de Kiera Cass (tradução de Cristian Clemente)
Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, filha do casal. Prestes a conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, ela não tem esperanças de viver um conto de fadas como o de seus pais… Mas assim que a competição começa, ela percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto parecia.

Companhia das Letrinhas

Malala – a menina que queria ir para a escola, de Adriana Carranca
Por mais absurdo que pareça, Malala Yousafzai quase perdeu a vida por querer ir para a escola. Ela nasceu no Paquistão, em uma região pacífica, mas quando tinha dez anos, viu a sua cidade ser atacada e dominada por um grupo extremista chamado Talibã. Eles impuseram muitas regras, entre elas a que determinava que somente os meninos poderiam estudar. Mas Malala foi ensinada a defender aquilo em que acreditava e lutou com todas as forças para continuar estudando. Por isso, em 9 de outubro de 2012, tomou um tiro na cabeça quando voltava de ônibus da escola. A jornalista Adriana Carranca visitou o vale do Swat pouco depois do atentado, e conta tudo o que viu e aprendeu por lá, apresentando a história dessa menina que, além de ser a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz, é um grande exemplo, no mundo todo, do poder do protesto pacífico.

Companhia de Bolso

Terra Sonâmbula, de Mia Couto
No Moçambique pós-independência, mergulhado na devastadora guerra civil que se estendeu por dez anos, o velho Tuahir e o menino Muidinga empreendem uma viagem recheada de fantasias míticas. Terra sonâmbula – considerado pelo júri especial da Feira do Livro de Zimbabwe um dos doze melhores livros africanos do século XX – é um romance em abismo, escrito numa prosa poética que remete a Guimarães Rosa. Mia Couto se vale também de recursos do realismo mágico e da arte narrativa tradicional africana para compor esta bela fábula, que nos ensina que sonhar, mesmo nas condições mais adversas, é um elemento indispensável para se continuar vivendo.

Companhia apresenta: Alex através do espelho

apresenta-Recovered_bellos

Alex Bellos quer mostrar que a matemática não é um bicho de sete cabeças. Em Alex no país dos números, livro lançado em 2011, Bellos viajou para diferentes países e culturas para apresentar pessoas que têm uma relação diferente com os números, não necessariamente aquela que vivenciamos na escola. Ele investigou as fascinantes propriedades do jogo de Sudoku com seus inventores; visitou a escola japonesa em que professores e alunos fazem cálculos extraordinários imaginando o funcionamento de um ábaco; tentou prever os acasos da fortuna em um cassino de Nevada.

Agora o autor volta a usar sua familiaridade com a matemática em seu novo livro, Alex através do espelho, que será lançado pela Companhia das Letras no final de abril. Neste livro, Bellos atravessa o globo em busca de histórias e pessoas que mostram como a matemática pôde transformar o mundo. Ao longo das aventuras de Bellos, vemos os conceitos que antes nos pareciam complexos ganharem explicações simples e surpreendentes. Todos os que já temeram algum dia as ciências exatas encontrarão aqui uma brilhante defesa de como os números podem ser divertidos.

Para falar um pouco mais sobre o novo livro, fizemos uma entrevista rápida com Alex Bellos. Confira a seguir.

Alex através do espelho é um livro que mostra como os números se refletem em nosso cotidiano. De que forma eles estão presentes e como podem nos ajudar a compreender o mundo?

Com este livro eu quis mostrar vários aspectos dos números e como eles refletem a vida. Para começar, eu quis mostrar como os números nos influenciam de modos culturais, emocionais e psicológicos que nem sempre são óbvios. Mas também como os números — e a matemática de modo mais geral — são a melhor linguagem que temos para entender como o mundo funciona. Em Alex através do espelho eu explico como os triângulos mudaram o mundo, demonstro como padrões descobertos pelos gregos foram utilizados séculos mais tarde para explicar como os planetas se movem e como simples regras matemáticas podem produzir um extraordinário comportamento complexo.

Há vários números que vão além do seu simples significado: o 7, por exemplo, aparece como número da magia, o 13 é do azar, o 8 é da sorte… Seu livro explica como surgiram essas superstições?

Interessa-me saber como as propriedades aritméticas de números nos influenciam. É curioso, por exemplo, que o 7 seja o número mais místico ao longo de muitas épocas e em muitos continentes. A razão para isso vem de o 7 ter propriedades aritméticas especiais. Por ter tais propriedades é que se apresenta mais especial de várias outras maneiras.

E a numerologia: existe um fundamento por trás das premonições através dos números? 

Não creio em numerologia. Busco, em vez disso, entender a psicologia e a ciência de se atribuir a determinados números significados culturais especiais.

Há muitas pessoas que sentem grande dificuldade em entender a matemática e até em realizar operações básicas. Por que você acha que existe essa resistência à matemática? Seu livro busca aproximar mais os leitores desse mundo dos números?

A matemática se esforça para ser um assunto “massa” porque pode ser muito difícil. Não raro, é mal ensinada e se você não consegue entender, você se sente estúpido. Eu quero provar que a matemática é na verdade algo fascinante e divertido que pode ser apreciado por todos, e, para isso, minha técnica é contar histórias. Quero informar, mas também divertir.

Semana quarenta e sete

Os lançamentos da semana são:

Alex no país dos números, de Alex Bellos (Tradução de Claudio Carina e Berilo Vargas)
Os números têm fascinado a humanidade desde sua descoberta. Representados de diferentes modos pelas civilizações ao longo dos séculos, esses signos e suas relações se tornaram o fundamento do raciocínio abstrato, bem como de todas as atividades humanas em que é necessário contar. Os traços e marcas que permitiam aos primeiros pastores e agricultores o controle sobre a produção de seus rebanhos e plantações se transformaram na base conceitual da atual revolução tecnológica. Nas páginas desta surpreendente viagem pelo país da matemática, tal como a Alice de Lewis Carroll, Alex Bellos conduz o leitor por entre uma multidão de seres inusitados. Em meio a números com poderes maravilhosos, números que se atraem e se repelem, números que representam a plenitude da divindade e números repetidos que desafiam o acaso dos dados, o autor demonstra que a matemática é uma ciência tão importante quanto divertida. Alex Bellos, que fala português, vem ao Brasil para o lançamento do livro. Haverá bate-papo em São Paulo e Rio de Janeiro, com oficina de cubo mágico.

Três sombras, de Cyril Pedrosa (Tradução de Carol Bensimon)
Joachim e seus pais — Louis e Lise — vivem distantes do resto do mundo. A vida é tranquila e cheia de pequenos prazes na casinha rodeada por colinas. Mas um dia três sombras surgem no horizonte, montadas em cavalos, com capas negras e os rostos cobertos por capuzes. Sua presença silenciosa aos poucos se torna onipresente, aterrorizando a família e levando Louis à terrível conclusão de que as três entidades estão ali para buscar Joachim. Então Louis recusa-se a aceitar as engrenagens do Destino, e parte com o filho em uma viagem febril e desesperada. Nessa jornada quase alegórica, retratada com o traço preciso de Cyril Pedrosa — que ora revela a inocência de um olhar, ora ameaça à espreita —, pai e filho atravessarão lugares inóspitos povoados por seres trapaceiros e imorais, enquanto tentam, de todas as maneiras possíveis, escapar do encontro com a morte.

O jantar fatal e outros mistérios médicos, de Jonathan Edlow (Tradução de Alexandre Barbosa de Souza)
No ritmo das séries televisivas de grande sucesso ER e House, e inspirado nos contos de sir Arthur Conan Doyle protagonizados por Sherlock Holmes, o professor de medicina em Harvard e renomado especialista em emergências neurológicas Jonathan Edlow conta quinze histórias de mistérios médicos que — por sua complexidade ou rara ocorrência — desafiam os melhores “detetives”. Entre doenças esquecidas nos antigos compêndios de medicina que subitamente se manifestam no coração dos Estados Unidos e supostos chás medicinais que na verdade são tóxicos, o dr. Edlow ainda nos apresenta, em linguagem clara e acessível, a história das moléstias diagnosticadas, e as aventuras da descoberta dos mais diversos males e patógenos.

Oriente, Ocidente, de Salman Rushdie (Tradução de Melina R. de Moura)
Salman Rushdie é um equilibrista habituado à corda bamba entre dois mundos que parecem mais distantes entre si no tempo que no espaço — o Oriente e o Ocidente. Tem, portanto, um olhar privilegiado sobre cada um deles, o que lhe permite enxergar detalhes que escapariam a um observador convencional. Nos nove contos deste livros, o escritor indiano observa essas duas culturas com olhos afiados e irônicos, montando um caleidoscópio de situações que atravessam séculos e continentes. De Hamlet a Isabel de Castela, de Colombo ao dr. Spock, passando por assaltantes anônimos, espiões e proletários, indivíduos invariavelmente fora do lugar dão a estas páginas colorido e vitalidade raros na literatura — e são a prova definitiva de que não há fronteiras para a fabulação de Rushdie.

Mosca Espanhola, de Will Ferguson (Tradução de Celso Mauro Paciornik)
Jack McGreary é um jovem que vive na minúscula, pobre e pacata cidade de Paradise Flats. Quando dois novos golpistas chegam ao local e começam a agir, Jack é o único que reconhece o truque, mas, em vez de entregá-los, termina por ajudá-los. Encantado com a promessa de uma vida de aventuras com os profissionais do engodo Virgil Ray e srta. Rose, espécie de Bonnie e Clyde sem armas, Jack decide deixar sua antiga vida para trás e partir com eles. Juntos, os três aplicam golpes por todo o país, dos mais simples aos mais sofisticados, com um único lema: não é crime se dão o dinheiro para você. Jack é rapidamente absorvido por essa vida de dinheiro, bebida e jazz, e, usando seu talento nato, planeja o maior golpe de todos: a Mosca Espanhola.

Pompeia, de Richard Platt (Ilustrações de Manuela Cappon; Tradução de Érico Assis)
Era uma vez um modesto casebre no sul da Itália. Por volta de 750 a.C., ele se transforma em uma fazenda que, com o passar do tempo, vai sendo engolida por uma cidade vibrante que cresce ao seu redor — Pompeia. Aos poucos, surgem cada vez mais sinais de que o modo de vida romano tornou-se dominante por lá. Até as forças da natureza rebelam-se: o abalo de um terremoto é apenas o prenúncio de algo ainda mais devastador… Essa é a emocionante história narrada neste livro. Ao acompanhar o dia a dia de uma casa em Pompeia, de séc. VIII a.C. aos dias de hoje, você conhece não só uma parte da história do antigo Império Romano, como também as pessoas que lá viveram e trabalharam, e entende suas crenças e hábitos. Acompanhe em detalhes o crescimento dessa fascinante cidade por meio de desenhos detalhados e textos explicativos.

O livro dos monstros!, de Fran Parnell (Ilustrações de Sophie Fatus; Tradução de Heloisa Jahn)
O que você faria se de repente encontrasse um monstro? Tentaria se esconder? Fugiria? Ou será que diria “oi” na maior calma? Pois nestas histórias você vai ficar frente a frente com vários deles: um abominável homem das neves, um ogro emplumado, um monstro aquático faminto e outros seres de dar medo. E vai acabar descobrindo que eles são cheios de truques e também que nem todos são tão terríveis assim — alguns só precisam de um pouco de compreensão. Inspirado em histórias populares do mundo inteiro, das montanhas do Nepal às planícies da América do Norte, este livro vai fazê-lo passar pela emoção de encontrar algumas criaturas pavorosas — e gostar da experiência!

O rato me contou…, de Marie Sellier (Ilustrações de Catherine Louis; Carimbos e caligrafia chinesa de Wang Fei; Tradução de Eduardo Brandão)
Um dia, no início do mundo, o Grande Imperador do Céu convidou todos os animais a visitá-lo no topo da montanha de Jade. Doze animais compareceram — e acabaram se tornando os doze signos do horóscopo chinês. O que realmente aconteceu naquele dia? O rato, que estava presente, é que vai contar essa história. Ao final do volume, tabelas trazem os anos correspondentes a cada um dos signos chineses.