marcos nobre

Semana cento e setenta e três

Os lançamentos da semana são:

Longe da árvore, de Andrew Solomon
Autor do aclamado O demônio do meio-dia, em que dissecou o inferno da própria depressão, Andrew Solomon investiga dez categorias de diversidade – tão heterogêneas como surdez, genialidade musical, autismo, gravidez por estupro, esquizofrenia, transgeneridade e síndrome de Down – para compor um extraordinário mosaico da experiência de criar filhos não ajustados às definições usuais de “normalidade”.

Imobilismo em movimento, de Marcos Nobre
Imobilismo em movimento recupera os primeiros anos pós-redemocratização, da campanha pelas Diretas Já à primeira eleição presidencial desde a ditadura. Passa em revista os dois governos FHC, a era Lula e chega até Dilma Rousseff. Com uma clareza que reaviva na memória as mazelas recentes do Brasil, o autor resume os principais lances de cada administração – os escândalos de corrupção, as crises e planos econômicos, as viravoltas eleitorais. Pela primeira vez num trabalho de fôlego, o leitor tem uma perspectiva que dá sentido à Constituição de 1988, ao impeachment de Collor, ao Plano Real, ao boom econômico da era Lula, ao mensalão e às revoltas que tomaram as ruas em junho de 2013.

Brejo das almas, de Carlos Drummond de Andrade
O segundo livro de poemas de Drummond é um dos conjuntos mais poderosos de versos da nossa lírica. Enfileirando clássicos como “Boca”, “Soneto da perdida esperança”, “O amor bate na aorta” e “Hino Nacional”, entre outras pedras de toque do nosso modernismo, Brejo das almas ainda tem a particularidade de trazer, pela primeira vez na obra do poeta mineiro, um soneto – algo que as hotes modernistas rechaçaram de forma enérgica. Mais uma demonstração de ironia e espírito livre deste grande poeta.

O drible, de Sérgio Rodrigues
Murilo Filho, um famoso cronista esportivo à beira da morte, desfia suas memórias da época de ouro do futebol enquanto tenta se reaproximar de seu único filho, Neto, medíocre revisor de livros de autoajuda obcecado pela cultura pop da década de 1970, com quem rompeu relações há mais de vinte anos. Entre os craques do passado que revivem em suas histórias está o fascinante Peralvo, jogador de talento literalmente mágico que deveria ter sido “maior que Pelé”.  A tática de Murilo, porém, deixa buracos na defesa, nos quais Neto acaba por vislumbrar um terrível segredo de família enterrado nos porões da ditadura militar. Em seu terceiro e mais ambicioso romance, Sérgio Rodrigues empreende uma celebração, inédita em nossa literatura, do glorioso passado esportivo brasileiro, sem alienar o leitor que, como Neto, se sente um peixe fora d’água no “país do futebol”.

A casa do silêncio, Orhan Pamuk
Uma velha senhora aguarda a chegada da morte num balneário turco. À mansão em que vive já passou por dias melhores. E o que já fora uma bucólica vila de pescadores se transforma rapidamente num refúgio para os endinheirados do país. Seus netos a visitam anualmente – e representam alguns dos destinos da juventude naquele início dos anos 1980: o deslumbre com o consumismo norte-americano, o engajamento de esquerda refém do realismo socialista soviético, a frustração profissional. Tecido com maestria, esse jogo de visões e gerações compõe um arabesco que anuncia uma das vozes mais contundentes da literatura contemporânea.

A paisagem moral, de Sam Harris
Depois de se afirmar como opositor ácido da religião em A morte da fé, Sam Harris lança um livro explosivo para derrubar o muro que separa os fatos científicos dos valores humanos. O argumento central parte do princípio de que não é preciso um deus para definir as decisões de cunho moral: elas devem buscar o bem-estar da humanidade. O autor explora o equívoco na relação que traçamos entre a moral e as outras formas de conhecimento humano, invocando a ciência como a bússola para orientar sua tese.

Madrugada suja, de Miguel Sousa Tavares
Numa madrugada em Évora, três universitários e uma jovem de dezesseis anos saem para uma farra regada a muito álcool que finda em tragédia. Um dos rapazes é Filipe, o último descedente da minúscula aldeia alentejana de Medronhais da Serra, hoje habitada por um único homem, seu avô, Tomaz da Burra. Miguel Sousa Tavares, autor do bes-seller Equador, narra a vida desta família, desde a Revolução dos Cravos, em abril de 1974, até os nossos dias. Filipe é criado pelos avós nessa aldeia fora do tempo 0 um lugar que teve pouco mais de cinquenta habitantes e demorou muito a ganhar o seu televisor. Adulto, ele se torna arquiteto e irá conhecer cada vez mais de perto as sujeiras da corrupção política. Porém, ao tentar não se envolver num esquema de fraudes e propinas, voltará a ser assombrado pela trágica noite que viveu na juventude. Além de um retrato crítico e acurado sobre as mudanças em Portugal nos últimos quarenta anos, o leitor encontrará aqui uma história fascinante sobre como os acasos da vida nos levam a situações-limite.

É um livrinho, de Lane Smith
Um livro é um brinquedo nas mãos de um bebê. Mesmo sem acompanhar a história, eles adoram olhar as ilustrações, virar as páginas, dar uma mordidinha… Como uma versão “mini” de É um livro, que reafirma o amor às letras impressas em papel frente às novas tecnologias, aqui um burrinho procura saber para que serve o objeto quadrado que tem nas mãos. Uma ode, bastante divertida, ao velho e bom livro.

Editora Paralela

Manual do mimimi, de Lia Bock
SALVE O AMOR. Aquele de conchinha e barba na nuca, que pode durar para sempre ou só até amanhã. Aquele amor sem medo, sem freio que ama e pronto. Salve o amor que a gente dá e pega de volta outra hora, outro dia, com outra pessoa. Aquele aconchego facinho que não posa, não se esforça, não finge. Salve o amor-próprio que resolve a vida de muitos, o amor das amigas que aguenta, arrasta e levanta. Salve o amor na pista, que roça, se esfrega, se joga e vai embora. Um amor só pra hoje, sem pacote de presente, sem laço ou dedicatória. Salve o primeiro amor, que rasgou, perfurou, corroeu… ensinou. Salve o amor selvagem, o amor soltinho, o amor amarradinho. Salve o amor da madrugada, sincero enquanto dure e infinito, posto que é chama. Salve o amor nu, despido de inverdades e traquitanas eletrônicas. Salve o amor de dois a dez, um amor sem vergonha, sem legenda. Salve o amor eterno, preenchido de muitos ardores. Salve o amor gigante, mas sem palavras, o rotativo e escrito, salve o amor rimado, cego, de quatro. Salve o amor safado, sincero e sincopado, o amor turrão e o encaixado.

Fome de Deus, de Frei Betto
Nos dias de hoje, em que todos correm contra o tempo para cumprir compromissos, tem se tornado cada vez mais difícil encontrar momentos de tranquilidade, de reflexão e de encontro consigo e com Deus. No entanto, ao contrário do que pode parecer, a falta de tempo para a intimidade com Deus não significa falta de necessidade. As pessoas que, muitas vezes, se sentem carentes, vazias e perdidas, podem encontrar o que buscam em pequenos instantes de espiritualidade. Neste livro, Frei Betto, um dos mais importantes e ativos líderes religiosos brasileiros, aborda temas como a oração, o amor ao próximo, a fé, a vida de santos, sempre a partir de um ponto de vista atual. Por meio de textos simples, curtos, mas extremamente profundos, nos propões um encontro transparente e frequente com Deus – experiência mais rica e significativa do que imaginamos.

Semana cento e sessenta

Os lançamentos desta semana são:

Pensadores que inventaram o Brasil, de Fernando Henrique Cardoso
O fio condutor desta seleção que reúne 35 anos de reflexões sobre o Brasil é o vigoroso diálogo mantido por Fernando Henrique Cardoso com nossos principais intérpretes. De Euclides da Cunha a Celso Furtado, de Joaquim Nabuco a Caio Prado Jr., o sociólogo e professor emérito da USP apresenta nestes textos — escritos dos anos 1970 até a atualidade, sendo três inéditos e todos revisitados pelo autor — um olhar original e crítico sobre o país, tendo como guia a leitura desses mestres.

E nós cobrimos seus olhos, de Alaa Al Aswany (Trad. Safa A-C Jubran)
Issam Abdulâti, o jovem protagonista e também narrador da novela que abre esta coletânea, pergunta-se sobre as qualidades de seus conterrâneos para em seguida negá-las com veemência: “Eu desafio qualquer pessoa a mencionar uma única virtude egípcia!”. O ponto de vista interno e desafiador, que aponta para os vícios e as idiossincrasias dos personagens, rendeu dificuldades de publicação. Vetada pela Organização Geral Egípcia do Livro, a novela teve uma primeira edição feita pelo próprio Alaa Al Aswany. Autor do aclamado romance O Edifício Yacubian, Aswany explora aqui a força do conto e da novela, formas incisivas e capazes de desconcertar os leitores mais precavidos. Neste E nós cobrimos seus olhos, empatia e mordacidade andam juntas e conferem ao Egito e aos egípcios um retrato caloroso e crítico, revelando ambiguidades e contradições de uma sociedade e de uma literatura impetuosa, que não se deixa domesticar.

Jazz & Co., de Vinicius de Moraes
Diplomata a ocupar seu primeiro posto no exterior (como vice-cônsul), Vinicius de Moraes desembarcou em Los Angeles, na Califórnia, em 1946, e ali passaria os cinco anos seguintes. Foi um período em que, além de conviver com a colônia artística brasileira radicada em Hollywood — em cujo centro gravitacional brilhava Carmem Miranda — e com grandes nomes do cinema americano como Orson Welles, Vinicius começou a se embrenhar em um novo universo musical: o jazz. Fascinado pela sofrida história dos negros americanos e mesmerizado pela variedade de ritmos presentes na música que emergiu do cruzamento entre a cultura dos escravos e a dos colonizadores europeus, o futuro compositor da bossa nova frequentou clubes, estúdios de gravação, lojas de disco especializadas. E, é claro, fez camaradagem com dezenas de músicos, compositores e amantes desse gênero musical. Nestes artigos publicados em revistas independentes como Flan e Sombra, além de textos em prosa e poesia (muitos deles inéditos até esta edição), um dos pais da bossa nova exibe fôlego de viajante aprendiz para colonizar o gosto brasileiro para o jazz. Com o projeto gráfico que retoma a linguagem da era de ouro dos álbuns do gênero (de selos como Blue Note e outros), Jazz & Co. celebre o legado de Vinicius de Moraes com tudo aquilo que distinguiu o autor: música, literatura e um bocado de beleza.

Um solitário à espreita, de Milton Hatoum
Além de ser um dos grandes nomes do romance brasileiro contemporâneo, o amazonense Milton Hatoum também é cronista de mão cheia, espraiando seu texto leve e inteligente por diversas publicações. É o caso das crônicas selecionadas para este volume: noventa e seis amostras do texto sensível e arguto do autor de Relato de um certo Oriente. Dividido em quatro seções que dão conta de temas como língua e literatura, a realidade, a memória e os afetos, além de pequenas fabulações, Um solitário à espreita traz para a forma da crônica, este gênero praticado por alguns dos melhores autores brasileiros, a visão de mundo e as opiniões de Milton Hatoum. O futuro da literatura, a dureza dos anos vividos sob o regime militar, a realidade cambiante das nossas grandes cidades — tudo isso vem embalado numa prosa tão apurada quanto especulativa, tão sagaz quanto calorosa. Um passeio delicioso, em suma, conduzido por um de nossos escritores mais representativos. Leia aqui no blog um dos textos da coletânea, “Estádios novos, miséria antiga”.

Pulphead, de John Jeremiah Sullivan (Trad. Chico Mattoso e Daniel Pellizzari)
Ao lado de Tom Wolfe e David Foster Wallace, John Jeremiah Sullivan é considerado um dos renovadores da prosa de não ficção americana. Seus ensaios unem a curiosidade sem limites e a apuração rigorosa — traços definidores dos melhores repórteres — a uma atenção ao detalhe, ao gosto pelo inusitado e a uma prosa fluente digna dos melhores ficcionistas. Os temas percorridos são tão distintos como rock’n’roll e botânica, reality shows e literatura, mas a forma com que se aproxima deles revela sempre engenho e imprevisibilidade. Como as listras na capa deste volume — que precisam ser raspadas para revelar o que há por baixo —, estes textos, lúdicos e surpreendentes, pedem decifração.

Breve Companhia

Choque de democracia, de Marcos Nobre
Junho de 2013. A data já entrou para a história. Assim como 1992 marca o impeachment de Fernando Collor e 1984 o movimento pelas eleições Diretas, 2013 já está identificado com o maior levante popular no Brasil desde a redemocratização — e talvez de toda a história do país. No calor dos acontecimentos, que ainda se fazem sentir por todos os cantos, uma série de análises tem surgido nos jornais, na televisão, nas redes sociais. Nenhuma, contudo, com a abrangência que se vê em Choque de Democracia – Razões da Revolta, de Marcos Nobre. Este é o primeiro trabalho a olhar em profundidade para o fenômeno e associá-lo à narrativa da história brasileira desde o fim do Regime Militar. Um dos principais observadores da conjuntura brasileira, Nobre atribui a revolta popular a um impasse em curso desde o fim dos anos 1970. Os protestos, segundo ele, são uma resposta à cultura política do “pemedebismo”, definido como uma blindagem do sistema político que represa as forças de transformação. Em nome da “governabilidade”, foi se criando no país um ambiente em que não existem situação e oposição, mas uma massa homogênea, amorfa e indistinta que fecha todos os canais possíveis de representação. As revoltas de 2013 são uma oportunidade de alterar esse cenário. Com didatismo, capacidade de síntese notável e densidade teórica, este ensaio traz uma contribuição decisiva para o debate sobre os rumos da democracia brasileira. Marcos Nobre é professor de Filosofia no IFCH-Unicamp e pesquisador do Cebrap. É autor de Dialética Negativa (Iluminuras, 1998) e Teoria Crítica (Zahar, 2004), entre outros livros.  “Choque de democracia” inaugura o selo Breve Companhia e está disponível na Amazon, iBookstore, Kobo/Cultura e Saraiva.