ryan graudin

Semana trezentos e dezesseis

Companhia das Letras

Trabalho urbano e conflito social – 1890-1920, de Boris Fausto
Trabalho urbano e conflito Social, do historiador Boris Fausto, foi publicado pela primeira vez em 1976. O livro trata da história da formação da classe trabalhadora e do movimento operário no Rio de Janeiro e em São Paulo, entre 1890 e 1920. O surgimento de uma classe trabalhadora urbana e industrial no Brasil é acompanhado de perto pela reconstituição de suas formas de organização e mobilização política. Visionário e rigoroso, este livro é uma referência obrigatória para quem deseja entender o que foram as relações de trabalho no século XX no Brasil.

Paralela

A espiã, de Paulo Coelho
“Sou uma mulher que nasceu na época errada e nada poderá corrigir isso. Não sei se o futuro se lembrará de mim mas, caso isso ocorra, que jamais me vejam como uma vítima, mas sim como alguém que deu passos com coragem e pagou sem medo o preço que precisava pagar.” Mata Hari foi a mulher mais desejada de sua época: a famosa bailarina de danças orientais que chocava e encantava as plateias ao se desnudar nos palcos, a companheira de confidências e de encontros amorosos com os homens ricos e poderosos de seu tempo, a pessoa de passado enigmático que despertava o ciúme e a inveja das damas da aristocracia parisiense. Ela ousou se libertar do moralismo e dos costumes provincianos das primeiras décadas do século XX e pagou caro por isso: em 1917, foi executada pelo pelotão de fuzilamento do exército francês, sob alegações de espionagem de guerra. Em seu novo romance, Paulo Coelho mergulha com brilhantismo na vida dessa mulher fantástica, revivendo-a para o leitor contemporâneo como uma lição de que as árvores mais altas nascem de pequenas sementes.

Seguinte

Lobo por lobo, de Ryan Graudin (tradução de Guilherme Miranda)
Era uma vez, em outra época, uma garota que vivia no reino da morte. O Eixo ganhou a Segunda Guerra Mundial, e a Alemanha e o Japão estão no comando. Para comemorar a Grande Vitória, todo ano eles organizam o Tour do Eixo: uma corrida de motocicletas através das antigas Europa e Ásia. O vencedor, além de fama e dinheiro, ganha um encontro com o recluso Adolf Hitler durante o Baile da Vitória. Yael é uma adolescente que fugiu de um campo de concentração, e os cinco lobos tatuados em seu braço são um lembrete das pessoas queridas que perdeu. Agora ela faz parte da resistência e tem uma missão: ganhar a corrida e matar Hitler. Mas será que Yael terá o sangue frio necessário para permanecer fiel à missão?

Objetiva

Petrobras – Uma história de orgulho e vergonha, de Roberta Paduan
Um retrato revelador da crise da maior empresa do Brasil. Como a empresa que por tanto tempo foi espelho do que o Brasil tem de melhor se tornou sinônimo de roubo em grande escala? É o que a jornalista Roberta Paduan explica no impactante “Petrobras – Uma história de orgulho e vergonha”, que a Editora Objetiva lança em julho. Fruto de um trabalho extenso de pesquisa e apuração, o livro narra como a estatal foi cenário de vários casos de mau uso político e desvio de verbas ao longo de sua existência, nos governos posteriores à ditadura militar, até se tornar totalmente refém de um esquema de corrupção bilionário sob as presidências de Lula e Dilma. Repórter e editora da revista “Exame”, onde cobriu o Petrolão de perto, Roberta revê a cronologia do escândalo combinando histórias chocantes de bastidores com informações apresentadas de maneira acessível, ajudando o leitor a compreender a magnitude dos danos feitos à petroleira e seus desdobramentos. A Operação Lava-Jato surge como fio-condutor nos principais momentos, muitos dos quais ganham ares de thriller dado o ritmo do texto e o caráter cinematográfico dos personagens e suas ações. Um retrato revelador do debacle de um dos maiores simbolos do Brasil.

Fontanar

Nunca é tarde demais, de Julia Cameron com Emma Lively (tradução Alexandre Boide)
Um programa objetivo, que oferece ferramentas simples e acessíveis para inspirar e aproveitar ao máximo a melhor fase da vida. A chamada “terceira idade” pode ser um momento de grandes inseguranças: tédio, falta de disposição, sensação de vazio e medo do desconhecido são apenas alguns dos aspectos que podem nos assombrar. A liberdade adquirida pela aposentadoria pode ser muito estimulante, mas também bastante assustadora. Nunca é tarde demais transforma esses temores em grandes possibilidades. Repleto de exemplos práticos, este livro mostra como desenvolver a própria criatividade, usando o tempo e a experiência a nosso favor, para fazer deste o período mais rico, completo e criativo da vida, comprovando que nunca é tarde demais para começar de novo.

Companhia das Letrinhas

Karlsson no telhado, de Astrid Lindgren (ilustrações de Ilon Wikland e tradução de Fernanda Sarmatz Åkesson)
Lillebror queria muito ganhar um cachorrinho. Mas, em vez disso, acabou ganhando um amigo muito peculiar, que chegou voando pela janela: Karlsson, um morador do telhado de seu prédio. Karlsson é um homenzinho muito confiante. Apesar de criar várias confusões, ele não perde a pose e acha que é o melhor do mundo em tudo! E para Lillebror, sem dúvida ele é o melhor companheiro de brincadeiras. Os dois vivem aventuras no telhado, fazem shows de mágica, se disfarçam de fantasma e brincam até de mamãe e filhinho. Mas será que essa figura tão particular existe mesmo? Ou Karlsson é fruto da imaginação de Lillebror?

Reimpressões

A grande história da evolução, Richard Dawkins
A varanda do Frangipani (nova capa), Mia Couto
Antes de nascer o mundo (nova capa), Mia Couto
Ética, Fabio Konder Comparato
Foe, J. M. Coetzee
O continente – Vol. 2, Erico Verissimo
O último voo do flamingo (nova capa), Mia Couto
Poemas escolhidos, Mia Couto
Uma menina está perdida no seu século à procura do pai, Gonçalo M. Tavares
O livro dos porquês, Vários autores
Cisnes selvagens (edição de bolso), Jung Chang
O homem duplicado (edição de bolso), José Saramago
Orações de Nossa Senhora, Carolina Chagas
Os desafios à força de vontade, Kelly McGonigal
Foco, Daniel Goleman
O erro, Elle Kennedy
Dez dias que abalaram o mundo, John Reed
O retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde

Semana duzentos e quarenta e oito

lancblog

Compatriotas, de Bo Lidegaard (tradução de Luiz A. de Araujo)
Em 1943, o povo dinamarquês se uniu para salvar seus compatriotas de ascendência ou religião judaica. Contra a ordem dos nazistas, ninguém iria ajudar a prendê-los ou deportá-los. Durante catorze dias, os membros da comunidade israelita foram protegidos por quem se dispôs a escudá-los. Nada menos que 7742 dos 8200 refugiados foram levados secretamente para a Suécia. Escrito a partir da pesquisa profunda e inédita de um historiador, Compatriotas é um relato de glória, coragem e força moral, que torna mais complexa a história da Segunda Guerra e demonstra como uma pequena democracia conseguiu se levantar contra o Terceiro Reich.

A estetização do mundo — Viver na era do capitalismo artista, de Gilles Lipovetsky e Jean Serroy (tradução de Eduardo Brandão)
O estilo, o design e a beleza se impõem a cada dia como imperativos estratégicos das marcas, apelando ao imaginário e à emoção dos consumidores. No design, na moda, no cinema, produtos carregados de sedução são criados em massa. Arte e mercado nunca antes se misturaram tanto, inflando a experiência contemporânea de valor estético. Gilles Lipovetsky, autor dos incontornáveis O império do efêmero e O luxo eterno, investiga com o crítico de arte Jean Serroy esse oximoro da atualidade: o capitalismo artista.

Seguinte

A cidade murada, de Ryan Graudin (tradução de Guilherme Miranda)
Hak Nam é uma cidade murada de ruas estreitas e sujas, onde vivem traficantes, assassinos, prostitutas e ladrões. É também onde mora Dai, um garoto cujo passado o assombra e o mantém preso naquele lugar horrível. Para alcançar a liberdade, ele terá de se envolver com a principal gangue ali dentro e formar uma dupla com alguém que consiga entregar drogas muito, muito rápido. Alguém como Jin, uma garota ágil e esperta que finge ser um menino para conseguir sobreviver e continuar a busca por sua irmã, Mei Yee. Confinada num bordel, Mei Yee está mais perto do que Jin imagina. Ela passa os dias sonhando em fugir… até que Dai cruza seu caminho. Inspirado na cidade murada de Kowloon, que existiu em Hong Kong até os anos 1990, este romance lírico e ao mesmo tempo cheio de adrenalina a luta desses três jovens, que, unidos pelo destino, tentam escapar da Cidade Murada para recomeçar a vida bem longe dali.