literatura latino-americana

Sonhos, reflexos, o tempo

Jorge Luis Borges em 1963 (Foto por Alicia D’Amico)

Esta pequena obra-prima, na verdade um simples prólogo, é a visão de Jorge Luis Borges sobre Alice no país das maravilhas e outros títulos de Lewis Carroll.

Assim como este, outros textos escritos pelo autor para livros como Bartleby, de Melville, e A metamorfose, de Kafka, estão reunidos em Prólogos, com um prólogo de prólogos (tradução de Josely Vianna Baptista).

* * * * *

Lewis Carroll

Obras completas

No capítulo segundo de Symbolic Logic (1892), C. L. Dodgson, cujo nome perdurável é Lewis Carroll, escreveu que o universo consta de coisas que podem ser ordenadas por classes e que uma destas é a classe das coisas impossíveis. Deu como exemplo a classe das coisas que pesam mais de uma tonelada e que uma criança é capaz de levantar. Se não existissem, se não fossem parte de nossa felicidade, diríamos que os livros de Alice correspondem a essa categoria. De fato, como conceber uma obra que não é menos deleitável e hospitaleira que As mil e uma noites, e que também é uma trama de paradoxos de ordem lógica e metafísica? Alice sonha com o Rei Vermelho, que a está sonhando, e alguém lhe avisa que, se o Rei acordar, ela irá apagar-se como uma vela, porque não passa de um sonho do Rei que ela está sonhando. A propósito desse sonho recíproco, que é bem possível que não tenha fim, Martin Gardner lembra certa obesa, que pinta uma pintora magra, que pinta uma pintora obesa, que pinta uma pintora magra, e assim ao infinito.

Continue lendo »

Alan Pauls e Rodrigo Fresán falam de 2666

Cruzes em homenagem às mulheres assassinadas em Ciudad Juárez, inspiração de Bolaño para os crimes de Santa Teresa em 2666. (Foto por Jim Winstead)Cruzes em homenagem às mulheres assassinadas em Ciudad Juárez, inspiração de Bolaño para os crimes de Santa Teresa em 2666. (Foto por Jim Winstead)

Alan Pauls e Rodrigo Fresán, além de escritores argentinos e, por um tempo, vizinhos, também tinham em comum uma grande amizade com Roberto Bolaño.

Em preparação para o lançamento de 2666, a Companhia convidou os dois para falar um pouco sobre o Bolaño que conheciam, e sua obra final.

Continue lendo »