lourenço mutarelli

Semana duzentos e setenta

O grifo de Abdera, de Lourenço Mutarelli
Mauro é roteirista dos quadrinhos de Paulo. Os dois publicam sob a alcunha de Lourenço Mutarelli, e são representados publicamente pelo bêbado Raimundo. Mas a morte de Paulo forçará Mauro a tentar uma carreira solo com O cheiro do ralo, seu primeiro e bem-sucedido livro. É quando ele recebe de um estranho uma moeda antiga, o Grifo de Abdera, e sua vida muda. Oliver não conhece Paulo, Mauro, Raimundo ou Lourenço. Mas, quando Mauro recebe a moeda, uma conexão se forma entre eles. É este delicioso jogo que alimenta O grifo de Abdera, primeiro romance de Mutarelli desde Nada me faltará, de 2010. Um labirinto de obsessões, taras, perguntas e mistérios, acompanhado ainda de uma longa história em quadrinhos.

Primeiro amor, de Ivan Turguêniev
Em um passeio por sua casa de veraneio nos arredores de Moscou, o garoto Vladímir Petróvitch, filho único de uma família tradicional, vê uma moça exuberante brincando nos fundos da propriedade. Trata-se de Zinaida, filha de sua vizinha, por quem se apaixonará de forma avassaladora.  À medida que eles se aproximam, fica claro quem está no controle da situação. Disposto a tudo para ser correspondido, Vladímir terá de aprender rapidamente o intrincado jogo da sedução, em que as regras são tão aleatórias quanto obscuras. Admirado por Henry James e Gustave Flaubert, Ivan Turguêniev foi o primeiro autor russo a ser traduzido na Europa, reconhecido, ainda em vida, como um dos grandes escritores de sua época.

Contos de odessa, de Isaac Bábel
No alvorecer do século XX, Odessa, na Ucrânia, era uma dessas cidades que, como Paris e Nova York, atraíam todo mundo: comerciantes do Leste, marujos, minorias, estudantes, bandidagem. A cidade portuária fervilhava; os jornais estampavam notícias sensacionalistas e a população se amontoava em cortiços. O sublime e o grotesco apareciam em um simples passeio pelas ruas. É este mundo que vem à tona nos contos de Isaac Bábel. Em uma prosa sintética e cortante, o escritor – que renovou a narrativa curta – captura a vida da cidade, com foco na comunidade judaica. Como em um filme de Tarantino, figuras violentas e burlescas de ladrões e mafiosos cômicos aparecem registradas de maneira quase jornalística.

Editora Alfaguara

Homens sem mulheres, de Haruki Murakami
Murakami é um autor capaz de criar universos próprios, que se desdobram em romances de fôlego e personagens cativantes. Mas ele é também um excelente contista, e sua produção mais recente está reunida neste volume: sete histórias que tratam de relações amorosas e trazem o estilo único do autor. São contos sobre o isolamento e a solidão que permeiam as relações amorosas: homens que perderam uma mulher depois de um relacionamento marcado por mal-entendidos. No entanto, as verdadeiras protagonistas destas histórias — cheias de referências à música, a Kafka, às Mil e uma noites e, no caso do título, a Hemingway — são as mulheres, que misteriosamente invadem a vida dos homens e desaparecem, deixando uma marca inesquecível na vida daqueles que amam.

Editora Objetiva 

A grande magia, de Elizabeth Gilbert
De volta à não-ficção, Elizabeth Gilbert compartilha histórias pessoais, de amigos e pessoas que sempre a sinpiraram, e reflete sobre oq ue significa vida criativa. Segundo ela, ser criativo não é estar voltado exclusivamente às artes: uma vida criativa é aquela motivada pela curiosidade. Uma vida mais ampla, um ato de coragem. A partir de uma perspectiva única, Grande Magia nos mostra como abraçar essa curiosidade e nos entregar àquilo que mais amamos: escrever um livro, encontrar novas formas de lidar com as dificuldades no trabalho, embarcar de vez em um sonho sempre adiado ou simplesmente acrescentar paixão à vida cotidiana. Com profunda empatia e generosidade, Elizabeth Gilber oferece poderosas reflexões sobre os mistérios da inspiração.

Sete breves lições de física, de Carlo Rovelli
Sete breves lições de física traz pequenas lições que nos guiam, com simplicidade e clareza, pelas revoluções científicas que transformaram os séculos XX e XXI. Nesta linda e comovente introdução à física moderna, Carlo Rovelli explica a teoria geral da relatividade de Einstein, a mecânica quântica, os buracos negros, as partículas elementares, a gravidade e a complexa arquitetura do universo. Best seller na Itália, Sete breves lições de física é um livro sobre a alegria da descoberta. “À beira daquilo que sabemos, em contato com o oceano do desconhecido, reluzem o mistério e a beleza do mundo” escreve Rovelli. “E é de tirar o fôlego”.

Alfaguara

Maracanazo, de Arthur Dapieve
Arthur Dapieve mescla ficção e realidade para compor cinco histórias que mostram uma enorme coesão narrativa, seja na sua atualidade, seja no seu impacto. No primeiro conto, dois garotos pegam onda no mar batido de Copacabana, sem saber que estão prestes a enfrentar um evento inesperado. Os dois contos seguintes apresentam o universo da música — em um concerto em Viena, em 1939, e em um ensaio do Pink Floyd em Londres. Já “Bloqueio” descreve uma situação absurda de uma pessoa que se vê num impasse nas ruas do Rio. “Maracanazo”, história que fecha o volume, é um relato surpreendente que se inicia com a partida que eliminou a seleção espanhola da Copa do Mundo de 2014.

Suma de Letras

Antes que aconteça, de Juliana Parrini
Isabel passou um ano fugindo. Depois de uma grande desilusão, ela não acreditava que conseguiria ser feliz novamente. Até que conhece Daniel e decide recomeçar. Quando Isabel finalmente dá uma segunda chance ao amor, o destino a surpreende com uma notícia que poderá mudar sua vida para sempre. Em Antes que aconteça, o desfecho de Depois do que aconteceu, Isabel terá a chance de reencontrar o passado e lutar pela sua felicidade.

Paralela

After – Depois da promessa, de Anna Todd
Bem quando Hardin acreditava já ter enfrentado todos os fantasmas de seu passado, um terrível segredo sobre seus pais é revelado, despertando os seus piores demônios internos. Tessa sabe que só ela tem o poder de aliviar todos os sentimentos de raiva, traição e confusão que afligem seu amado badboy. Só ela sabe como salvá-lo de seu ciclo de autodestruição. Mas, dessa vez, ela não pode. Porque, quando menos espera, sua vida é para sempre alterada por uma tragédia. Hardin e Tessa prometem lutar com todas as suas forças para que o destino não os separe para sempre. Mas o que acontecerá quando suas forças chegarem ao fim? Depois da promessa… qual será o desfecho dessa história?

 

 

 

11 HQs para ler no Dia do Quadrinho Nacional

Hoje é o Dia do Quadrinho Nacional! Para comemorar a data, listamos algumas dicas de HQs brasileiras para você ler e conhecer nossos autores. Confira!

1) Cachalotede Daniel Galera e Rafael Coutinho

CACHALOTE

Somando mais de trezentas páginas, as seis tramas de Cachalote são amarradas por temas e subtextos recorrentes, tais como o confronto dos personagens com acontecimentos drásticos ou misteriosos que transformam suas vidas, a conciliação da vida com a arte e a tentativa de preservar o afeto e o amor em relacionamentos ameaçados por circunstâncias adversas. Entre as histórias, há um escultor que recebe um inusitado convite para protagonizar um filme cujo roteiro parece estranhamente inspirado em sua vida privada, e uma velha senhora grávida e solitária vaga por sua mansão e tem encontros oníricos com uma baleia cachalote na piscina de sua casa.

2) Vida e obra de Terêncio Hortode André Dahmer

terencio

Começando a publicar suas tirinhas na internet, André Dahmer reúne em Vida e obra de Terêncio Horto as histórias de um escritor eternamente frustrado, tão ambicioso quanto amargurado. Terêncio passa os dias em frente a uma máquina de escrever, seja redigindo suas memórias, seja dando vida a personagens cínicos, desiludidos e de um pessimismo assombroso. É a partir desse esqueleto enganosamente simples que Dahmer vai dar vazão a impressões sobre literatura, pintura, música e, por que não?, sobre a vida em geral.

3) Campo em branco, de Emilio Fraia e DW Ribatski

campo

Numa trama sobre família e memória, o escritor Emilio Fraia e o quadrinista DW Ribatski tratam com suspense e humor, doçura e medo, a jornada de dois irmãos que se reencontram numa cidade estrangeira com a ideia de, aparentemente, refazer uma viagem da infância, quando visitaram com um tio uma cidade nas montanhas. A arte vibrante de Ribatski e os temas enigmáticos de Fraia combinam-se num road movie às avessas, onde a viagem só começa quando podemos reconstruí-la, desmontá-la, inventá-la.

4) Có! & Birds, de Gustavo Duarte

co

Gustavo Duarte teve passagem por vários jornais e revistas como cartunista, e com Có! & Birds despontou nos quadrinhos. As histórias de Gustavo, construídas inteiramente sem diálogos, são um primor do traço, da energia cinética e do humor torto e deslavado. Có! & Birds reúne pela primeira vez as aventuras do fazendeiro em guerra com os ETs que querem roubar seus porcos e a trágica história dos pássaros que tentaram enganar a morte.

5) Deus, essa gostosa, de Rafael Campos Rocha

deus

Nesta HQ, Deus assume a forma que, segundo consta, é a sua preferida: a de uma mulher negra, proprietária de um sex-shop, ligada nos movimentos mais exóticos (e esotéricos) do assim chamado amor carnal. Em Deus, essa gostosa, primeira graphic novel do artista plástico e quadrinista Rafael Campos Rocha, o leitor acompanhará sete dias na vida dessa Criadora incomum, fã de futebol e cerveja, amiga de Karl Marx e do Diabo em pessoa.

6) Diomedesde Lourenço Mutarelli

Diomedes

Esta é uma história policial de Mutarelli. Seu protagonista não é um tipo durão, envolvido com perigosas intrigas e belas mulheres. É um delegado aposentado, gordo e sedentário, em busca de uns trocados para completar o orçamento. Nunca resolveu um caso, e passa a maior parte do tempo bebendo e fumando em seu escritório imundo. No entanto, ao partir no encalço do há muito desaparecido mágico Enigmo, seu cotidiano ordinário fica para trás. Em busca da sorte grande e metido em circunstâncias cada vez mais desfavoráveis em seu caminho repleto de figuras bizarras, Diomedes será obrigado a usar todo o talento que jamais imaginou possuir para desvendar o “Enigma de Enigmo”.

7) Guadalupe, de Angélica Freitas e Odyr

guadalupe

Às vésperas de completar trinta anos, tudo o que Guadalupe quer é esquecer seu trabalho no sebo de Minerva, seu tio travesti. É ela quem pilota um furgão velho pela Cidade do México, apanhando coleções de livros que Minerva arremata por poucos pesos de famílias enlutadas. Mas um telefonema muda seus planos. No meio do pior engarrafamento do ano, fica sabendo que a avó, Elvira, morreu ao chocar sua scooter com uma banca de tacos sobre duas rodas. Como Guadalupe tem o furgão, ela é a única que pode cumprir o último desejo da avó: um enterro com banda de música em Oaxaca, onde nasceu. Guadalupe embarca com Minerva e sua inseparável poodle, mais o caixão, rumo à cidade. No caminho, contrariando a opinião de Guadalupe, Minerva dá carona a um exótico rapaz, que se diz guatemalteco, e os problemas começam.

8) Muchachade Laerte

Muchacha

Publicado originalmente na Folha de S.Paulo, Muchacha é, nas palavras do autor, o primeiro “graphic-folhetim” de sua carreira. Tendo como mote os bastidores de um programa de tevê, Laerte, ao mesmo tempo que cria uma elaborada e divertida revisão dos seriados de aventura da década de 1950, também faz uma espécie de resgate afetivo de suas memórias de infância.

9) A máquina de Goldberg, de Vanessa Barbara e Fido Nesti

goldberg

A máquina de Goldberg se passa num acampamento de férias onde Getúlio, um garoto punk e asmático, cumpre pena por ser antissocial na escola. Em meio à perversidade dos colegas e à temida hora da ginástica, ele conhece o zelador Leopoldo, um velho melancólico com uma obsessão: construir geringonças. Juntos, arquitetam uma ambiciosa vingança que une as fugas de Bach às variações de Rube Goldberg, numa engenharia absurda que vai se expandindo até derrubar todas as peças do dominó, instaurando o terror no coração da Montanha Feliz.

10) Memória de elefante, de Caeto

elefante

Tudo parecia ir bem para o quadrinista até que seus projetos caem por terra antes que possam alçar voos mais altos: suas HQs não chegam ao grande público, sua música não é comercial o suficiente para fazer sucesso e seus quadros são vendidos a conta-gotas. Em Memória de elefante, Caeto faz uma reconstrução prodigiosa de sua memória, narrando a agitada vida noturna paulistana, as aventuras sexuais, o calvário familiar, a passividade da mãe, a agonia do pai, vítima do vírus HIV, e a contribuição fundamental de cada uma das pessoas que o acompanharam em sua jornada desesperada rumo à redenção.

11) Toda Rê Bordosa, de Angeli

rebordosa

Mais de dez anos após o tenebroso assassinato, Angeli, um dos principais nomes do quadrinho brasileiro, ainda é cobrado por fãs por ter, literalmente, apagado Rê Bordosa. Surgida nas páginas da Folha de S.Paulo em 1984, Rê Bordosa extrapolou sua própria tira e tornou-se uma das mais conhecidas personagens da HQ nacional. Dotada de um humor ácido e de um cinismo incontornável, Rê Bordosa viveu porres homéricos, ressacas épicas e amores tão duradouros quanto uma tira de jornal. Reunidas pela primeira vez num álbum de luxo e restauradas digitalmente a partir dos originais do autor, as tiras de Toda Rê Bordosa trazem de volta à vida a musa do quadrinho brasileiro.

Oito filmes inspirados em livros que estreiam em 2014

1) A música nunca parou

  • Inspirado em: “O último hippie”, estudo de caso de Um antropológo em Marte (Oliver Sacks)
  • Lançamento no Brasil: 17 de janeiro
  • Sinopse: Gabriel desaparece após um confronto com o pai. Vinte anos depois, Henry e sua mulher descobrem que o filho está em Nova York e que ele tem um tumor cerebral. Ao pesquisar sobre a doença, Henry conhece uma musicoterapeuta que pode ajudar o rapaz, já que ela fez grandes avanços com vítimas de tumores cerebrais por meio da música.

2) Quando eu era vivo

  • Inspirado em: A arte de produzir efeito sem causa, de Lourenço Mutarelli
  • Lançamento: 31 de janeiro
  • Sinopse: Após o fim do casamento e a perda do emprego, Júnior (Marat Descartes) retorna à casa do pai (Antonio Fagundes). Mas esta não é mais a casa de sua infância. Seu quarto agora é habitado pela jovem inquilina Bruna (Sandy Leah) e todo o ambiente lhe parece inóspito e opressor. No quartinho dos fundos, Júnior encontra objetos estranhos que pertenciam à sua mãe, incluindo uma misteriosa mensagem criptografada. Certo de que a compreensão da mensagem é a chave para entender melhor seu passado e seu presente, Júnior desenvolve uma obsessão pela história da família, ao mesmo tempo em que acontecimentos sombrios passam a fazer parte da rotina da casa.

3) Doze anos de escravidão

  • Vencedor do Globo de Ouro, indicado ao Oscar 2014 em 9 categorias inclusive Melhor Filme
  • Inspirado em: Doze anos de escravidão, de Solomon Northup (será lançado dia 24 de fevereiro pela Penguin-Companhia)
  • Lançamento no Brasil: 21 de fevereiro
  • Sinopse: Esta história, baseada em fatos reais, apresenta Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um escravo liberto que é sequestrado em 1841 e forçado por um proprietário de escravos (Michael Fassbender) a trabalhar em uma plantação na região de Louisiana, nos Estados Unidos. Ele é resgatado apenas doze anos mais tarde, por um advogado (Brad Pitt).

4) Amor sem pecado

  • Inspirado em: As avós, de Doris Lessing
  • Lançamento no Brasil: previsto para março
  • Sinopse: Duas amigas de infância se apaixonam pelos filhos uma da outra. Após muitas crises, elas terão de enfretar mais um problema: ambos jovens são casados.

5) Guerras sujas

  • Indicado ao Oscar 2014 na categoria Melhor Documentário
  • Inspirado em: Guerras sujas, de Jeremy Scahill (será lançado em março pela Companhia das Letras)
  • Lançamento: junho de 2013 (Estados Unidos), sem data para o Brasil
  • Sinopse: Jeremy Scahill, repórter investigativo e autor do bestseller Blackwater, investiga dados escondidos por trás das guerras americanas, desde o Afeganistão até a Somália, dentre outras. As histórias paralelas às contadas pelo governo e empresa americana descobertas através de uma profunda jornada investigativa.

6) Uma longa queda

  • Inspirado em: Uma longa queda, de Nick Hornby (será lançado em maio pela Companhia das Letras)
  • Lançamento: 21 de março na Inglaterra, sem data para o Brasil
  • Sinopse: A trama é focada em quatro pessoas que planejam se suicidar. Aaron Paul faz um entregador de pizza, Pierce Brosnan encarna um apresentador de televisão, Toni Collette faz a mãe de uma criança deficiente e Imogen Poots vive uma adolescente problemática. Os personagens se encontram no topo de um prédio em uma noite de Ano Novo.

7) A gente é monstro

  • Inspirado em: A gente é monstro, de Alan Snow
  • Lançamento: previsto para outubro
  • Sinopse: Os caixatrolls são monstros que vivem debaixo das charmosas ruas de Ponterrato e saem dos esgotos, à noite, para roubar o que os cidadãos têm de mais precioso: suas crianças e seus queijos. Pelo menos é isso que dizem as lendas. Na verdade, os caixatrolls vivem numa comunidade amável e criam um garoto humano órfão e abandonado chamado Eggs. Quando as criaturas se tornam alvo de um exterminador, Eggs se aventura pelas ruas para salvá-los, juntando-se com uma garota para salvar não só os caixatrolls, mas também a alma de Ponterrato.

8) Cadê você, Bernadette?

  • Inspirado em: Cadê você, Bernadette?, de Maria Semple
  • Lançamento: sem previsão
  • Sinopse: Bee concluiu seus estudos na Galer Street, uma escola liberal de Seattle, com as melhores notas, e tudo o que ela quer como presente de formatura é uma viagem à Antártida na companhia dos pais. Elgin é um pai ausente, mas genial: programador da Microsoft, tornou-se um rock star no mundo nerd por ter dado a quarta palestra mais vista no TED, e está prestes a lançar o Samantha 2, o projeto de sua vida. O momento não poderia ser pior para se isolar no extremo sul do planeta. A mãe, Bernadette, já não aguenta a vida em Seattle e está à beira de um ataque de nervos. poucos dias antes da viagem, ela desaparece, com medo do convívio social e de sentir enjoo durante a travessia da passagem de Drake. Agora Bee fará tudo para encontrar a mãe. Mas antes ela terá de descobrir quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem.

A máscara

Por Carol Bensimon

Tive o prazer de conhecer Lourenço Mutarelli em Guadalajara. Passeamos um dia em Tlaquepaque, um distrito histórico forte em artesanato, entramos em uma loja e compramos máscaras quase idênticas. Não era uma máscara mexicana — e estou reproduzindo o que me disse a vendedora — mas sim a representação de um deus inca de duas faces chamado (aqui o nome me escapa, experimentamos cada um uma máscara, a variação de cores apresenta uma diferença irrelevante porque de qualquer maneira são muitas cores, orelhas como alças, buracos para os olhos e para a boca, um arco de protuberâncias que lembram anêmonas do mar).

É estranho comprar a mesma máscara que Lourenço Mutarelli. Não posso mentir: fico tensa. Nos minutos que antecedem a transação, tento descobrir, por vias lógicas, qual de nós dois deveria ter a máscara (se apenas um pudesse tê-la, o que talvez seja a saída mais ética, a resolução mais carregada de bom senso). Eu vi a máscara primeiro. E, sobre isso não tenho certeza, mas quase: também fui a primeira a dizer “vou levar”. Como esses dois fatos soam insignificantes, no entanto, quando se pensa em Mutarelli, na obra de Mutarelli, no interesse escancarado de Mutarelli pelos esqueletinhos mexicanos, pelos tarôs raros e pelos diabos de gesso que decoram os presépios naquele país, a máscara bizarra sendo portanto uma extensão natural de sua persona.

Mesmo assim, levo a máscara. Mas não é que a tensão tenha se dissipado. Marcelino Freire está com a gente e comenta, já nas ruas de Tlaquepaque, que aquilo é “a cara” de Lourenço. Minha máscara está dentro da mochila e eu estou pensando em tirar uma selfie quando chegar no hotel. Meu deus, será que eu mereço essa máscara? Será que pensar em colocá-la durante uma festa na piscina só pra extrair uma gargalhada dos amigos prova que eu estou encarando aquele objeto de tricô transcendental sem reverência nenhuma, apenas movida pelo deboche que talvez marque minha geração? E se usarmos a máscara em nossos projetos literários, quero dizer, eu e Lourenço, quem sabe no mesmo ano, provavelmente pela mesma editora? O que diriam de nós, compartilhando em nossas obras tão antagônicas esse objeto estranho cujo rastro perdemos completamente (nem eu nem Lourenço lembramos o nome do deus, a loja aparentemente não sabe que tem uma página no facebook, deixo inúmeras mensagens nunca lidas, o Google não me traz respostas quando digito combinações esdrúxulas de palavras envolvendo américa do sul, méxico, inca, maia, asteca, tricô, deuses)?

Quase três meses depois, a máscara tendo achado seu lugar sobre minha estante de livros, decido usá-la na minha próxima narrativa, embora ela siga sendo um mistério para mim (ou talvez por isso mesmo). Não tem sentido. Todo o resto tem, as relações familiares, as pesquisas históricas, Alexandria, Nasser, o apartamento modernista. Não a máscara.

Fico me perguntando quantas decisões artísticas são tomadas assim, admitindo-se um certo grau de aleatoriedade; o desejo de inserir uma história que só fará sentido para o próprio autor, um diálogo absurdo aparentemente descolado da história principal, uma cena que está lá pela simples razão de, aos olhos do autor, exalar uma beleza ou um mistério paralisante.

Essa semana, vi A grande beleza, de Paolo Sorrentino, com a nítida impressão de que muitas das sequências mais belas e impressionantes foram compostas assim, sem a necessidade do encaixe preciso, dos sentidos compartimentados, do arco narrativo lógico, mas justo pelo contrário: talvez se justifiquem por puro capricho do diretor (“quero filmar uma girafa diante dessas ruínas”), talvez o conjunto desses caprichos possa ser chamado de intuição, talvez a grande beleza esteja nas interrogações, não nas respostas.

* * * * *

Carol Bensimon nasceu em Porto Alegre, em 1982. Publicou Pó de parede em 2008 e, no ano seguinte, a Companhia das Letras lançou seu primeiro romance, Sinuca embaixo d’água (finalista dos prêmios Jabuti e São Paulo de Literatura). Seu novo livro, Todos nós adorávamos caubóis, foi lançado em outubro. Ela contribui para o blog com uma coluna mensal.
Site – Twitter – Facebook

Semana cento e dez

Os lançamentos desta semana são:

Mahatma Gandhi e sua luta com a Índia, Joseph Lelyveld (Trad. Donaldson M. Garschagen)
Mohandas Karamchand Gandhi (1869-1948) é certamente uma das figuras centrais da história do século XX, e talvez a mais discutida, analisada e, sobretudo, cultuada. Pioneiro da independência da Índia, idealizador da resistência civil e da não violência, inspirador do pacifismo internacional, o Mahatma – título honorífico atribuído pelo poeta Rabindranath Tagore e que significa “Alma Grande” – também foi um eminente líder espiritual. Com astuciosa sabedoria, Gandhi aliou uma existência de orações, peregrinações e penitências aos deveres temporais impostos pela defesa incondicional dos direitos dos mais pobres. Neste relato biográfico rigoroso, o jornalista vencedor do prêmio Pulitzer Joseph Lelyveld reconstitui as principais etapas da prodigiosa trajetória de Gandhi a partir de sua chegada à África do Sul, ainda como um jovem advogado de maneiras inglesas, e do retorno triunfal à pátria indiana, revelando a dimensão humana e as ambiguidades da vida do líder.

Diomedes, Lourenço Mutarelli
A saga que consagrou Lourenço Mutarelli como um dos grandes nomes do quadrinho nacional. Edição completa e revista dos quatro álbuns protagonizados pelo lendário detetive Diomedes, incluindo tiras e esboços inéditos.

Negros, estrangeiros, Manuela Carneiro da Cunha
Neste livro, originalmente lançado em 1985, Manuela Carneiro da Cunha realiza uma primorosa análise das trajetórias de ex-escravos africanos e crioulos que saíram do Brasil, reconstituíram suas vidas nos portos do Golfo do Benin e, junto a outros ex-escravizados vindos de Cuba e de Serra Leoa, transformaram-se numa burguesia de mercadores. Trata-se de tema fascinante que amplia os diálogos entre as duas margens do Atlântico para além das dinâmicas do tráfico de escravos.

Confissões, Darcy Ribeiro
Darcy Ribeiro foi inventor em todos os campos por onde se aventurou. Deixou em todos eles a marca de sua originalidade, seja como antropólogo, educador, político ou intelectual – no sentido mais fecundo que essas palavras possam ter.Com a exuberância que nos acostumamos a esperar dele, registrou nessas Confissões não só os enredos de um homem público apaixonado pela terra em que nasceu. Darcy expressou sempre uma recusa quase teimosa em tolerar os sofrimentos do povo brasileiro. Queria para todos as alegrias que ele mesmo pôde desfrutar.

A brincadeira, Milan Kundera (Trad. Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca e Anna Lucia Moojen de Andrada)
Um estudante envia um cartão-postal ironizando o dogmatismo comunista. Punido com anos de trabalho braçal, ele tentará se vingar, mas não sem enfrentar uma série de perguntas: qual a relação entre desejo sexual e ódio? Seria a juventude a “estúpida idade lírica”? O que é a vingança? Por que a revolução julga com tanta severidade as brincadeiras? No centro dessa narrativa, contudo, não está a História nem a política, mas sim os enigmas da existência humana. A brincadeira é o primeiro romance de Milan Kundera, celebrado autor de A insustentável leveza do ser. Lançado na Tchecoslováquia em 1967, foi publicado pela Companhia das Letras em 1999, ganhando agora nova edição de bolso.

Editora Paralela

O atlas do amor, Laurie Frankel (Trad. Laura Silva Neves)
Quando Jill engravida acidentalmente e é abandonada pelo namorado, ela e suas duas melhores amigas mergulham de cabeça num projeto inusitado: criar Atlas, o bebê, juntas, em meio à loucura da pós-graduação.

12