jonathan swift

Concorra a exemplares de “Viagens de Gulliver”

O filme baseado no clássico Viagens de Gulliver estreia dia 14 de janeiro, com Jack Black, Jason Segel, Emily Blunt e Amanda Peet no elenco. Para comemorar, vamos dar um exemplar de Viagens de Gulliver aos autores das três melhores respostas para a pergunta “O que você faria se fosse tão grande quanto Gulliver em Lilipute?”.

Deixe sua resposta nos comentários até o dia 16 de janeiro (por favor, deixe um e-mail válido no formulário). Os vencedores serão divulgados aqui no blog dia 18, e pessoas de todo o Brasil podem participar.

Se você é de São Paulo, também pode participar da nossa promoção no Twitter. Retwitte a nossa mensagem até dia 6 às 17h e concorra a um par de ingressos para a pré-estreia de As viagens de Gulliver. A sessão será sábado, dia 8, às 10h30, no Kinoplex Itaim (Rua Joaquim Floriano, 466 – Itaim Bibi). Duas pessoas ganharão um ingresso cada, com direito a um acompanhante.

Semana trinta e um

Os lançamentos desta semana foram:

Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift (Tradução de Paulo Henriques Britto)
Em Viagens de Gulliver, polêmica obra-prima do século XVIII que mistura literatura de viagem, aventura e ficção científica, Jonathan Swift expõe o homem, suas instituições, seu apego irracional ao poder e ao ouro, e sua insistência em prolongar a vida. Esta edição foi organizada pelo professor Robert DeMaria Jr., também responsável pelo texto de introdução e pelas notas, e conta com imagens preciosas, como reproduções da folha de rosto e do frontispício da primeira edição da obra-prima de Jonathan Swift, além de mapas das diferentes terras citadas no romance, inestimáveis para a leitura.

O caso Dreyfus, de Louis Begley (Tradução de Laura Teixeira Motta)
Em dezembro de 1894, o capitão Alfred Dreyfus, brilhante oficial de artilharia do exército francês, foi levado à corte marcial por supostamente vender segredos militares ao governo alemão. A peça de acusação contra Dreyfus transbordava de mentiras e de um flagrante antissemitismo por parte do Estado Maior francês. Ao cabo de cinco anos de prisão em regime de solitária na ilha do Diabo, na costa da Guiana Francesa, Dreyfus foi finalmente inocentado e reintegrado ao exército francês. O escritor e advogado Louis Begley traça um perturbador paralelo entre a escabrosa injustiça cometida contra o oficial francês e a situação atual dos prisioneiros de Guantánamo, acusados de terrorismo. Quantos Dreyfus haveria entre eles?

O amante de Lady Chatterley, de D.H. Lawrence (Tradução de Sergio Flaksman)
Poucos meses depois de seu casamento, Constance Chatterley, uma garota criada numa família burguesa e liberal, vê seu marido partir rumo à guerra. O homem que ela recebe de volta está paralisado da cintura para baixo, e eles se recolhem na vasta propriedade rural dos Chatterley. Inteiramente devotado à sua carreira literária e depois aos negócios da família, Clifford vai aos poucos se distanciando da mulher. Isolada, Constance encontra companhia no guarda-caças Oliver Mellors, um ex-soldado que resolveu viver no isolamento após sucessivos fracassos amorosos. Esta edição inclui o texto “A propósito de O amante de lady Chatterley”, em que Lawrence comenta a controvérsia em torno do livro e justifica suas intenções literárias, e ainda uma introdução de Doris Lessing, vencedora do prêmio Nobel de literatura em 2007. Um apêndice e notas explicativas situam o leitor na geografia das Midlands e no vasto contexto social e político no qual a trama está inserida.

Viagens de Gulliver

Chega esta semana às livrarias Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift, na edição da Penguin-Companhia das Letras. O livro tem prefácio de George Orwell e tradução de Paulo Henriques Britto, que se obrigou a usar apenas palavras que já existissem na língua portuguesa no século 17, época em que o livro foi escrito.

Clique aqui para ler um trecho do livro, ou veja o trailer do filme baseado em Viagens de Gulliver que estreará em janeiro.