linda quilt

Semana setenta e quatro

Os lançamentos da semana são:

Odisseia, de Homero (Tradução de Frederico Lourenço)
Poema épico fundamental para a tradição literária ocidental, a Odisseia narra as desventuras de Ulisses, herói mítico da Guerra de Troia, em seu caminho de volta a Ítaca, sua terra natal, uma jornada que se estendeu por dez anos. Esta edição em verso traz, além da premiada tradução do helenista português Frederico Lourenço, uma introdução assinada por Bernard Knox, o primeiro diretor do Centro de Estudos Helênicos da Universidade de Harvard, apresentando um panorama detalhado das diferentes teorias que surgiram ao longo dos séculos sobre a origem da narrativa e de seu autor, além de mapas que ajudam a situar o leitor no complexo mundo da geografia homérica.

A lua no cinema e outros poemas, de vários (Organização de Eucanaã Ferraz; Ilustrações de Fábio Zimbres)
De Caetano Veloso a Sophia de Mello Breyner Andresen, de Manoel de Barros a Fernando Pessoa, esta coletânea reúne 19 nomes representativos da poesia de língua portuguesa e realiza uma espécie de mapeamento poético dos séculos XX e XXI, dos dois lados do Atlântico, destinado especialmente aos jovens. O livro é dividido em 4 partes: a primeira, “O verbo ser e outros verbos”, traz uma visão do homem no tempo; na segunda, “Não sei se isto é amor e outras dúvidas”, o amor é o tema; na terceira, “Na ribeira deste rio e outras paisagens”, os poemas são voltados para a natureza e as coisas; e, na última parte, “Não-coisa e outras coisas”, tudo se confunde com a poesia, e faz-se uma espécie de reflexão sobre a existência, o mundo, os sentimentos e o cotidiano. O volume é enriquecido ainda com o traço bem-humorado e irônico de Fábio Zimbres, promovendo-se assim um diálogo entre palavra e imagem.

Histórias arrepiantes de crianças-prodígio, de Linda Quilt (Tradução de Luciano Vieira Machado)
Os sete protagonistas das histórias deste livro não são crianças-prodígio como Mozart. Entretanto, suas vidas são prodigiosas porque estão em contradição com as leis da natureza. Melinda, por exemplo, cospe um sapo toda vez que conta uma mentira. O extremamente tímido Begon, por sua vez, percebe que as pessoas desaparecem quando ele diz seu próprio nome em voz alta. Com Norm, as coisas são bem diferentes. Ele é tão normal que ninguém nota a sua presença, nem mesmo seus pais, que às vezes se perguntam quem é aquele garoto em sua casa. A essas histórias se unem a de Orville O’Raghallaigh, um garoto incapaz de guardar qualquer coisa na memória; a da bebê A., irmã gêmea de B., que possui uma inteligência tão incomparável que desperta o interesse da comunidade científica; a de Wanda Wippleton, uma adorável preguiçosa que não faz nada além de dormir e ler; e a de Balthazar Bollinger, tão redondinho e leve que precisa usar sapatos de chumbo para não sair voando.