quem é quem

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Caroline Faro

Há quanto tempo trabalha na editora? Quase 6 meses

Função: Sou estagiária do departamento de Direitos Estrangeiros. Trabalho, basicamente, com os contratos de compra de livros estrangeiros, entre outras tarefas eventuais.

Um livro: Um só é muito difícil, então vou ter de citar alguns. No momento estou lendo Como mudar o mundo — Marx e o marxismo, de Eric Hobsbawm. É um livro muito interessante e já fazia tempo que eu me programava para lê-lo. Li também muitos quadrinhos desde que entrei na editora, e me emocionei com Maus, de Art Spiegelman. Para acabar, um dos livros mais engraçados que já li, se não o mais, O cheiro do ralo, do Mutarelli — li e reli muitas vezes.

Uma citação ou passagem de livro:

“As cores cansadas esvaíram-se das coisas…” — O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde.

Sua parte favorita do trabalho: Gosto muito de saber das novidades de literatura estrangeira! É muito interessante ver a versão original dos livros que chegam ao departamento para análise, participar do processo de compra do livro e posteriormente vê-lo pronto, traduzido.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Faço Letras porque sempre gostei muito de literatura, mas nunca tive muita certeza de como seria minha carreira profissional. Entrar na editora foi um grande passo pra mim, me identifiquei logo de cara e tenho aprendido muito aqui.

 

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Nestor Turano Jr.

Há quanto tempo trabalha na editora? Iniciei na Companhia em janeiro deste ano.

Função: Trabalho no Departamento de Produção, na equipe da Fabiana, juntamente com a Tomoe, Patrícia, Bruno, Daniela e Olívia. Dentro do que tange a produção dos livros, faço de tudo um pouco, porém minhas principais atividades consistem em auxiliar nas reimpressões, na revisão das provas, e no controle do backup.

Um livro: O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde.

Uma citação ou passagem de livro:

“— Papai! Que bom que você veio! O vovô disse que você ia me contar uma história.

— Disse, é?

— É, mas ele não disse sobre o que era. Ele falou que só você sabia.

— Bom, acho… acho que é uma história sobre a morte.

— ‘A morte’?

— Na verdade é sobre a vida… mas a morte tem um papel importante.

— Eu não gosto da morte.

— Ninguém gosta. Mas a verdade, goste ou não… é que todo mundo morre. A vida é como um livro, filho. E todo livro tem um fim. Não importa o quanto você goste do livro… você vai chegar na última página… e ele vai terminar. Nenhum livro é completo sem o fim. E quando você chega lá… somente quando você lê as últimas palavras… é que você vê como o livro é bom. Ele parece mais real.” – Daytripper, de Gabriel Bá e Fábio Moon

“Voz que vem de todos os peitos esfomeados da cidade, de todos os peitos explorados da cidade. Voz que traz o bem maior do mundo, bem que é igual ao sol, mesmo maior que o sol: a liberdade.” – Capitães da areia, de Jorge Amado.

Sua parte favorita do trabalho: Acho muito bacana ver as provas de capa e de miolo circulando pelo departamento, pela minha mesa, e, dali a um tempo, estarem elas na forma de um livro — devidamente editado e produzido.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Quando era bem mais jovem, gostava de criar histórias em quadrinhos para minha família ler. Dali para frente o gosto pela leitura, escrita e artes gráficas só aumentou. Tanto que na escolha da carreira, busquei uma que fosse capaz de abraçar texto e arte e trazê-los para o meu dia a dia, mas só bem depois descobri que existe uma formação acadêmica inteiramente voltada para esse objeto que sempre reuniu todos aqueles gostos — o livro. E do livro não quero sair mais.

 

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Daniela Santos Franco

Há quanto tempo trabalha na editora? Em abril faz 1 ano e 4 meses
Função: Sou estagiária do Departamento de Produção, na equipe da Fabi. Atualmente, sou responsável pelo controle e batida de emendas das reimpressões mensais e também pelos ISBNs e fichas catalográficas. Também ajudo na marcação de originais.

Um livro: São tantos. O que mais me marcou até hoje foi O pequeno príncipe. Mas, no momento, o top da minha lista é As brasas, do Sándor Márai.

Uma citação ou passagem de livro: “Quero te dizer também que nós, as criaturas humanas, vivemos muito (ou deixamos de viver) em função das imaginações geradas pelo nosso medo. Imaginamos consequências, censuras, sofrimentos, que talvez não venham nunca e assim fugimos ao que é mais vital, mais profundo, mais vivo. A verdade, meu querido, é que a vida, o mundo dobra-se sempre às nossas decisões. Não nos esqueçamos das cicatrizes feitas pela morte. Nossa plenitude, eis o que importa. Elaboremos em nós as forças que nos farão plenos e verdadeiros.” As meninas – Lygia Fagundes Telles

Sua parte favorita do trabalho: Acho que a mesma de quase todos daqui – participar do processo de transformação de um texto em livro. Também gosto muito de ter contato com as decisões que interferem nessas transformações. Nas reimpressões, o que mais gosto é de estar rodeada de títulos, não somente dos lançamentos, mas de alguns mais antigos que eu nunca tinha ouvido falar e que acabam despertando meu interesse. Enfim, o mais gratificante é passar em uma livraria e ver alguém olhando um livro do qual você participou de alguma maneira no processo.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Fiz curso técnico em Comunicação Visual com a intenção de sair de lá para uma faculdade de Publicidade ou Fotografia, porém, nenhuma das grades desses cursos me agradou. Até que uma amiga me apresentou o curso de Produção Editorial (te devo essa, Carol). Os livros sempre me encantaram, ainda mais depois de iniciar a faculdade. Decidi, então, que o que quero para minha vida é trabalhar com eles e, de algum modo, incentivar esse hábito tão gostoso que é ler.

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Audrya de Oliveira

Há quanto tempo trabalha na editora? Comecei a trabalhar na editora em outubro de 2013.

Função: Sou estagiária no setor de produção.  Algumas das minhas funções incluem contagem de laudas, bater emendas, auxílio no processo de planos do governo, cadastro de títulos no sistema…

Um livro: Harry Potter e a Ordem da Fênix, de J.K. Rowling. Na verdade amo todos os livros da série, pois foram eles que fizeram com que eu, ainda criança, me apaixonasse pela leitura.

Uma citação ou passagem de livro:

“Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir.” — Harry Potter e a Ordem da Fênix, de J.K. Rowling.

“Passamos a vida inteira no labirinto, perdidos, pensando em como um dia conseguiremos escapar e em como será legal. Imaginar esse futuro é o que nos impulsiona para a frente, mas nunca fazemos nada. Simplesmente usamos o futuro para escapar do presente.” — Quem é você, Alasca?, de John Green.

Sua parte favorita do trabalho: Minha parte favorita é trabalhar com as emendas nas provas dos livros, pois quando os vejo nas livrarias ou nas mãos das pessoas nas ruas eu sei que uma pequena parte daquela obra fui eu quem ajudou a realizar.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Escolhi a carreira de produção editorial, porque eu sou apaixonada por livros e, agora que estou estagiando, descobri que não existe nada melhor do que trabalhar com aquilo que gostamos.

 

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Suzana Obara Goldfarb

Há quanto tempo trabalha na editora? 1 ano

Função: Sou assistente de vendas, responsável pelo atendimento aos clientes, apoio aos vendedores externos, orçamentos, exportações, informativos promocionais e demais atividades ligadas aos processos de venda.

Um livro: Podem ser dois? Antropologia indígena, de Carmen Junqueira, e Eu sou Malala, de Malala Yousafzai, livro que rendeu um rio de lágrimas e muita admiração.

Uma citação ou passagem de livro: Gosto bastante de ler sobre outros povos, sobre experiências e conhecimentos diferentes. Numa passagem de Antropologia indígena, Carmen Junqueira me apresentou outra maneira de pensar o mundo: a dos indígenas. A Antropologia coloca a questão da abundância, do que significa a fartura e a felicidade material em diferentes sociedades. E, para muitos povos indígenas, a resposta não é ter muito. Ter muito, para eles, é desejar o suficiente.

Em Eu sou Malala, o trecho que encerra o livro:
“Paz em todo lar, em toda rua, toda aldeia, todo o país – esse é o meu sonho. Educação para toda criança do mundo. Sentar numa cadeira e ler livros com todas as minhas amigas, em uma escola, é um direito meu. Ver todo o ser humano com um sorriso de felicidade, esse é o meu desejo. Eu sou Malala, meu mundo mudou, mas eu não.”

Sua parte favorita do trabalho: A convivência e a troca de experiências com o pessoal da editora e com os clientes.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Na verdade, nunca pensei em trabalhar em uma editora, mesmo porque, de formação, sou hoteleira. A Companhia chegou de repente… e me apresentou um outro universo. Desde então, tem me ensinado e proporcionado crescimento pessoal e profissional. Trabalhar com livros é algo bastante prazeroso. Estou feliz por fazer parte da Companhia.