grupo companhia das letras

Comunicado Grupo Companhia das Letras

grupocompanhia_

Em seu primeiro comunicado aos leitores, aos autores, ao mercado e aos veículos de comunicação, o Grupo Companhia das Letras informa que, a partir desta data, a integração entre as editoras Companhia das Letras e Objetiva está consolidada. A empresa Editora Schwarcz controlará a gestão e 55% das ações do novo grupo, tendo como sócia a Penguin Random House, que deterá os outros 45% de participação acionária.

O Grupo Companhia das Letras nasce como um dos maiores do mercado editorial brasileiro, com 19 selos que lançam em média 45 novos títulos por mês, tendo cerca de 5 mil títulos ativos em seu catálogo. Em 2014, as editoras Companhia das Letras e Objetiva venderam conjuntamente 7,5 milhões de exemplares (incluindo e-books) e tiveram 59 títulos na lista dos mais vendidos do PublishNews. Os selos que integram o novo grupo são: Alfaguara, Alfaguara Infantil, Boa Companhia, Breve Companhia, Claro Enigma, Companhia das Letras, Companhia das Letrinhas, Companhia de Bolso, Foglio, Fontanar, Objetiva, Panelinha, Paralela, Penguin-Companhia, Ponto de Leitura, Portfolio-Penguin, Quadrinhos na Companhia, Seguinte e Suma de Letras. Os autores continuarão a ser publicados em seus respectivos selos.

O processo de integração das duas editoras se iniciou no ano passado com a adoção de uma nova estrutura editorial (veja mais detalhes abaixo) e, em janeiro de 2015, prosseguiu com a fusão das equipes de vendas, que passam a ter representantes nas principais regiões do país. Para o primeiro semestre deste ano, estão previstas a integração de sistema e das áreas administrativas, bem como a mudança do estoque para um novo depósito que aumentará ainda mais a reconhecida eficiência da Companhia das Letras na distribuição de livros. Embora a sede do novo grupo esteja localizada em São Paulo, a editora Objetiva continuará a operar no Rio de Janeiro. A presença nas duas cidades de maior vitalidade cultural no país enriquecerá e diversificará ainda mais, tanto do ponto de vista intelectual quanto do literário, o universo de atuação do novo grupo editorial.

O grupo será comandado por Luiz Schwarcz, fundador da Companhia das Letras, e sua diretoria será composta por Sergio Windholz (administrativo e financeiro), Lilia Moritz Schwarcz (educação, infantil & juvenil e publicações acadêmicas), Elisa Braga (produção) e Matinas Suzuki Jr. (divulgação, marketing e vendas). Roberto Feith, que deixa o comando do dia a dia da Objetiva, passa a ser consultor da diretoria, editor especial e representante nas entidades de classe do Grupo Companhia das Letras.

Na área editorial, Marcelo Ferroni, que está na Objetiva há nove anos, passa a ser publisher do selo Alfaguara, que já vinha editando, e dos livros de autores estrangeiros do selo Objetiva. Otávio Marques da Costa, publisher da Companhia das Letras, passa a ser responsável também pelos livros nacionais do selo Objetiva. Júlia Moritz Schwarcz, publisher dos selos Companhia das Letrinhas, Boa Companhia, Claro Enigma e Seguinte, assumirá o selo Alfaguara Infantil. Os selos Fontanar e Suma de Letras ficarão sob o comando do publisher Bruno Porto, já responsável pelos selos Paralela e Portfolio-Penguin. Os publishers reportam diretamente ao presidente do Grupo Companhia das Letras, Luiz Schwarcz, que coordena a reestruturação na área editorial.

Para Luiz Schwarcz, “há anos procuramos uma gestão participativa na Companhia das Letras, na qual não só os diretores, mas também os publishers assumem plena responsabilidade na gestão da empresa. Os editores ganham oportunidade não só de comandar comigo a linha editorial, como também a de representar a editora nacional e internacionalmente. O Grupo Penguin Random House tem promovido a integração internacional em eventos, onde não só a linha editorial é discutida, como também visões de futuro do mercado e técnicas editoriais são compartilhadas; abre-se assim um novo horizonte para a jovem equipe que comanda conosco o novo grupo editorial”.

O Grupo Companhia das Letras terá o mais expressivo acervo de escritores brasileiros. Entre seus autores estão nomes como Ana Maria Machado, Bernardo Carvalho, Chico Buarque, Daniel Galera, Erico Verissimo, Jô Soares, João Ubaldo Ribeiro, Jorge Amado, José J. Veiga, José Luiz Passos, Luis Fernando Verissimo, Lygia Fagundes Telles, Michel Laub, Milton Hatoum, Otto Lara Resende, Paulo Mendes Campos e Raduan Nassar.

O catálogo de poesia do grupo é também dos mais notáveis, contando com poetas da dimensão de Ana Cristina Cesar, Carlos Drummond de Andrade, Chico Alvim, Fernando Pessoa, João Cabral de Melo Neto, José Paulo Paes, Manoel de Barros, Mario Quintana, Paulo Leminski, Vinicius de Moraes e Waly Salomão – para ficarmos apenas nos versos escritos em língua portuguesa.

Com o maior número de escritores que ganharam o prêmio Nobel de Literatura publicados no Brasil, o grupo tem em seu catálogo de autores estrangeiros nomes como Amós Oz, Colm Tóibín, David Foster Wallace, Donna Tartt, Fernando Pessoa, George Orwell, Haruki Murakami, Ian McEwan, Italo Calvino, J. M. Coetzee, Jonathan Franzen, Jorge Luis Borges, José Saramago, Kazuo Ishiguro, Mario Vargas Llosa, Mia Couto, Oliver Sacks, Orhan Pamuk, Philip Roth, Salman Rushdie, Stephen King e Vassili Grossman, entre outros.

Além da proeminência na área literária, as editoras Companhia das Letras e Objetiva são também renomadas no mercado brasileiro pelas obras de não ficção que seus selos publicam. Entre os autores nacionais e estrangeiros dessa categoria estão Amartya Sen, Andrew Solomon, Daniel Goleman, Daniel Kahneman, Drauzio Varella, Fernando Morais, Gay Talese, Jon Lee Anderson, Lira Neto, Roberto Pompeu de Toledo, Ruy Castro, Simon Montefiore, Thomas L. Friedman, Tony Judt, Walter Isaacson e Zuenir Ventura.

Na área de divulgação escolar e de projetos de governo, o Grupo Companhia das Letras intensificará as atividades e expandirá a sua área de atuação, consolidando nesse setor a maior estrutura de uma editora não especializada em livros didáticos.

Somadas, as editoras Companhia das Letras e Objetiva são líderes na venda de e-books no mercado brasileiro. A comunicação na internet e nas redes sociais (blog, newsletters, Facebook, Twitter e Instagram) de todos os selos do Grupo Companhia das Letras chega a atingir mais de um milhão de pessoas e é um poderoso instrumento de divulgação.

Companhia das Letras chega a Portugal

PRH_wordmark_brandsystem_MCKL

É com muita alegria que o Grupo Companhia das Letras informa que, em iniciativa conjunta com o Penguin Random House Grupo Editorial, o selo Companhia das Letras será também publicado em Portugal. O primeiro livro a ser lançado no mercado português agora em fevereiro é o romance O irmão alemão, de Chico Buarque, que já teve 100 mil cópias impressas no Brasil.

A criação deste selo leva a Portugal nomes consagrados, clássicos e contemporâneos, da literatura brasileira. Para 2015 estão garantidos, além de Chico Buarque, os clássicos Vinicius de Moraes e Carlos Drummond de Andrade, e nomes como Fernanda Torres, Sérgio Rodrigues e Raphael Montes. No Brasil, a Companhia das Letras passa a intensificar a publicação de autores portugueses. Já neste ano, será publicado o romance A Biografia involuntária dos amantes, de João Tordo, autor vencedor do Prêmio José Saramago.

Em Portugal, a Companhia das Letras será o selo dedicado à publicação de autores de língua portuguesa de todas as nacionalidades, com 12 títulos planejados já para 2015. Assim, os novos romances dos portugueses Afonso Cruz e João Tordo e um livro de textos do angolano Ricardo Adolfo sairão também pelo selo Companhia das Letras.

Markus Dohle, CEO da Penguin Random House, afirmou sobre a iniciativa: “A Companhia das Letras é reconhecida no Brasil e a nível global pelo seu fôlego criativo e qualidade literária. Agora, em parceria com a Penguin Random House, a Companhia das Letras Portugal continuará essa tradição de excelência e assegurará uma audiência ainda maior para autores locais e autores de língua portuguesa de todo o mundo, cujas obras, contemporâneas ou clássicas, serão lidas por um público mais vasto, dos dois lados do Atlântico. Felicitamos o Luiz Schwarcz e a Clara Capitão por este passo adiante para autores e leitores em Portugal e no mundo inteiro.”

John Makinson, chairman da Companhia das Letras, disse: “A criação do selo Companhia das Letras em Portugal é uma extensão natural e desejada da posição preeminente da Companhia no mercado editorial brasileiro. A Companhia não tem par como editora literária no Brasil e nos dá grande satisfação saber que as suas qualidades e relações literárias e a sua marca de prestígio irão enriquecer a comunidade editorial em Portugal. O lançamento desta iniciativa foi planejado em consulta próxima com as empresas-irmãs da Companhia das Letras no âmbito da Penguin Random House: o Penguin Random House Grupo Editorial em Barcelona e a Objetiva no Rio de Janeiro. Isso evidencia a força e o potencial da associação entre a Companhia e a família Penguin Random House em todo o mundo.”

“Estou muito feliz! Esta frase tão simples, com todas as exclamações possíveis, é a que mais me atrai para dizer como me sinto. Viajar com nossos logotipos – entre eles uma caravela, como a que trouxe os portugueses ao Brasil –, cruzar o Atlântico e reproduzir nossa história, agora com a contribuição e liderança da Clara Capitão, me deixam animado ao extremo. A Companhia agora chega a Portugal para mostrar um pouco da sua cara na terra de José Saramago e de tantos escritores que ligaram ainda mais nossos países. E por aqui será um pouco mais portuguesa, com a mesma alegria”, afirma Luiz Schwarcz, fundador da Companhia das Letras.

Núria Cabutí Brull, CEO do Penguin Random House Grupo Editorial, afirmou: “Para o Penguin Random House Grupo Editorial é uma honra poder anunciar a chegada do selo Companhia das Letras aos leitores portugueses. Quero agradecer ao meu colega Luiz Schwarcz o seu entusiasmo, apoio e ajuda para que este projeto se tenha convertido hoje em realidade. Cuidaremos deste grande legado com a máxima atenção e os nossos esforços serão dirigidos a dar a maior difusão possível aos autores e às suas obras e a aumentar a nossa base de leitores em Portugal, mercado em que queremos reforçar a nossa presença”.

Clara Capitão, diretora do Penguin Random House Grupo Editorial em Portugal, declara: “Desde que trabalho no mundo da edição que a Companhia das Letras é uma referência: pelo critério, pelo arrojo, pelo bom gosto. Sobretudo, pelo excelente catálogo brasileiro e internacional que soube construir, sob a direção de Luiz Schwarcz. Poder trabalhar com uma chancela de tal prestígio é um sonho e uma responsabilidade. E também uma oportunidade para autores da língua portuguesa de terem uma casa nos dois lados do Atlântico. Inaugurar a Companhia das Letras em Portugal com a obra de Chico Buarque é abrir com chave de ouro.”