quem é quem

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Patricia Calheiros

Há quanto tempo trabalha na editora? Quase quatro anos.

Função: Sou assistente de produção e faço parte da equipe que cuida do miolo do livro e também das revisões internas. Fazemos milhares de coisas e eu já participei de várias delas, mas hoje em dia a minha função é liberar revisões de miolo dos lançamentos, cuidando para que tudo esteja dentro dos nossos padrões, e revisar capas e materiais de divulgação.

Um livro: Alta fidelidade, do Nick Hornby.

Sua parte favorita do trabalho: Eu adoro todos os processos, mas o grande favorito é a revisão e checagem dos itens das capas, é um prazer enorme.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Depois de me formar em publicidade, me vi num conflito existencial e decidi fazer letras (rs). Acabei entrando na editora como estagiária e me encontrei no trabalho que faço hoje.

Uma história que você se lembre da editora: Eu tinha pouquíssimo tempo de trabalho na editora quando recebemos a notícia de que o Saramago havia falecido, o que causou muita comoção entre todos os funcionários. Precisava entrar com urgência uma homenagem no site e, como estávamos em horário do almoço e eu era a única que permaneceu no departamento, então me pediram para revisar o material. Fiquei tão nervosa pela importância do momento e por ser minha primeira revisão que devo ter gastado quase uma hora inteira pra revisar as palavras “Homenagem a Saramago”.

 

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Camila Cysneiros

Há quanto tempo trabalha na editora? Há seis meses.

Função: Sou estagiária dos selos Companhia das Letrinhas e Seguinte, e ajudo as editoras Júlia Schwarcz e Mell Brites. Na Letrinhas, cuido da preparação de alguns aparatos e textos de divulgação. Na Seguinte, ajudo a avaliar originais nacionais e estrangeiros, respondo os e-mails dos leitores, cuido das redes sociais, controlo os prazos das traduções e faço os pagamentos e contratos dos colaboradores.

Um livro: Orgulho e preconceito, de Jane Austen, e A viajante do tempo, de Diana Gabaldon.

Uma citação ou passagem de livro:

“É melhor ficar sozinha, ela pensa, do que ficar com alguém que não te enxerga como você é. É melhor liderar do que seguir. É melhor falar do que ficar em silêncio. É melhor abrir portas do que fechá-las na cara das pessoas. Ela não será simples e doce. Ela não será o que as pessoas dizem que ela deve ser. Aquela princesinha está morta.” — O histórico infame de Frankie Landau-Banks, de E. Lockhart.

“Another secret of the universe: Sometimes pain was like a storm that came out of nowhere. The clearest summer could end in a downpour. Could end in lightning and thunder.” — Aristotle and Dante discover the secrets of the universe, de Benjamin Alire Sáenz.

Sua parte favorita do trabalho: Ler os originais que recebemos e ajudar na escolha de títulos para publicação. É muito legal ler um livro de antemão assim e, se tudo der certo, vê-lo ser publicado!

Por que você decidiu seguir essa carreira? Antes de terminar o colegial eu estava com muitas dúvidas sobre o que fazer da minha vida, mas aí parei e pensei: o que eu gosto de fazer no meu dia-a-dia? Ler! Foi aí que eu decidi que queria trabalhar e viver com livros.

Quem é quem na Companhia das Letras


Nome: Bruno de Oliveira Romão

Trabalha na editora há quanto tempo? Comecei a trabalhar aqui há dois meses.

Função: Sou Auxiliar de Produção Gráfica. Minha função é cuidar do backup dos livros da editora e também arrumar os livros para reimpressão.

Um livro: O Hobbit – J.R.R. Tolkien

Citação: Não sei se tem um limite de tamanho, mas acho incrível esse trecho do livro História sem fim, do Michael Ende:

“— Então você é invisível?, perguntou ele. Mas como não recebeu resposta, lembrou se de que tinha de fazer as perguntas em verso, e disse:

Que és invisível, o sei bem.
Mas e forma, não a tens?

Ouviu se um tinido suave, que podia ser um riso ou um soluço, e a voz cantou:

Sim e não, os dois, nenhum,
Depende de como encares.
Não sou visível na luz,
Como tu és ao te olharem.
Pois meu corpo é nota e tom,
Por isso apenas audível,
E nesta voz tens o som
Do meu único ser possível.

Maravilhado, Atreiú avançou ainda mais pela floresta de colunas, seguindo a voz. Não tardou

até que perguntasse:

Não sei se te entendo bem.
Tua forma é só um som?
E, se acaba este tom,
deixas então de ser… quem?

E ouviu a resposta, novamente de bem perto:

Chegando o canto ao final
logo me acontecerá.
o que todos sabem já
ser seu destino fatal.
Assim é a vida, amigo,
e o que te digo, comigo
em breve se passará.‘”

Sua parte favorita do trabalho: Gosto muito de de fazer parte do processo de produção do livro e estar sempre atualizado sobre os livros da Companhia que entrarão no mercado.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Desde que me formei, decidi que trabalharia com livros. É uma forma de arte com a qual me identifico muito. Além do mais, acho realmente bonito o trabalho de uma editora e me sinto contribuindo com a sociedade da melhor maneira.

Uma história que você se lembre da editora: Quando fiz a entrevista para trabalhar na editora, combinei com a minha namorada uma promessa de que ficaríamos um mês sem comer chocolate e sem tomar refrigerante caso passasse, e ainda, se me ligassem na mesma semana, ficaria mais 3 meses sem tomar Coca. Felizmente me ligaram na mesma semana e estou pagando a promessa até hoje! Pelo menos, já podemos comer chocolate.

 

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Raquel Vieira

Há quanto tempo trabalha na editora? 5 anos

Função: Assistente comercial. Atendo telefonemas, digito pedidos, cuido de um grupo de clientes livreiros e faço um acompanhamento dos resultados. Também apresento as novidades, monto relatórios, entre outras atividades. Além disso, no departamento comercial, sou a pessoa responsável pelos eventos.

Um livro: Amor nos tempos de cólera, de Gabriel Garcia Márquez.

Uma citação ou passagem de livro: A minha citação não é politicamente correta, mas me fez rir muito quando li e é do livro Fim, da Fernanda Torres:

“Não separo lixo, não reciclo, jogo guimba no vaso, uso aerossol, tomo longos banhos quentes e escovo os dentes com a torneira aberta. Dane-se a humanidade. Não vou estar aqui para assistir.”

Por que você decidiu seguir essa carreira? Na realidade fui escolhida, comecei a trabalhar com livros aos 17 anos na Livraria Siciliano do Shopping Iguatemi e me apaixonei pelo ambiente, pelas pessoas. Hoje não sei fazer outra coisa.

Sua parte favorita do trabalho: A convivência com as pessoas, o desafio e o fato de estar aprendendo sempre.

Quem é quem na Companhia das Letras

Nome: Lilia Zambon

Há quanto tempo trabalha na editora? 11 meses.

Função: Até dois meses atrás, eu era editora de ficção e espiritualidade da Paralela e do novo selo de culinária, o Panelinha. O que fazia minha mesa ter a curiosa mistura de romances eróticos da Sylvia Day com pensamentos do novo papa. Agora, continuo cuidando da Paralela, do Panelinha e também da Portfolio, mas do ponto de vista comercial. Tem sido uma experiência totalmente nova e muito interessante. A ideia é justamente que eu continue participando da parte editorial (acompanhe a edição, a escolha de títulos, as definições de capa etc.), mas que eu leve isso diretamente para o pessoal das livrarias – não só falando sobre os nossos livros, mas também trazendo para a editora o feedback dos livreiros que têm um contato bem próximo com os leitores. Então eu vou à livraria, converso com os livreiros, conto a eles sobre nossos livros, acompanho as vendas, planejamos as ações de divulgação, a programação de lançamentos, nossas expectativas de venda… um trabalho que não tem fim, mas que é muito legal.

Um livro: Se um viajante numa noite de inverno, do Italo Calvino. Mas com frequência tenho muita vontade de reler Harry Potter.

Sua parte favorita do trabalho: Gosto de conversar, discutir e saber as ideias e sugestões dos outros departamentos sobre os livros – é muito mais divertido quando todo mundo se anima com um trabalho. Mas também acho ótimo quando terminamos de editar um livro e vemos que ele ficou realmente bom.

Por que você decidiu seguir essa carreira? Foi uma coincidência. Quando fiz o vestibular, queria trabalhar com design, mas quando entrei em Editoração descobri que o curso era sobre livros e ponto. E eu definitivamente não tive nenhum problema com isso. Sempre li muito e, logo que comecei a fazer estágio no primeiro ano da faculdade, percebi que ia gostar de ser editora.

Uma história que você se lembre da editora: Todo o processo de edição do livro do papa, Sobre o céu e a terra, foi muito legal. Mesmo antes de a fumacinha branca aparecer lá no Vaticano, eu já estava pesquisando livros escritos pelos cardeais que apareciam como favoritos. Quando soubemos que seria o Jorge Bergoglio, corri para procurar o que ele já tinha escrito e achei algumas opções. Ainda estávamos um pouco em dúvida quando Elio Gaspari escreveu sobre o título em sua coluna. Decidimos então entrar no leilão e acabamos levando o livro. A única condição era que a gente mantivesse a capa original, apesar de nossos designers terem feito sugestōes mais legais. Acabamos aceitando e decidimos correr com a edição – outros títulos sobre o papa estavam aparecendo e nós queríamos ser os primeiros a lançar. Para resumir a história, o livro ficou pronto em 22 dias, foi o primeiro a sair e logo entrou nas listas de mais vendidos. Desde a tradutora, passando pelos revisores até o pessoal da gráfica, todos fizeram verdadeiros milagres para o livro ficar pronto, com qualidade, em tão pouco tempo.