maria semple

Se você gostou do seriado, também vai gostar do livro

1) Downton Abbey

  • Você vai gostar de: As sombras de Longbourn, de Jo Baker.
  • Sinopse: No ar desde 2010, Downton Abbey é um drama sobre uma família aristocrata, os Crawley, e seus criados.  Ambientada a partir do ano 1912 em uma cidade inglesa fictícia, a série passa por vários momentos históricos da época, como o naufrágio do Titanic e a I Guerra Mundial.Em As sombras de Longbourn, Jo Baker retrata a vida dos criados da família Bennet, do clássico de Jane Austen, Orgulho e preconceito. Sob o comando da governanta e cozinheira sra. Hill, trabalham Sarah e Polly, duas jovens trazidas de um orfanato quando ainda eram crianças para trabalhar na casa. O mordomo idoso, sr. Hill, serve à mesa e divide a administração da casa com a sra. Hill. Os quatro formam um pequeno exército de empregados que labuta dezoito horas por dia para que a família Bennet goze do máximo conforto possível.

2) Bones

  • Você vai gostar de: Série Scarpetta, de Patricia Cornwell.
  • Sinopse: Confirmada para sua décima temporada, Bones é protagonizada pela Dra. Temperance “Bones” Brennan. A série gira em torno das investigações de assassinato feitas pelo FBI, com foco nas análises de restos mortais das vítimas, principalmente de seus ossos.Com a série Scarpetta, Patricia Cornwell foi uma das precursoras das histórias policiais centradas nas investigações forenses. Sua protagonista, a Dra. Kay Scarpetta, é uma médica-legista que se utiliza dos últimos recursos da ciência para desvendar crimes, tendo 19 livros sobre ela publicados.

3) Arrested Development

  • Você vai gostar de: Cadê você, Bernadette?, de Maria Semple.
  • Sinopse: Com quatro temporadas, a sitcom Arrested Development conta a história da família Bluth, que teve seu patriarca, George, preso sob suspeita de fazer negócios no Iraque. Um de seus filhos, Michael, tenta recuperar os negócios da família e mantê-la unida enquanto seu pai vive tentando fugir do FBI.Maria Sample tem grande experiência com roteiros de humor e trabalhou em Arrested Development, e o que aproxima Cadê você, Bernadette? da série é o tom cômico da história sobre uma família problemática. Bernadette Fox é uma mulher notável que se torna mais maníaca a cada dia; para as demais mães da Galer Street, escola liberal frequentada pela elite de Seattle, ela só causa desgosto; os especialistas em design ainda a consideram uma gênia da arquitetura sustentável, e Bee, sua filha de quinze anos, acha que tem a melhor mãe do mundo. Mas Bernadette desaparece do mapa quando Bee reivindica uma prometida viagem de família à Antártida. Para encontrar sua mãe, Bee compila e-mails, documentos oficiais e correspondências secretas, buscando entender quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem e o motivo de seu desaparecimento.

4) Justified

  • Você vai gostar de: Raylan, de Elmore Leonard.
  • Sinopse: Justified é baseada em um personagem de Elmore Leonard, o policial Raylan Givens. Na série, ele volta à sua cidade natal depois de ser transferido de Miami por causa do seu comportamento. Trabalhando na pequena delegacia local, ele não hesita em sacar sua arma quando necessário, no melhor estilo Velho Oeste.Em Raylan, o policial persegue os irmãos Crowe, que estão migrando do tráfico de drogas para o tráfico de órgãos humanos. Com seu jeitão lacônico, chapéu de aba e dezenas de casos se empilhando sobre a mesa, Raylan é o único obstáculo entre eles e o mercado internacional de cadáveres. O problema é que, antes de dominar a situação, Raylan se vê numa banheira de gelo, com uma elegante enfermeira prestes a roubar seus rins.

5) Skins

  • Você vai gostar de: Série Garota <3 Garoto, de Ali Cronin.
  • Sinopse: Uma das séries teens mais famosas, Skins acompanha um grupo de adolescentes de Bristol, na Inglaterra, nos seus dois últimos anos na escola, enquanto lidam com problemas relacionados a religião, sexualidade, drogas e transtornos alimentares.Na série Garota <3 Garoto, Ali Cronin também explora o universo adolescente dos relacionamentos. Seus livros contam como diferentes garotas lidam com seus problemas e inseguranças que envolvem o amor, o futuro, a escola e, principalmente, os garotos.

Oito filmes inspirados em livros que estreiam em 2014

1) A música nunca parou

  • Inspirado em: “O último hippie”, estudo de caso de Um antropológo em Marte (Oliver Sacks)
  • Lançamento no Brasil: 17 de janeiro
  • Sinopse: Gabriel desaparece após um confronto com o pai. Vinte anos depois, Henry e sua mulher descobrem que o filho está em Nova York e que ele tem um tumor cerebral. Ao pesquisar sobre a doença, Henry conhece uma musicoterapeuta que pode ajudar o rapaz, já que ela fez grandes avanços com vítimas de tumores cerebrais por meio da música.

2) Quando eu era vivo

  • Inspirado em: A arte de produzir efeito sem causa, de Lourenço Mutarelli
  • Lançamento: 31 de janeiro
  • Sinopse: Após o fim do casamento e a perda do emprego, Júnior (Marat Descartes) retorna à casa do pai (Antonio Fagundes). Mas esta não é mais a casa de sua infância. Seu quarto agora é habitado pela jovem inquilina Bruna (Sandy Leah) e todo o ambiente lhe parece inóspito e opressor. No quartinho dos fundos, Júnior encontra objetos estranhos que pertenciam à sua mãe, incluindo uma misteriosa mensagem criptografada. Certo de que a compreensão da mensagem é a chave para entender melhor seu passado e seu presente, Júnior desenvolve uma obsessão pela história da família, ao mesmo tempo em que acontecimentos sombrios passam a fazer parte da rotina da casa.

3) Doze anos de escravidão

  • Vencedor do Globo de Ouro, indicado ao Oscar 2014 em 9 categorias inclusive Melhor Filme
  • Inspirado em: Doze anos de escravidão, de Solomon Northup (será lançado dia 24 de fevereiro pela Penguin-Companhia)
  • Lançamento no Brasil: 21 de fevereiro
  • Sinopse: Esta história, baseada em fatos reais, apresenta Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um escravo liberto que é sequestrado em 1841 e forçado por um proprietário de escravos (Michael Fassbender) a trabalhar em uma plantação na região de Louisiana, nos Estados Unidos. Ele é resgatado apenas doze anos mais tarde, por um advogado (Brad Pitt).

4) Amor sem pecado

  • Inspirado em: As avós, de Doris Lessing
  • Lançamento no Brasil: previsto para março
  • Sinopse: Duas amigas de infância se apaixonam pelos filhos uma da outra. Após muitas crises, elas terão de enfretar mais um problema: ambos jovens são casados.

5) Guerras sujas

  • Indicado ao Oscar 2014 na categoria Melhor Documentário
  • Inspirado em: Guerras sujas, de Jeremy Scahill (será lançado em março pela Companhia das Letras)
  • Lançamento: junho de 2013 (Estados Unidos), sem data para o Brasil
  • Sinopse: Jeremy Scahill, repórter investigativo e autor do bestseller Blackwater, investiga dados escondidos por trás das guerras americanas, desde o Afeganistão até a Somália, dentre outras. As histórias paralelas às contadas pelo governo e empresa americana descobertas através de uma profunda jornada investigativa.

6) Uma longa queda

  • Inspirado em: Uma longa queda, de Nick Hornby (será lançado em maio pela Companhia das Letras)
  • Lançamento: 21 de março na Inglaterra, sem data para o Brasil
  • Sinopse: A trama é focada em quatro pessoas que planejam se suicidar. Aaron Paul faz um entregador de pizza, Pierce Brosnan encarna um apresentador de televisão, Toni Collette faz a mãe de uma criança deficiente e Imogen Poots vive uma adolescente problemática. Os personagens se encontram no topo de um prédio em uma noite de Ano Novo.

7) A gente é monstro

  • Inspirado em: A gente é monstro, de Alan Snow
  • Lançamento: previsto para outubro
  • Sinopse: Os caixatrolls são monstros que vivem debaixo das charmosas ruas de Ponterrato e saem dos esgotos, à noite, para roubar o que os cidadãos têm de mais precioso: suas crianças e seus queijos. Pelo menos é isso que dizem as lendas. Na verdade, os caixatrolls vivem numa comunidade amável e criam um garoto humano órfão e abandonado chamado Eggs. Quando as criaturas se tornam alvo de um exterminador, Eggs se aventura pelas ruas para salvá-los, juntando-se com uma garota para salvar não só os caixatrolls, mas também a alma de Ponterrato.

8) Cadê você, Bernadette?

  • Inspirado em: Cadê você, Bernadette?, de Maria Semple
  • Lançamento: sem previsão
  • Sinopse: Bee concluiu seus estudos na Galer Street, uma escola liberal de Seattle, com as melhores notas, e tudo o que ela quer como presente de formatura é uma viagem à Antártida na companhia dos pais. Elgin é um pai ausente, mas genial: programador da Microsoft, tornou-se um rock star no mundo nerd por ter dado a quarta palestra mais vista no TED, e está prestes a lançar o Samantha 2, o projeto de sua vida. O momento não poderia ser pior para se isolar no extremo sul do planeta. A mãe, Bernadette, já não aguenta a vida em Seattle e está à beira de um ataque de nervos. poucos dias antes da viagem, ela desaparece, com medo do convívio social e de sentir enjoo durante a travessia da passagem de Drake. Agora Bee fará tudo para encontrar a mãe. Mas antes ela terá de descobrir quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem.

Semana cento e sessenta e dois

Os lançamentos desta semana são:

Berlim: 1961, de Frederick Kempe (Trad. Hildegard Feist)
Em junho de 1961, Nikita Khruschóv chamou Berlim de “o lugar mais perigoso do mundo”. Ele não exagerava: a resistência das potências ocidentais em desocupar militarmente a porção oeste da cidade, conforme exigido por diversos ultimatos do líder comunista – que tentava conter as correntes de refugiados do Leste -, gerou sem dúvida a mais grave crise política do pós-guerra.
Culminando na construção do símbolo máximo da divisão do globo entre dois grupos antagônicos – o Muro de Berlim, que tornava palpável a metafórica Cortina de Ferro de Winston Churchill -, a crise de 1961 foi a primeira e única vez na história em que militares e tanques norte-americanos e soviéticos estiveram frente a frente, a metros de distância. Um erro, um soldado que perdesse o controle, um comandante menos preparado, qualquer escaramuça poderia ter gerado uma guerra atômica em questão de minutos.
Baseado em amplo repertório de fontes novas e entrevistas, Berlim, 1961 narra em ritmo de thriller este que foi um dos eventos cruciais do século XX, e é leitura obrigatória para a compreensão da história da Guerra Fria.

Cadê você, Bernadette?, de Maria Semple (Trad. André Czarnobai)
Bee concluiu seus estudos na Galer Street, uma escola liberal de Seattle, com as melhores notas, e tudo o que ela quer como presente de formatura é uma viagem à Antártida na companhia dos pais. Elgin é um pai ausente, mas genial: programador da Microsoft, tornou-se um rock star no mundo nerd por ter dado a quarta palestra mais vista no TED, e está prestes a lançar o Samantha 2, o projeto de sua vida. O momento não poderia ser pior para se isolar no extremo sul do planeta. A mãe, Bernadette, já não aguenta a vida em Seattle e está à beira de um ataque de nervos. poucos dias antes da viagem, ela desaparece, com medo do convívio social e de sentir enjoo durante a travessia da passagem de Drake. Agora Bee fará tudo para encontrar a mãe. Mas antes ela terá de descobrir quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem.

As damas do século XII, de Georges Duby (Trad. Paulo Neves e Maria Lúcia Machado)
O célebre historiador francês Georges Duby (1919-96) já definiu a Idade Média como a idade dos homens, Em estudos posteriores, no entanto, ele mostrou que, de certa maneira, a Idade Média foi também uma idade das mulheres, ou pelo menos de algumas delas. Saídas das sombras, elas acabaram por se revelar mais determinantes do que se costuma pensar. Em As damas do século XII, edição que reúne três de seus trabalhos sobre o tema, Duby analisa como a própria identidade de certas famílias nobres foi construída em torno de mulheres. Esta singular reinterpretação, elaborada em linguagem clara e envolvente, resulta em obra não apenas para especialistas, mas para todos os que buscam, através de leitura agradável, adentrar em camadas pouco conhecidas da história.

A lobinha ruiva, de Stela Greco Loducca
Era uma vez uma lobinha ruiva que precisava visitar a vovozinha doente. No caminho, ela encontra um caçador que é mau pra chuchu e que a engana para chegar antes à casa da vovó. Se você acha que já ouviu essa história, provavelmente está certo. E se acha que não está reconhecendo bem a trama, também acertou! Pois aqui a brincadeira é recontar uma história clássica, trocando o papel dos personagens mais importantes. parece que vai dar um nó na cabeça da gente. mas, no final, essas mudanças nos fazem pensar em um monte de coisas importantes – por exemplo, será que existe um mau que é só mau e um bom que é só bom?

Fábulas de Esopo, adaptação de Jean Philippe Mogenet (Trad. Julia da Rosa Simões)
Há mais de dois mil e seiscentos anos as Fábulas de Esopo são lidas e contadas em todo o mundo. isso porque, além de tratarem de temas que dizem respeito a todas as pessoas, essas histórias podem ser adaptadas de acordo com os costumes de cada época e com o interesse e o estilo dos autores que as recontam. E foi justamente o que fizeram Jean-Philippe Mogenet e Jean François Martin nesta edição, em que fábulas clássicas – como a da lebre que resolveu dar uma cochilada no meio da corrida ou a da raposa que queria muito comer uvas – ganharam narrativas concisas e belíssimas ilustrações, convidando novos leitores a se apaixonarem por esses contos atemporais, e quem sabe quase mágicos.

Breve Companhia

#VemPraRua, de Piero Locatelli
O furioso mês de junho de 2013 pode ter mudado o jogo político no Brasil, além de ter inaugurado uma nova era de mobilização popular no país. Mas qual é a origem dessas manifestações? Afinal, como surgiu o Movimento Passe Livre (MPL), e quem são os membros desse grupo político horizontalizado (sem líderes) que galvanizou a opinião pública desde que começou a conduzir os protestos contra o aumento da tarifa de transporte público nas capitais? O jovem repórter Piero Locatelli retraça – com rigor jornalístico e empenho narrativo – o dia a dia das manifestações, demonstra como a violência policial fez com que todas as forças sociais do Brasil (incluindo a imprensa, antes cética diante dos protestos) se mostrassem simpáticas ao movimento e reconstitui, grito após grito, marcha após marcha, os episódios mais marcantes e fundamentais para que a série de protestos se inscrevesse num dos capítulos mais poderosos da história recente do Brasil. Piero, detido numa das grandes manifestações por estar levando prosaico frasco de vinagre na mochila (artefato que deveria protegê-lo do gás lacrimogêneo), teve acesso privilegiado a diversos integrantes do MPL, jovens habitualmente relutantes em falar com jornalistas. Também conversou com diversas fontes oficiais, funcionários do governo e pessoas comuns que saíram às ruas em busca de um país mais justo para todos. O resultado é uma narrativa jornalística envolvente e esclarecedora. E o começo de uma história nova na vida política brasileira.