richelle mead

Semana duzentos e sessenta

1234

Sempre em movimento — uma vida, Oliver Sacks (Tradução de Denise Bottmann)
Quando Oliver Sacks tinha doze anos, um professor bastante sagaz escreveu num relatório: “Sacks vai longe, se não for longe demais”. Hoje está absolutamente claro que Sacks jamais parou de ir. Desde as primeiras páginas deste comovente livro de memórias, em que relata sua paixão de juventude pelas motos e pela velocidade, Sempre em movimento parece estar carregado dessa energia. Conforme fala de sua experiência como jovem neurologista no início dos anos 1960 — primeiro na Califórnia, onde lutou contra o vício em drogas, e depois em Nova York, onde começa a despontar como pesquisador —, vemos como sua relação com os pacientes veio a definir sua vida. Com a honestidade e o humor que lhe são característicos, Sacks nos mostra como a mesma energia que motiva suas paixões “físicas” — levantamento de peso e natação — alimenta suas paixões cerebrais. Sempre em movimento é a história de um pensador brilhante e nada convencional, o homem que iluminou as muitas formas com que o cérebro nos faz humanos.

Um céu mais perfeito, Dava Sobel (Tradução de Ana Claudia Ferrari)
Em 1514, Nicolau Copérnico desenvolveu o esboço da teoria que desafiava as crenças da época, colocando o Sol, e não a Terra, no centro do universo. Ao longo das duas décadas seguintes, ele compilou seu trabalho num manuscrito secreto, o qual se recusava a publicar. Em 1539, o alemão Georg Joachim Rheticus, atraído pelos rumores de uma revolução científica, viajou à Polônia para procurar Copérnico. Dois anos depois, o jovem publicou As revoluções dos orbes celestes, com os trabalhos que transformaram o lugar do homem no Universo. Com elegância, Dava Sobel descreve as personalidades conflitantes dos dois e cria uma peça teatral que imagina a luta de Rheticus para convencer o mestre a publicar seu manuscrito.

O poder ultrajovem, Carlos Drummond de Andrade
O poder ultrajovem reúne textos publicados por Carlos Drummond de Andrade na imprensa entre o final da década de 1960 e o início da década de 1970. Trata-se de um poderoso conjunto de prosa e verso — sempre pendendo para os domínios da crônica, gênero que o grande escritor mineiro praticou como poucos —, em que o olhar maduro e algo desencantado (mas com muita ironia) do autor se debruça sobre os mais diversos aspectos da vida e da sociedade daquela época. Com posfácio do crítico Alcir Pécora, esta nova edição de um dos mais cativantes livros de Drummond é um brinde à vivacidade e à inteligência sutil de um dos nossos mais estimados escritores.

Companhia das Letrinhas

Nove monstros perigosos poderosos fabulosos do Brasil, Flavio de Souza
Este livro é um desafio! Dentro dele há figuras de nove monstros brasileiros, que estão camuflados em meio a traços coloridos. Encontrar todos eles não será fácil, e o leitor vai precisar superar o pavor. Quem conseguir encarar os monstrengos terá acesso, como prêmio por sua coragem, a informações interessantíssimas sobre cada uma das aberrações: aspecto físico, categoria, lugar de origem, lendas a seu respeito, tipos de poder e — o mais importante — dicas sobre como vencê-las.

Seguinte

O círculo rubi — Bloodlines vol.6, Richelle Mead (Tradução de Guilherme Miranda)
Depois que Sydney Sage escapou das garras dos alquimistas, que a torturaram por viver um romance proibido com Adrian Ivashkov, o casal se exilou na Corte Moroi. Hostilizada por todos ao seu redor por ser uma humana casada com um vampiro, a garota quase não sai de casa e perde a noção do tempo, trocando o dia pela noite. Mas logo Sydney se vê obrigada a abandonar seu refúgio, já que seu coração continua apertado desde que Jill Dragomir desapareceu. O sumiço da jovem princesa vampira coloca em risco toda a estabilidade política dos Moroi… Agora Sydney precisa descobrir quem está por trás desse sequestro para dar um jeito de trazer a amiga de volta — e ao mesmo tempo alcançar sua própria liberdade.

Paralela

Cidade mágica, Lizzie Mary Cullen (Tradução de Renata Moritz)
Viaje ao redor do mundo na ponta do lápis! Agora é possível pintar Londres, Paris e Rio de Janeiro. Vistas com o olhar único e divertido de Lizzie Mary Cullen.

Semana duzentos e quarenta

BLOG12

Os mil outonos de Jacob de Zoet, de David Mitchell (Tradução de Daniel Galera)
O pano de fundo exótico para esta trama é o Japão da virada do século XIX. No ano de 1799, o império japonês está totalmente fechado aos estrangeiros, com uma única exceção: na ilha artificial de Dejima, na costa de Nagasaki, seus últimos parceiros comerciais europeus, os holandeses, mantêm uma feitoria. Em busca da fortuna que lhe permitirá casar-se com sua amada Anna, o jovem escriturário Jacob de Zoet parte de navio para o Oriente e acaba sendo incumbido por seu tutor da missão de investigar os registros de Dejima em busca de evidências de corrupção.
Impedido de praticar a fé cristã, ridicularizado pelos japoneses e hostilizado pelos colegas europeus que tem o dever de investigar, Jacob se sente mais isolado que nunca. Ao mesmo tempo, conhece aos poucos uma galeria de personagens marcantes que inclui o trambiqueiro Arie Grote, o samurai e intérprete Ogawa Uzaemon e o erudito botanista dr. Marinus. Sua situação se complica definitivamente quando ele se apaixona por uma jovem parteira e estudante de medicina, Aibagawa Orito, uma moça intrigante que tem o rosto parcialmente queimado. Quando Orito é raptada pelo sinistro abade Enomoto e Jacob se descobre vítima de sua própria ingenuidade e retidão moral, desvela-se uma trama repleta de paixões proibidas, traições, culpa, assassinatos, intrigas políticas e segredos de uma ordem espiritual que pratica horrores indizíveis.

Paralela

Amor ao pé da letra, de Melissa Pimentel (Tradução David Agne)
A agente literária Melissa Pimentel, assim como sua personagem, Lauren, se mudou de uma pequena cidade nos Estados Unidos para Londres de um dia para o outro. Assim como a protagonista, seu principal objetivo também era se divertir, sempre que possível acompanhada de britânicos sexy.
Infelizmente, Melissa logo descobriu que conquistar esses homens era mais difícil do que parecia, mesmo quando ela jurava não querer nada sério. Foi aí que surgiu a solução: decidiu seguir os conselhos dos mais populares livros de autoajuda para conquistar homens e criou um blog para narrar suas experiências. Nasceram daí os encontros de Lauren, que em Amor ao pé da letra, receberam toques de ficção, como uma legítima comédia romântica.

Seguinte

Sombras Prateadas – Bloodlines Vol.5, de Richelle Mead (Tradução de Guilherme Miranda)
Sydney Sage arriscou tudo. Ainda infiltrada na organização, trabalhava contra os alquimistas e vivia um romance secreto com o vampiro Adrian Ivashkov. Qualquer deslize poderia trazer tudo por água abaixo, e foi exatamente o que aconteceu: sua própria irmã descobriu seu relacionamento proibido e a denunciou, fazendo com que Sydney fosse capturada pelos seus pares e mandada para a terrível reeducação.
Lá, as condições de higiene e de conforto eram mínimas. Nos poucos momentos em que ela ficava acordada, uma voz metálica tentava convencê-la a “confessar seus pecados”. Cercada de inimigos e sem saber onde estava ou como sairia dali, Sydney luta para manter sua identidade, sua capacidade de pensar por si mesma e, principalmente, a esperança de que encontrará Adrian novamente.
Enquanto isso, o vampiro tenta diferentes estratégias para descobrir o paradeiro da garota. Mas quando suas alternativas fracassam uma a uma, sua vida começa a sair do controle e ser tomada pelas garras do espírito – o elemento mágico que lhe confere poderes mas o afunda cada vez mais na depressão. Para suportar tudo isso, Adrian se entrega a uma vida desregrada, deixando que velhos hábitos voltem à tona para esquecer toda a impotência que sente. Será que o amor dos dois será forte o bastante para sobreviver a essa provação?

 

Semana duzentos e dezenove

Mansfield park, de Jane Austen (Trad. Hildegard Feist)
Na literatura, esperamos que o herói seja vigoroso, tenha um espírito aventureiro, audácia, bravura, capacidade de superação e uma pitada de imprudência. Ele deve ser ativo, enfrentar obstáculos e afirmar a própria energia. Fanny Price, a heroína de Mansfield Park, é o oposto de tudo isso.
Frágil, tímida, insegura e excessivamente vulnerável, a pequena Fanny deixa a casa dos pais pobres para morar com os tios mais afortunados em Mansfield Park. Lá, convive com diversos familiares, mas se aproxima apenas do primo Edmund, seu companheiro inseparável. A tranquilidade de casa, no entanto, é abalada com a chegada dos irmãos Mary e Henry Crawford em uma propriedade vizinha. Edmund se apaixona por ela, enquanto Henry flerta com todas as moças. Mansfield Park é o romance que marca a maturidade de Jane Austen. Apresenta um tom mais contido, sardônico, em comparação com obras idealizadas antes, como Orgulho e preconceitoRazão e sensibilidade. Aqui, mais consciente dos verdadeiros males e sofrimentos inerentes à vida em sociedade, uma das maiores autoras da língua inglesa enaltece, na figura de Fanny, a imobilidade, a solidez, a permanência e a resignação.

O pirata e o farmacêutico, de Robert Louis Stevenson (Trad. Eduardo Brandão)
Neste poema inédito de Robert Louis Stevenson, o autor de A ilha do tesouro, as crianças conhecerão Robin e Ben: amigos que cresceram juntos mas, como muitas vezes acontece, acabaram tomando caminhos opostos. Com toda a aventura, ação e fantasia desta história, não vai ser difícil mergulhar na vida desses dois simpáticos – apesar de um pouco violentos – personagens e se deleitar com as ilustrações incríveis do artista alemão Henning Wagenbreth.

O livro do contra, de Atak
Este livro é meio do contra – até lembra certas crianças que todos conhecemos. Gosta de contar histórias sobre um mundo de pernas para o ar. Em suas ilustrações, o rato caça o gato; o urso polar vive no mato; o trem voa nos ares e o avião desliza nos mares. O bombeiro apaga a água com fogo e a Chapeuzinho caça o pobre do lobo. Que bagunça! O leitor vai dizer: quanta barbaridade! Mas, cada vez que descobrir uma mentira da boa, vai aprender um pouco sobre o mundo de verdade.O autor deste livro é um renomado artista alemão, e para a edição brasileira ele fez uma ilustração especial inspirada no nosso país.

Editora Seguinte

Coração ardente, de Richelle Mead (Trad. Guilherme Miranda)A alquimista Sydney Sage não é mais a mesma. Criada desde criança para desprezar os vampiros, ela acabou vencendo seus preconceitos em sua última missão, durante a qual foi obriada a conviver diariamente com essas criaturas. Aos poucos, ela não só criou laços de amizade com vampiros como acabou se apaixonando por um deles e, surpreendendo até a si mesma, decidiu levar o relacionamento adiante, em segredo.  Tudo se complica quando Zoe, sua irmã, se junta à missão. Apesar de querer resgatar a amizade entre elas, Sydney conseguirá manter essa vida oculta por muito tempo? A ameaça de ser descoberta – e mandada para a terrível reeducação – é maior do que nunca.

Semana cento e noventa e dois

Os lançamentos desta semana são:

Max, o corajoso, de Ed Vere (Tradução de Eduardo Brandão)
Max é um gato muito corajoso. É por isso que ele odeia quando as pessoas o chamam de “gracinha” ou amarram um laço no pescoço dele – afinal, uma fita cor-de-rosa não cai bem para um gato que não tem medo de nada!
Então, para provar a sua braveza, Max decide virar um grande caçador de ratos. Mas o único detalhe é que, na verdade, ele nunca fez isso antes, e agora vai ter de descobrir o que é um rato antes de começar a sua caçada…

Barrigão no chão (Hora do bebê)
É importante deixar seu bebê de bruços algumas vezes ao dia. Este livro em formato de carrossel foi feito para tornar esses momentos mais prazerosos. Abra-o todo, amarre-o com a fita e deixe seu bebê explorar um universo colorido e cheio de texturas. Fazendo cócegas na barriga macia dos gatinhos, tocando a nuvem fofinha e sentindo o couro da baleia, os pequenos vão desenvolver os movimentos e fortalecer o pescoço.

O xixi da Lulu, de Camilla Reid (Tradução de Júlia Moritz Schwarcz. Ilustrações de Ailie Busby).
A Lulu está tirando a fralda. Ganhou um penico, que ela usa por toda a casa, e já está experimentando até a privada. Acidentes acontecem, mas no geral ela está indo muito bem! Abrindo a fralda da Lulu, puxando o papel higiênico e olhando embaixo da tampa da privada as crianças vão viver o adeus às fraldas com muito mais diversão.

Editora Paralela

Um desejo selvagem, de Sylvia Day (Tradução de Alexandre Boide)
Neste segundo livro da série, Vash, a segunda vampira mais importante do mundo, e Elijah, líder dos licanos, assumem o papel central. Além de serem representantes de duas espécies que sempre se perseguiram, Elijah e Vash se odeiam, mas são obrigados a se aproximar em busca de parceria numa guerra contra os anjos. O único problema é que o ódio entre eles vai se transformando em uma paixão incontrolável. Vash, uma mulher dura e determinada, perde a concentração nas lutas, passa a ter ciúmes e a não controlar mais seus sentimentos, enquanto Elijah parece decidido a conquistá-la, usando os mais tentadores artifícios.

Tabuleiro dos deuses, de Richelle Mead (Tradução de Guilherme Miranda)
Justin March, um investigador de religiões charmoso e traiçoeiro, volta para a República Unida da América do Norte (RUAN), após um misterioso exílio. Sua missão é encontrar os responsáveis por uma série de assassinatos relacionados com seitas clandestinas. Sua guarda-costas, Mae Koskinen, é linda, mas fatal. Membro da tropa de elite do exército, ela irá acompanhar e proteger Justin nessa caçada. Aos poucos, os dois descobrem que humanos são meras peças no tabuleiro de poderes inimagináveis.

Semana cento e setenta e nove

Os lançamentos desta semana são:

 

Fim, de Fernanda Torres
Eles são cariocas, se conheceram na praia, foram companheiros de vadiagem em blocos de carnaval, viveram o desbunde dos 1960, as festas movidas a álcool, sexo e pó. Suas vidas testemunharam um país que virava de cabeça para baixo em costumes e valores: é esse o pano de fundo dos excessos, separações e arrependimentos que compõem as histórias de Fim. Álvaro, Sílvio, Ribeiro, Neto e Ciro são figuras muito diferentes, mas partilham não apenas o fato de estarem no extremo da vida, como também o acanhamento dos horizontes. Sucesso, realização pessoal e serenidade estão fora de questão – ninguém parece capaz de colher no fim das contas mais do que um inventário de frustrações. Há graça, sexo, sol e praia nas páginas de Fim. Mas elas também são cheias de resignação e melancolia. Humor sem superficialidade, lirismo sem cafonice, complexidade sem afetação: de que mais precisa um romance para dizer a que veio?

O último magnata, de F. Scott Fitzgerald (Tradução de Christian Schwartz)
Conforme Edmund Wilson observa em seu prefácio a esta edição, o mandachuva Monroe Stahr, centro da trama de O último magnata, é a figura mais bem concebida de F. Scott Fitzgerald. “Suas anotações sobre o personagem mostram como Fitzgerald conviveu com Stahr por três anos ou mais, amadurecendo as idiossincrasias da figura e reconstituindo sua rede de relacionamentos nos vários departamentos da indústria do cinema”, escreve. Temos cerca de 60 mil palavras no rascunho incompleto deste romance; foi planejado para ter mais ou menos esse tamanho, mas, como se nota, o capítulo em que o autor estava trabalhando no dia anterior à sua morte, aos 44 anos, leva a narrativa um pouco mais adiante do que poderia ter sido a sua conclusão. Mesmo assim, Fitzgerald concebeu maravilhosamente a atmosfera em que uma gigantesca e otimista indústria era estruturada; fica claro que ele teria demonstrado o quão este pequeno mundo fechado em si representava as noções de Sonho Americano e do Destino Manifesto. Esta edição, organizada e prefaciada por Edmund Wilson, é uma nova oportunidade para o leitor se encantar com o universo de um dos maiores prosadores do século XX.

Editora Seguinte

O lírio dourado, de Richelle Mead (Tradução de Guilherme Miranda)
Sidney Sage adoraria ir para a faculdade como qualquer garota comum, mas ela faz parte do grupo dos alquimistas — os responsáveis por esconder a existência dos vampiros do resto da humanidade —, então isso não tem a menor chance de acontecer. Ainda mais depois que ela é convocada para uma missão super importante: passar uma temporada num colégio interno na Califórnia para ajudar a esconder a princesa vampira Jill Dragomir. Após enfrentar vários desafios, como desvendar um esquema de tráfico de sangue de vampiro e ter de suportar um chefe abominável, Sydney sente que alcançou certa tranquilidade em sua empreitada — tanto que encontra tempo até para arrumar um namorado.

12