robert darnton

Veja o encontro de Alberto Manguel com Robert Darnton

No dia 30 de agosto, Alberto Manguel e Robert Darnton inauguraram as comemorações dos 30 anos da Companhia das Letras no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. Pioneiro nos estudos sobre a história do livro, Darnton é professor e diretor da biblioteca da Universidade de Harvard, e seu livro mais recente, Censores em ação, recria três momentos em que a censura restringiu a expressão literária. Manguel, que acaba de assumir a direção da Biblioteca Nacional da Argentina, lançou Uma história natural da curiosidadelivro em que mapeia os textos e autores que o inspiraram ao longo de sua vida como leitor. Com mediação do escritor e jornalista Sérgio Rodrigues, autor de Viva a língua brasileira!os autores conversaram sobre o mundo dos livros e da leitura com o público. Se você não pôde participar ou quer rever este grande encontro, assista ao evento completo no vídeo acima.

Os eventos de 30 anos da Companhia das Letras ainda trazem para o Brasil Mia Couto, que estará amanhã em São Paulo, Ian McEwan e David Grossman, que participam do evento em outubro. Todos os encontros serão gravados e postados em nosso canal no YouTube.

Robert Darnton e Alberto Manguel se encontram no primeiro evento de aniversário da Companhia das Letras

Evento 30 anos Companhia

Acontece hoje, dia 30, às 20h, o primeiro de uma série de eventos que comemoram os 30 anos da Companhia das Letras. O encontro com Robert Darnton e Alberto Manguel, com mediação de Sérgio Rodrigues, ocorre no Sesc Vila Mariana e tem entrada franca. Para participar, basta retirar o ingresso na Central de Atendimento uma hora antes do evento (2 por pessoa).

Robert Darnton é pioneiro nos estudos sobre a história do livro. É professor e diretor da biblioteca da Universidade de Harvard. Em seu livro mais recente, Censores em ação, Darnton recria três momentos em que a censura restringiu a expressão literária. Em entrevista para O Estado de S. Paulo concedida recentemente, Darnton afirmou que “não é exagero dizer que o mundo do livro está passando por sua maior transformação em 500 anos. É excitante e ameaçador para profissionais do livro, mas, para mim, é um tempo de grandes oportunidades”.

Alberto Manguel vem ao Brasil para divulgar seu mais novo livro, Uma história natural da curiosidade, no qual mapeia os textos e autores que o inspiraram ao longo de sua vida como leitor. Em entrevista para O Globo, falando de sua vinda ao Brasil e de seu novo livro, Manguel afirma que “o ódio é a vontade de não conhecer, por isso, a curiosidade é um meio de combater o preconceito”. Atualmente, Manguel dirige a Biblioteca Nacional da Argentina, cargo que já foi ocupado por Jorge Luis Borges. 

Conheça os demais eventos que comemoram os 30 anos da Companhia das Letras.

Semana duzentos e noventa e cinco

Cidade em chamas, Garth Risk Hallberg (Tradução de Caetano Waldrigues Galindo)
Nova York, 1976. O sonho hippie acabou, e dos escombros surge uma nova cultura urbana. Saem as mensagens de paz e amor e as camisetas tingidas, entram as guitarras desafinadas, os acordes raivosos e os coturnos caindo aos pedaços. Por toda a cidade brotam galerias de arte e casas de show esfumaçadas. É nesse cenário que Garth Risk Hallberg situa esta obra colossal, aclamada pela crítica como uma das grandes estreias literárias de nosso tempo. Combinando o ritmo de um thriller ao escopo dos grandes épicos da literatura, Garth Risk Hallberg constrói um meticuloso retrato de uma metrópole em transformação. Dos altos salões do poder às ruelas do subúrbio, ele captura a explosão social e artística que definiu uma década e transformou o mundo para sempre. Cidade em chamas é um romance inesquecível sobre amor, traição e perdão, sobre arte e punk rock. Sobre pessoas que precisam umas das outras para sobreviver. E sobre o que faz a vida valer a pena.

Voltar para casa, Toni Morrison (Tradução de José Rubens Siqueira)
Frank Money volta da Guerra da Coreia com mais do que cicatrizes visíveis em seu corpo. Veterano como tantos outros, vive em profundo conflito com seus fantasmas, perturbado pela enorme culpa de ser um sobrevivente e pelas atrocidades que cometeu. Ao se deparar com um país racista e segregado, ele reluta em voltar à sua cidade natal na Geórgia, onde deixou dolorosas memórias de infância e a pessoa que lhe é mais querida, a irmã Ycidra. Ci sobreviveu como pôde aos anos de ausência do irmão, numa sociedade machista e opressiva em que as mulheres não têm vez, são sistematicamente abandonadas pelos maridos e muitas vezes mutiladas sem piedade. Ainda que não seja um soldado, é com imperativos que a menina foi criada: “Amarre o sapato, largue essa boneca de trapo e pegue a vassoura descruze as pernas vá tirar as ervas daninhas daquele jardim endireite as costas não me responda”. O ambiente nos Estados Unidos dos anos 1950 é tão hostil — que não se diferencia muito de um campo de batalha –, especialmente para uma mulher. Nesse mundo desfigurado, ao se reencontrarem no caminho de volta para casa, os irmãos poderão enfim ressignificar seu passado e voltar a ver com esperança o futuro. Afinal, o que é o lar, senão o lugar onde estão os nossos afetos? É no retorno à casa e no amor fraterno que Frank poderá entender sua experiência traumática na guerra e reencontrar uma força que já não acreditava ter.

Censores em ação, Robert Darnton (Tradução de Rubens Figueiredo)
Em Censores em ação, Robert Darnton recria três momentos em que a censura restringiu a expressão literária. Na França, no século XVIII, censores, autores e livreiros colaboravam no fazer literário ao navegar na intricada cultura do privilégio em torno da realeza. Em 1857, na Índia, o Rajá britânico empreendeu uma investigação minuciosa dos aspectos da vida no país, transformando julgamentos literários em sentenças de prisão. Na Alemanha Oriental, a censura era tão onipresente que se instaurou na mente dos escritores como autocensura, com sequelas visíveis para a literatura nacional. Ao enraizar a censura nas particularidades da história, este estudo revelador expõe o impacto da repressão na literatura.

Seguinte

Maré congelada — A queda dos reinos vol.4, Morgan Rhodes (Tradução de Flávia Souto Maior)
As disputas pela Tétrade, quatro cristais mágicos capazes de conferir poderes inimagináveis a quem os encontrar, continua. Amara roubou o cristal da água, Jonas conseguiu o da terra, Felix enganou os rebeldes para ficar com o cristal do ar, e Lucia está com o do fogo. Mas nem todos sabem como ativar a magia da Tétrade, e apenas a princesa feiticeira conquistou poder até agora, aliando-se ao deus do fogo que libertou de seu cristal. Gaius, o Rei Sanguinário, também não desistiu de encontrar os cristais. Ele está mais sedento por poder do que nunca, especialmente agora que não conta mais com a ajuda da imortal Melenia nem com o apoio de Magnus, o herdeiro que o traiu para poupar a vida da princesa Cleo. Para conquistar todo o mundo conhecido, Gaius resolve atravessar o mar gelado até Kraeshia, e tentar um acordo com o imperador perverso de lá. No caminho, o rei vai encontrar muitas dificuldades e inimigos, como Amara, princesa de Kraeshia, que tem seus próprios planos para conquistar o poder.

Na estrada Jellicoe, Melina Marchetta (Tradução de Guilherme Miranda)
A pequena cidade de Jellicoe, na Austrália, vive uma guerra territorial travada entre três grupos: os estudantes do internato, os adolescentes da cidade e os alunos de uma escola militar que acampa na região uma vez por ano. Taylor é líder de um dos dormitórios do internato e foi escolhida para representar seus colegas nessa disputa. Mas a garota não precisa apenas liderar negociações: ela vai ter que enfrentar seu passado misterioso e criar coragem para finalmente tentar compreender por que foi abandonada pela mãe na estrada Jellicoe quando era criança. Hannah, a única adulta em quem Taylor confia e que poderia ajudar, desaparece repentinamente — e a pista sobre seu paradeiro é um manuscrito que narra a história de cinco crianças que viveram em Jellicoe dezoito anos atrás…

Companhia das Letrinhas

Quem é você?, Pernilla Stalfelt (Tradução de Fernanda Sarmatz Åkesson)
Pode ser surpreendente encontrar alguém tão diferente de nós. Podemos ficar de queixo caído e não entender muito bem o por quê de alguém se vestir com determinada roupa, acreditar em certa coisa ou ter uma opinião oposta à nossa. Mas será que, mesmo com essas disparidades, somos tão diferentes assim? O que temos de parecido? Quem é você é um livro sobre tolerância, que nos mostra que somos tão parecidos quanto diferentes, e por isso somos todos iguais!

Portfolio-Penguin

Um ano com Peter Drucker, Joseph A. Maciariello (Tradução de André Fontenelle)
Um ano de curso de liderança, dividido em lições semanais curtas com base no programa de coaching de Peter Drucker, em publicações inéditas e em leituras selecionadas das obras clássicas do guru da administração, foi compilado por Joseph A. Maciariello, seu colaborador durante a vida toda. Este livro destila a essência do programa pessoal de mentoria de Peter Drucker num curso de 52 semanas muito simples de acompanhar, explorando temas que Drucker considerava os mais importantes no desenvolvimento de lideranças. A sabedoria de uma vida inteira está concentrada num volume essencial que serve tanto a antigos admiradores de Drucker como a jovens executivos que descobrirão agora o seu brilhantismo e a oportunidade inestimável de aprender com este grande mestre.

Suma de Letras

O cisne e o chacal, J.A. Redmerski (Tradução de Michele Vartuli)
Fredrik Gustavsson nunca considerou a possibilidade de se apaixonar — certamente nenhuma mulher entenderia seu estilo de vida sombrio e sangrento. Até que encontra Seraphina, uma mulher tão perversa e sedenta de sangue quanto ele. Eles passam dois anos juntos, em uma relação obscura e cheia de luxúria. Então Seraphina desaparece. Seis anos depois, Fredrik ainda tenta descobrir onde está a mulher que virou seu mundo de cabeça para baixo. Quando está próximo de descobrir seu paradeiro, ele conhece Cassia, a única pessoa capaz de lhe dar a informação que tanto deseja. Mas Cassia está ferida após escapar de um incêndio, e não se lembra de nada. Fredrik não tem escolha a não ser manter a mulher por perto, porém, depois de um ano convivendo com seu jeito delicado e piedoso, ele se descobre em uma batalha interna entre o que sente por Seraphina e o que sente por Cassia. Porque ele sabe que, para manter o amor de uma, a outra deve morrer.

Semana cento e treze

Os lançamentos desta semana são:

Qual é o seu norte?, de Silvana Salerno
Quem nunca sonhou conhecer a floresta Amazônica, com sua infinidade de plantas, bichos e lendas? Neste livro, o Norte do Brasil é explorado a partir do folclore da região. São onze histórias – como a do boto, a do boi-bumbá e a da samaúma, entre outras -, intercaladas por páginas recheadas de muita informação sobre a cultura, a geografia, a fauna e a flora amazônicas. Ilustrado com fotos, desenhos e mapas, este almanaque traça um panorama completo sobre uma das regiões mais ricas do planeta. E, então, está pronto para descobrir qual é o nosso Norte?

Manifesto do Partido Comunista, de Karl Marx e Friedrich Engels (Trad. Sergio Tellaroli)
Mais de vinte anos depois da queda do muro de Berlim e do fim da União Soviética, o legado intelectual de Karl Marx e Friedrich Engels ainda pode ajudar a compreender as transformações do mundo contemporâneo? A crise financeira deflagrada em 2008 escancarou as fragilidades estruturais do capitalismo, e ratificou diversos postulados dos autores do Manifesto do Partido Comunista. Desde então, o grande número de reedições dos livros basilares do marxismo em todo o mundo atesta que o estudo das contradições inerentes à reprodução do capital tem se renovado e ampliado. Análise militante da luta entre classes, denúncia dos mecanismos de perpetuação da opressão, este que é um dos textos políticos mais influentes da história retorna com o selo Penguin-Companhia das Letras para seguir provocando polêmicas e paixões, sobretudo pela denúncia dos perversos mecanismos da reprodução do capital. Com tradução direta do alemão por Sergio Tellaroli, que restaura a fluência e a força explosiva do texto original, o volume traz os prefácios de Marx e Engels para edições em vários países, além de posfácio assinado pelo filósofo humanista Marshall Berman, que afirma, categórico: o autor de O capital, “ateu fazendo as vezes de profeta bíblico, ainda tem muito a dizer”.

O contador de histórias: cenas escolhidas, de Jorge Amado
Jorge Amado foi um grande contador de histórias – era assim que ele gostava de se definir. Partindo de cenários variados, geralmente ambientados, amarrados de maneira inusitada , muitas vezes com humor e irreverência, prendendo totalmente a atenção do leitor. Foram mais de trinta romance, que ganharam adaptações para teatro, televisão e cinema, provavelmente por conta da força das suas tramas, pelos diálogos vívidos dos personagens e pelo domínio na arte de interromper a narrativa em momentos cruciais, a chamada “técnica da virada”. Apesar de ser um dos maiores escritores de todos os tempos, Jorge Amado sonhava ser diretor de cinema. Para homenagear esse amante da sétima arte, Heloisa Prieto selecionou sequências narrativas, fragmentos, descrições de personagens, diálogos e cenários, montando esta antologia como um verdadeiro trailer de cinema. São doze cenas inesquecíveis, de todas as fazes da carreira do autor, que constituem um convite saboroso a futuros mergulhos em sua obra inesgotável.

O diabo na água benta, de Robert Darnton (Trad. Carlos Afonso Malferrari)
“Calúnia e difamação sempre foram um negócio sórdido, mas seu caráter odioso não é motivo para considerá-las não merecedoras de estudo sério. Ao destruírem reputações, ajudaram a deslegitimar regimes e derrubar governos em diversas épocas e lugares. O estudo da calúnia e da difamação na França do século XVIII é particularmente revelador, pois mostra como uma corrente literária foi corroendo a autoridade de uma monarquia absoluta e acabou absorvida por uma cultura política republicana, que atingiu seu ápice sobe Robespierre mas que incorporava variedades de detração desenvolvidas nos tempos de Luís XV.”  Denúncias como as que contribuíram para a queda da monarquia francesa no século XVIII ainda perseguem os políticos nos dias de hoje. Os regimes autoritários podem ser vulneráveis a palavras, e palavras bem colocadas podem mobilizar a força misteriosa conhecida como opinião pública.

Conversando sobre o Brasil com Lilia Schwarcz

Por Robert Darnton*


(Foto por Alex)

Em recente viagem ao Brasil, conversei com Lilia Moritz Schwarcz, uma das melhores antropólogas e historiadoras do país. Nossa conversa acabou convergindo para os dois temas que ela estudou com maior profundidade — racismo e identidade nacional.

Visitei o Brasil pela primeira vez em 1989, quando a economia estava quase paralisada pela hiperinflação, tiroteios irrompiam nas favelas e Lula, herói do movimento sindical mas ainda inseguro como político, realizava sua primeira campanha à presidência. Tudo aquilo me pareceu fascinante e assustador. Na minha segunda viagem, alguns anos mais tarde, conheci Lilia e seu marido, Luiz Schwarcz, que começava a transformar a editora que tinha fundado, a Companhia das Letras, numa das melhores casas editoriais da América do Sul. Eles me proporcionaram um dia repleto de brasilidade, que guardo na memória como uma das experiências mais felizes da minha vida: pela manhã, um passeio com seus filhos pelo parque mais importante de São Paulo, onde famílias de todas as cores faziam piqueniques e brincavam iluminadas por um sol deslumbrante; no almoço, um excursão por especialidades brasileiras nunca sonhadas por minha filosofia culinária (mas como não era dia de feijoada, nada de orelhas ou rabos de porco); uma partida de futebol internacional (o Brasil ganhou da Venezuela e as arquibancadas explodiram de alegria); e por fim, incontáveis caipirinhas e um espetáculo intimista de Caetano Veloso no auge do lirismo e das provocações políticas.

Desde então, nunca mais deixei de ficar maravilhado com a energia e a originalidade da cultura brasileira. Todavia não finjo compreendê-la, especialmente por estar em constante mudança. E eu não falo português. Posso apenas fazer perguntas em inglês e me esforçar para apreender as respostas. Teria o mito do Brasil como um “gigante adormecido” se tornado uma profecia que cumpriu a si mesma? “Ele despertou”, dizem hoje. A economia está em franca ascensão, o sistema de saúde se expande, a alfabetização melhora a cada dia. Há também profecias de ruína, pois a história econômica do Brasil lembra ciclos de crescimento e queda impostos sobre séculos de escravidão e empobrecimento. De qualquer modo, Lula está chegando ao final do segundo e último mandato como presidente. Seja qual for a opinião dos brasileiros sobre sua nova política externa, mais assertiva, que inclui o cultivo de relações amigáveis com o Irã (a maioria da população não parece interessada no assunto), em geral eles concordam que Lula gerenciou bem a economia e fez muito para melhorar a vida dos pobres. Seu mandato termina em outubro e ele está apoiando Dilma Rousseff, ex-chefe da Casa Civil de seu governo, cujas chances de vitória estão em grande parte amparadas na popularidade do presidente. O primeiro debate da nova campanha presidencial, ocorrido em 5 de agosto, foi um evento cordato — indicação, me garantem, de uma democracia saudável, que deixou para trás os tempos dos golpes. Agora os estrangeiros estão fazendo novas perguntas sobre o caráter deste novo grande poder. Transmiti a Lilia alguns dos questionamentos mais comuns.

Robert Darnton: A ascensão do Brasil como um dos protagonistas no cenário mundial suscita questionamentos sobre a identidade nacional do país. Alguns são hostis, como o que você diz ter encontrado em sua última viagem aos EUA: como você pode viver num país tomado por favelas e violência? Qual sua resposta a isso?

Lilia Moritz Schwarcz: É curioso como o Brasil hoje tem uma nova imagem no exterior. Costumávamos ser vistos como “exóticos”; um país de capoeira, candomblé, carnaval e mulatas. Continuamos a ser vistos como exóticos, mas esse exotismo ganhou um novo ingrediente: a violência, até mesmo uma nova estética da violência, especialmente no modo como o Brasil é retratado em filmes contemporâneos, como Cidade de Deus. O fascínio que muitas pessoas de fora do Brasil têm pelas favelas é ambíguo. Por um lado as favelas são vistas como comunidades violentas, sujeitas a líderes violentos alheios à autoridade do Estado. Por outro, são apenas “diferentes” — panoramas de uma cultura alheia à cultura dominante, com maneiras particulares e especiais de comemorar, dançar, jogar futebol. Não temos favelas por todos os lados, mas é o que gostam de pensar os estrangeiros. Criamos uma nova espécie de turismo, que inclui uma “favela tour”. É tudo falso, mas os turistas vivem a ilusão de experimentar um outro mundo. E você, Bob? Tem medo de andar por certas regiões de Nova York? Seria o Harlem um tipo de favela?

Continue lendo »

12