cultura e imperialismo

Semana setenta

Os lançamentos da semana são:

Dormindo com o inimigo, de Hal Vaughan (Tradução de Denise Bottmann)
Criadora radical, Gabrielle “Coco” Chanel trouxe as linhas retas e o preto e branco, além do conceito de conforto – até o início do século XX, monopólio da indumentária masculina -, para a costura feminina, e com isso aposentou de vez o espartilho e definiu uma nova silhueta para a mulher moderna. Mas sua história não se restringe à criação de produtos tão célebres quanto lendários, como a mítica fragrância Nº 5 e o “pretinho básico”. Neste livro, vem a público o envolvimento de Coco com a alta inteligência nazista durante a ocupação alemã em Paris, entre 1941 e 1944.

Na casa do Léo: Bichos arrepiantes, de Philip Ardagh (Ilustrações de Mike Gordon; Tradução de Érico Assis)
Em formato de história em quadrinhos e dividido em capítulos curtos, este livro se destina a crianças que estão começando a aprender temas da área das ciências. Com linguagem adequada ao leitor iniciante, Na casa do Leo – Bichos arrepiantes traz ainda um quadro com as principais características dos animais apresentados e um glossário com termos específicos sobre o assunto.

Cultura e imperialismo, de Edward W. Said (Tradução de Denise Bottmann)
Edward Said faz um trabalho brilhante de crítica literária ao examinar como as ideias imperialistas influenciaram e continuam influenciando a política e a cultura ocidentais. Ele desvenda como a ficção ocidental dos séculos XIX e XX e os meios de comunicação em massa de hoje podem ser armas de conquista poderosas, além de analisar o surgimento das vozes de oposição dos nativos na literatura dos países colonizados.

Noah foge de casa, de John Boyne (Tradução de Eduardo Brandão)
Em seu primeiro livro infantojuvenil desde o best-seller O menino do pijama listrado, que vendeu mais de 350 mil exemplares só no Brasil, o escritor irlandês John Boyne cria um mundo que mistura contos de fadas com os problemas mais cotidianos de um garoto comum. Esta fábula leve e inteligente prende os leitores até o final com dois grandes mistérios: por que Noah fugiu de casa e quem é o fabricante de brinquedos?

Nômade, de Ayaan Hirsi Ali (Tradução de Carlos Augusto Calil)
Ayaan Hirsi Ali atraiu atenção mundial com o livro de memórias Infiel, que ficou 31 semanas na lista de best-sellers do New York Times e conta sua infância e adolescência na Somália, na Arábia Saudita, na Etiópia e no Quênia sob o rigor do islamismo, até chegar à Holanda, onde se tornou uma das principais críticas do islã e defensora dos direitos das mulheres. Agora, em Nômade, ela narra sua mudança para os Estados Unidos em busca de uma nova vida, longe dos islamitas europeus que a ameaçaram de morte.

Quero um bicho de estimação, de Lauren Child (Tradução de Érico Assis)
As crianças costumam adorar animais de estimação. É batata: por volta dos três anos começam a pedir, “mamãe, papai, quero um bicho de estimação”. A oportunidade de conviver com um animal, de ter um companheiro fiel e leal que não julga nem dá bronca e está sempre pronto para brincar é muito benéfica. Mas os pais sabem bem que, apesar de terem a ajuda dos pequenos, a responsabilidade pelo bichinho será sua. Por isso, muitas vezes hesitam em atender ao pedido dos filhos. É exatamente dessa questão que trata Lauren Child, autora da série Charlie e Lola, neste livro sobre uma menina que – adivinhem… – quer um bicho de estimação.