renata bueno

Semana duzentos e quarente e sete

blog

O filho antirromântico, de Priscila Gilman (tradução de Caroline Chang)
Quando Benjamin começou a reconhecer todo o alfabeto com apenas catorze meses e, aos dois anos, ler livros inteiros, não houve alarme, pelo contrário: os pais, dois literatos, regozijaram-­se com a precocidade do filho. Mas logo os demais sintomas — hipersensibilidade auditiva e dificuldades motoras, sensoriais e sociais — tornaram-se incontornáveis: o garoto sofria de hiperlexia, transtorno de desenvolvimento associado ao autismo. A autora revolucionou sua vida e a da família para ajudar o filho a superar as muitas dificuldades. Sua dedicada atenção de mãe rendeu este relato que vai comover todos os tipos de leitores.

Seguinte

Você não deveria estar na escola? — Só perguntas erradas Vol.3, de Lemony Snicket (tradução de André Czarnobai)
O jovem Lemony Snicket começou seu aprendizado em uma organização secreta e partiu para Manchado-pelo-mar, uma cidade decadente onde se criavam polvos para a produção de tinta. Lá ele se envolveu em seu primeiro grande caso, relatado em detalhes na série Só Perguntas Erradas. Agora, no terceiro volume, ele precisa investigar incêndios que estão ocorrendo nesse vilarejo cada vez mais envolto em mistério, acompanhado de sua excêntrica tutora, S. Theodora Markson, e de seu grupo de aliados, composto pela jornalista-mirim Moxie Mallahan, pelos irmãos taxistas Juca e Chico, pelo exímio cozinheiro Jake Hix e pela química brilhante Cleo Knight.

Claro Enigma

Histórias indígenas dos tempos antigos, de Pedro Cesarino
Há muitos povos indígenas no Brasil, mais interessantes e diversos do que se costuma imaginar. Atualmente, eles somam cerca de 900 mil índios que falam 274 línguas diferentes, e cada uma delas carrega um repertório único de histórias, transmitidas pela memória oral de geração em geração. Ainda assim, grande parte permanece desconhecida do público. Este livro é um passeio instigante por algumas dessas histórias e introduz o leitor no vasto conhecimento produzido ao longo dos milênios pelos habitantes das florestas.

Companhia das Letrinhas

O que é a liberdade?, de Renata Bueno
Para muitos, o passarinho é um símbolo da liberdade. Mas será que ele se sente livre mesmo? E, afinal, o que é a liberdade? Foi pensando nesse conceito tão difícil de compreender que Renata Bueno escreveu este livro recheado de diálogos curiosos entre um passarinho e personagens como um lápis, um camaleão, um espelho, um mágico… As respostas poéticas de cada um deles sobre o que é a tal da liberdade vão fazer tanto o passarinho quanto os leitores perceberem que essa sensação pode ser diferente para cada um de nós — e nem por isso menos autêntica.

A outra história, de Henrique Sitchin
Este livro começa onde a maioria dos outros acaba. “Então os dois se casaram e viveram felizes para sempre.” Mas… ser feliz para sempre dá um trabalho danado, como bem notaram Godofredo Terceiro e Girassola Quinta, o casal real desta história, que vai enfrentar poucas e boas depois do tão esperado Fim. Em uma divertida fábula às avessas, Henrique Sitchin, fundador e ator da Cia Truks — Teatro de Bonecos, dá asas à imaginação para mostrar que uma nova história sempre pode começar onde outra terminou, como se, costuradas umas às outras, as histórias nunca tivessem fim.

Semana cento e vinte e cinco

Os lançamentos desta semana são:

A máquina de Goldberg, de Vanessa Barbara e Fido Nesti
Com a ajuda de polias, roldanas, gatos buliçosos, botas e parafusos, as máquinas de Goldberg cumprem uma função neste mundo: dificultar as tarefas mais simples. Pra que acionar uma descarga apertando o botão quando se pode arquitetar uma engenhoca complexa com sete fases em que uma corda liga um abajur que ofusca um jabuti que bate num flamingo de plástico, acionando uma mola de metal que desce uma escada em caracol, caindo sobre  o pedal da latrina? Nesta história de revanche e invenções mirabolantes, o garoto Getúlio, um adolescente punk e asmático, cumpre pena num acampamento de férias por ser antissocial na escola. Em meio à perversidade dos colegas à temida hora da ginástica, ele conhece o zelador Leopoldo, um velho melancólico com uma obsessão: construir geringonças. Juntos, arquitetam uma ambiciosa vingança que une as fugas de Bach às variações de Rube Goldberg, numa engenharia absurda que vai se expandindo até instaurar o terror no coração da Montanha Feliz.

O que resta, de Lorenzo Mammì
Lorenzo Mammì reúne pela primeira vez uma amostra representativa de sua produção, forjada ao longo dos últimos trinta anos. Os ensaios apresentam as linhas de força de seu pensamento, tais como a questão da autonomia da obra de arte, e as põem à prova em poéticas individuais – de Nuno Ramos a Paulo Pasta até a obra do crítico italiano Giulio Carlo Argan. Com clareza, densidade e erudição, Mammì mostra neste livro por que pertence à linha de frente do ensaísmo cultural brasileiro.

A verdadeira história do alfabeto, de Noemi Jaffe
Tendo como ponto de partida uma releitura ficcional da origem das letras do alfabeto e de algumas palavras da língua portuguesa, A verdadeira história do alfabeto é um apaixonante itinerário que vai de A a Z, de AArdvark a Zearalenona. Entre as numerosas alusões que transparecem dos verbetes que compõem este volume, Jorge Luis Borges e as narrativas bíblicas são pontos de referência inescapáveis. Do mesmo modo, autores como Guimarães Rosa e Vladimir Nabokov são postos em diálogo com a mitologia indígena e os sonetos de Luís de Camões. Inserindo-se numa tradição que inclui Giovanni Battista Piranesi, Italo Calvino, Alberto Manguel e outros inventores de lugares imaginários, a autora de Quando nada está acontecendo constrói em seu novo livro um antológico mosaico de ficções. Indiferente às limitações de enciclopédias, dicionários e manuais de retórica e amparada por numerosos idiomas, sejam eles reais ou inventados, Noemi Jaffe revela as metamorfoses de que a língua portuguesa, liberta das fórmulas do cotidiano, ainda é capaz.

Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda: Correspondência, de Pedro Meira Monteiro (org.)
Não se sabe ao certo, mas é provável que Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda tenham se conhecido em 1921, em São Paulo, durante uma das reuniões que antecederam a Semana de Arte Moderna, que se realizaria em fevereiro de 1922. Quase dez anos mais velho e já considerado um dos líderes do grupo, Mário designou o futuro autor de Raízes do Brasil embaixador  oficial da nova estética do Rio de Janeiro. Pouco antes da eclosão da Semana, Sérgio havia se mudado com a família para a antiga capital federal, onde também seria o responsável pela venda de assinaturas da revista Klaxon. Ainda que de modo intermitente, ao sabor dos afastamentos e reaproximações entre os dois amigos paulistanos, sua correspondência se estenderia entre o Rio e São Paulo por mais de duas décadas. Atento ao contexto intelectual do diálogo travado por Sérgio e Mário, o organizador Pedro Meira Monteiro, por meio de notas afirmativas e de um ensaio crítico que contextualizam as questões discutidas na correspondência, evidencia nestas cartas as principais linhas de força do modernismo brasileiro.

Química em questão, de Alfredo Luis Mateus
O que palavras exóticas como isômero, dipolo e epoxidação têm a ver com a nossa qualidade de vida? Segundo Alfredo Luis Mateus, simplesmente tudo. neste livro, ele nos mostra que a ciência das substâncias e suas metamorfoses está presente nos aspectos mais essenciais de nossa existência – alimentos, bebidas, remédios, roupas, combustíveis e objetos domésticos são apenas uma pequena amostra dos itens produzidos direta ou indiretamente por meio das transformações da matéria. Através desses elementos – e de assuntos como a radioatividade, o universo mágico da farmacologia e da engenharia molecular, o designs molecular e os produtos industrializados – entendemos os fundamentos da química e como ela pode proporcionar maior sustentabilidade à sociedade de consumo e nos ajudar a ter uma vida mais saudável.

A Folie Baudelaire, de Roberto Calasso (Trad. Joana Angélica d’Avila Melo)
Com a erudição e o talento narrativo que o consagraram como um dos mais importantes escritores e intelectuais contemporâneos, o italiano Roberto Calasso disseca, em A Folie Baudelaire, od efeitos da obra de Charles Baudelaire sobre as mais diversas correntes artísticas. A força do poeta – uma encruzilhada incontornável para se entender na literatura moderna – não deixou imunes nomes como Chateaubriand, Stendhal, Ingres, Delacroix, Sainte-Beuve, Nietzsche, Flaubert, Manet, Degas, Rimbaud, Lautréamont, Mallarmé, Laforgue, Proust e tantos outros, “como se tivessem sido acometidos pela onda e submergidos por alguns momentos.” Calasso mostra que essa atraente, inconsolável e perigosa “loucura” teve, depois de Baudelaire, muitos outros visitantes, uma vez que, por fim, revelou-se coincidir com o território da literatura absoluta.

João e o bicho-papão, de Sinval Medina e Renata Bueno
João quer virar um caçador conhecido e, para isso, nada melhor do que encontrar o horripilante bicho-papão! Assim, cheio de coragem, mas sem muita certeza de que o monstro existe de verdade, o garoto começa a sua jornada. Pelo caminho, cruza com índios, macacos, cegos e outros seres, que o ajudam – ou o atrapalham – a chegar mais perto do bichano misterioso. Será que ele vai conseguir? O final da história é surpreendente… Escrito em versos, o livro reproduz a estética do cordel, assim como as ilustrações de Renata Bueno, que mostram os mapas que o garoto desenha ao longo de sua viagem. Ao final da história, um texto explica as origens da literatura de cordel.

Editora Seguinte

Cósmico, de Frank Cottrell Boyce (Trad. Antônio Xerxenesky)
Não muito tempo atrás, em uma galáxia pertinho de Liverpool… Liam Digby era um garoto comum de doze anos. Um garoto comum de doze anos muito, muito alto. Algumas pessoas até achavam que ele era adulto. Esta é a incrível história de como Liam contou algumas mentirinhas, quase roubou um Porsche, visitou um parque de diversões e meio que acidentalmente foi parar no espaço.

Quem poderia ser a uma hora dessas?, de Lemony Snicket (Trad. André Czarnobai)
Em uma cidade decadente, onde se criam polvos para a produção de tinta, onde há uma floresta de algas marinhas e onde um dia funcionou uma redação de jornal em um farol, um jovem Lemony Snicket começa o seu aprendizado em uma organização misteriosa. Ele vai atender seu primeiro cliente e tentar solucionar o seu primeiro crime, aos comandos de uma tutora que chama carro de “esportivo” e assina bilhetes secretos. Lá, ele vai cair na árvore errada, vai entrar no portão errado, destruir a biblioteca errada, e encontrar as respostas erradas para as perguntas erradas – que nunca deveriam ter passado pela cabeça dele. Ele escreveu um relato sobre tudo o que se passou, que não deveria ser publicado, em quatro volumes que não deveriam ser lidos. Este é o primeiro deles.

Semana oitenta e sete

Os lançamentos da semana são:

Livro, de José Luís Peixoto
O cenário deste romance é a extraordinária saga da emigração portuguesa para a França, contada através de personagens inesquecíveis, de encontros e despedidas e da escrita luminosa de José Luís Peixoto. Entre uma vila de Portugal e Paris, entre a cultura popular e as mais altas referências da literatura universal, revelam-se os sinais de um passado que levou milhares de portugueses à procura de melhores condições. Avassalador e marcante, Livro expõe a poderosa magnitude do sonho e a crueza — irônica, terna ou grotesca — da realidade.

Monstro que é monstro, de Renata Bueno e Fernando de Almeida
Você acha que os monstros são aqueles seres fedidos e horripilantes que adoram fazer coisas malvadas? Que nada! Monstro que é monstro teima em comer sem lavar as mãos, bota o dedo no nariz e sempre quer brincar na hora de dormir. Já viu algum desses monstrengos por aí? Eles estão à solta…

Semana sessenta e oito

[Veja aqui a lista dos 10 livros que serão vendidos com 50% de desconto durante setembro.]

Os lançamentos da semana são:

A ideia de justiça, de Amartya Sen (Tradução de Denise Bottman e Ricardo Doninelli Mendes)
O que precisa ser feito para que as injustiças mais evidentes do mundo contemporâneo sejam eliminadas ou, ao menos, atenuadas? Nas sociedades democráticas, as instituições do Estado trabalham pela aplicação equânime das leis ou são meros instrumentos de uma burocracia autorreferente? Partindo do ordenamento jurídico em vigor — que negligencia a realidade concreta dos cidadãos para privilegiar a formulação de arranjos institucionais —, que caminhos podem levar à construção de um planeta mais inclusivo e menos iníquo? Neste livro ao mesmo tempo rigoroso e inovador, Amartya Sen, prêmio Nobel de economia em 1998, retira o foco das utopias conceituais do direito para tentar responder as questões mais urgentes da cidadania, desviando-se das elucubrações sobre a essência da justiça ideal que, desde o Iluminismo, vêm balizando a ciência do direito. Sen traz as esperanças e necessidades das pessoas reais para o centro da discussão, sugerindo uma radical reavaliação das prioridades da justiça e da política.

Como vou?, de Mariana Zanetti, Renata Bueno e Fernando de Almeida
Podemos ir de um canto a outro das mais diversas formas, dependendo de onde moramos, de quanto tempo temos e, às vezes, de algumas das nossas preferências também. Quando vamos a um lugar do ladinho de casa é bom ir a pé; se moramos em uma cidade grande, tem até metrô; se é preciso atravessar o oceano, só mesmo de avião ou navio; e quem não gosta de ir até a casa do amigo de bicicleta? Nas brincadeiras infantis, os meios de transporte estão sempre presentes e levam as crianças até onde a imaginação mandar. Neste livro, três artistas arquitetos se uniram para falar sobre a nossa movimentação no espaço, seja embaixo da terra, na água ou no ar — para cada situação, um jeito diferente de se deslocar —, e usaram um pouco de tudo de que gostam na hora de ilustrar: colagem, lápis e tinta.

Denúncias, de Ian Rankin (Tradução de Álvaro Hattnher)
Malcolm Fox tem que ser exemplar. Como inspetor da Divisão de Denúncias da Polícia de Edimburgo, na Escócia, ele precisa manter a linha para não dar munição aos policiais corruptos que investiga. Mas o passado de alcoolismo e a tendência a passar por cima de autoridades fazem de Fox uma presa fácil para seus inimigos. Especialmente quando ocorre um assassinato em sua família. Suspeito do crime, Fox tenta encontrar o verdadeiro assassino, e descobre que o encarregado da investigação é seu próximo alvo na Divisão de Denúncias: o sargento-detetive Jamie Breck, acusado de fazer parte de uma rede de pedofilia na internet. Na busca pela verdade, Fox e Breck topam com outra morte e uma intrincada trama de interesses que envolve pessoas importantes da sociedade escocesa. Para conseguir resolver o crime, o inspetor precisa decidir em quem confiar — quando todos parecem estar contra ele.

A especulação imobiliária, de Italo Calvino (Tradução de Mauricio Santana Dias)
O protagonista de A especulação imobiliária, o sr. Anfossi, espécie de alter ego do autor, é um intelectual em crise com suas ideias, que volta à sua cidade natal, na Riviera da Ligúria, para incorporar um imóvel — o que, por motivos óbvios, acaba complicando ainda mais sua vida. Incapaz de lidar com os problemas da vida prática, Anfossi acaba envolvido numa série interminável de problemas causados por seu antagonista, o sr. Caisotti, construtor trambiqueiro e inescrupuloso. Em meio a uma legião de advogados, engenheiros, funcionários públicos e operários, Anfossi e sua família assistem impotentes ao desenrolar dos fatos. O fracasso da empreitada, porém, convive com o sucesso dos agentes que contribuíram para transformar a nova Itália num paraíso de arrivistas, negociatas e do turismo de massa. Sem conseguir realizar-se nem no campo das ideias, ao anti-herói deste romance ao mesmo tempo cômico e amargo resta a alternativa improvável de reinventar para si um novo modo de sobrevivência neste mundo que muda vertiginosamente.

A crônica dos Wapshot, de John Cheever (Tradução de Alexandre Barbosa de Souza)
Primeiro romance de John Cheever, A crônica dos Wapshot é o retrato de uma família tradicional e decadente da Nova Inglaterra, cenário dileto das narrativas ácidas e minimalistas do autor. Na pequena e depauperada cidade de St. Botholphs, o patriarca da família é operador de balsa, o que não é um grande emprego para quem descende de lendários comandantes de navio, mas ele vai levando a vida com a esposa e os filhos. Os filhos crescem, deixam a casa dos pais para começar vida própria em Washington e Nova York, e a narrativa passa a girar em torno deles. Os dois parecem reconquistar o lugar “de direito” da família, mas o individualismo exacerbado e a vacuidade de suas existências são a tônica desta que é uma das grandes narrativas familiares do século XX.

Semana quarenta e quatro

Os lançamentos da semana são:

A vida imortal de Henrietta Lacks, de Rebecca Skloot (Tradução de Ivo Korytovsky)
A vida imortal de Henrietta Lacks reconstitui a vida e a morte de uma das mais injustiçadas personagens da história da medicina. O livro demonstra como o progresso científico do século XX deveu-se em grande medida a uma mulher negra, pobre e quase sem instrução. Doadora involuntária da linhagem “imortal” de células HeLa, a mais pesquisada em todo o mundo, a protagonista do premiado livro de estreia de Rebecca Skloot recebe uma merecida e tardia homenagem. O livro foi eleito pelo New York Times como um dos melhores de 2010, e você pode ver seu trailer e ler a resenha publicada pela revista Época.

Diário da queda, de Michel Laub
Um garoto de treze anos se machuca numa festa de aniversário. Quando adulto, um de seus colegas narra o episódio. A partir das motivações do que se revela mais que um acidente, cujas consequências se projetam em diversos fatos de sua vida nas décadas seguintes — a adolescência conturbada, uma mudança de cidade, um casamento em crise —, ele constrói uma reflexão corajosa sobre identidade, afeto e perda. Dessa reflexão fazem parte também as trajetórias de seu pai, com quem o protagonista tem uma relação difícil, e de seu avô, sobrevivente de Auschwitz que passou anos escrevendo um diário secreto e bizarro. São três gerações, cuja história parece ser uma só. É uma viagem inusitada pela memória de um homem no momento em que ele precisa fazer a escolha que mudará sua vida. Assista ao trailer no nosso canal do YouTube.

O décimo primeiro mandamento, de Abraham Verghese (Tradução de Donaldson M. Garschagen)
Em 1954, nascem num hospital de Adis Adeba os gêmeos Marion e Shiba, filhos da união trágica entre um cirurgião inglês e uma jovem freira indiana. Com a morte da mãe no parto e o desaparecimento do pai, os meninos são criados por um casal de médicos missionários. Crescem unidos e interessados em medicina, numa Etiópia marcada pela turbulência política. Mas é o amor de Marion por uma mulher, muito mais do que a política, que vai separar de vez o destino dos dois irmãos. E é a medicina que vai uni-los quilômetros e anos depois, quando Marion terá de confiar sua vida aos dois homens de quem ele mais desconfiava: o pai, que o abandonou, e o irmão, que o traiu. Uma viagem inesquecível pela África e pelos Estados Unidos, pela medicina e pela literatura, e uma história sobre o poder, a intimidade e a beleza que existe no trabalho daqueles que cuidam de salvar a vida dos outros.

2 cores, de Renata Bueno (Ilustrações de Mirella Marino e Renata Bueno)
Este livro é o resultado de uma espécie de jogo: duas amigas ilustradoras escolheram duas cores — preto e vermelho — para criar ilustrações juntas. Uma começava o desenho e depois o passava à outra para que ela o terminasse. Manchas viraram bichos, linhas formaram pessoas, um simples círculo se transformou em um monstro. O último desafio foi criar o texto para cada uma dessas ilustrações, que, agrupadas, dão uma aula de imaginação às crianças. Ao final do livro, as autoras falam sobre essa experiência e sugerem aos leitores que se divirtam da mesma maneira: basta chamar um amigo para que um complete o desenho do outro.

Às avessas, de Joris-Karl Huysmans (Tradução de José Paulo Paes)
Este romance turbulento e original tem apenas um personagem. Des Esseintes é um aristocrata doente e em decadência que, ao se refugiar no campo, entrega-se à luxúria e ao excesso. Oscilando entre a inquietude e a debilidade, ele satisfaz seu apetite estético com literatura clássica, arte, joias exóticas, perfumes caros e um caleidoscópio de experiências sensuais. Às avessas, nas palavras do autor, caiu “como um meteorito” no cenário literário de sua época, e seu status de obra cult só fez aumentar ao longo do tempo. Esta edição traz introdução e notas de Patrick McGuinness e um prefácio escrito pelo autor em 1903, vinte anos deois da publicação do romance. E, complementando a fortuna crítica do livro, uma seleção de textos escritos por Mallarmé, Émile Zola e Oscar Wilde, entre outros.

Fama, de Daniel Kehlmann (Tradução de Sonali Bertuol)
Nove histórias se entrelaçam para formar este romance do premiado escritor alemão Daniel Kehlmann. Ele nos apresenta situações absurdas, mal-entendidos ou trocas de papéis, decisões inusitadas, encontros e desencontros que revelam a fragilidade das relações humanas nos universos da fama e do anonimato. Entram em cena escritores, um ator de cinema famoso e pessoas ditas “comuns”. Logo percebemos que todos eles correm o risco de perder a própria identidade, por conta da exposição excessiva a que estão sujeitos — uma das consequências de tantas novas tecnologias e meios de comunicação. Com uma prosa elegante, boas doses de humor e sem cair nas armadilhas da superficialidade, Kehlmann constrói um jogo provocador, em que não para de questionar as fronteiras entre ficção e realidade.

Na casa do Leo — Os egípcios, de Philip Ardagh (Ilustrações de Mike Gordon; Tradução de Érico Assis)
Leo é um menino como outro qualquer, a não ser por um detalhe: em sua casa, ele costuma receber as visitas mais extraordinárias. Desta vez, são os antigos egípcios que vão aparecer por lá — e tudo pode acontecer ao se abrir uma porta, como dar de cara com uma pirâmide no quintal ou um faraó na sala de estar. Com seu cachorro de estimação, o Naftalina, Leo vai percorrer os cômodos da casa guiado por Bata, o herdeiro do faraó, e descobrir, entre outras coisas, as brincadeiras preferidas das crianças egípcias; a escrita em hieróglifos; as pirâmides e seu método de construção; e como os mortos eram mumificados. Repleto de ilustrações e em formato de história em quadrinhos, o livro é escrito em linguagem acessível para leitores que estão começando a aprender sobre as antigas civilizações.

Move tudo!, de Marcelo Cipis
Ao assistirmos às imagens projetadas na imensa tela do cinema, muitas vezes sentimos vontade de estar naqueles incríveis cenários, ou até nos identificamos com os personagens, como que entrando imaginariamente em seus papéis. A brincadeira deste novo livro do artista plástico Marcelo Cipis é exatamente esta: em uma projeção de cinema, cenário e personagens do filme influenciam a plateia, assim como os espectadores acabam imprimindo modificações no que se passa na tela, entrando e saindo de lá. O fundo do mar projetado transforma espectadores em banhistas; ao assistir a uma cena de corrida, todos viram corredores; um balão sai da tela, recolhendo os espectadores e levando-os para bem longe… Não há regras e a movimentação é intensa.

12