salman rushdie

10 livros estrangeiros lançados (até agora) em 2016

Já chegamos na metade de 2016, e são tantos livros lançados a cada mês que fica até difícil lembrar de tudo o que você quer ler, certo? Se você deixou alguma novidade escapar, não se preocupe: selecionamos dez livros lançados até agora que merecem entrar na sua lista de futuras leituras. Nesta primeira lista, vamos falar dos lançamentos estrangeiros. Confira! :)

1) Isso também vai passarde Milena Busquets (tradução de Joana Angélica d’Avila Melo)

issotambem

O romance da espanhola Milena Busquets se transformou num sucesso internacional, chegando aqui no Brasil em fevereiro. Neste livro, o leitor acompanha uma narradora que vive o luto pela morte da mãe durante um verão em Cadaqués. Diante da ausência da mãe, restam as memórias de tudo o que a narradora viveu ao lado de quem a trouxe à vida, e o desejo de reafirmar a existência por meio do sexo, do convívio com as amigas, dos filhos e dos homens do passado. Milena Busquets combina profundidade e leveza para falar de temas universais como a dor, o amor, o medo, o desejo, a tristeza, o riso, a desolação e a beleza.

2) Romances de Patrick Melrosede Edward St. Aubyn (tradução de Sara Grünhagen)

patrick

Edward St. Aubyn vem de uma família inglesa de “pedigree”, cujas origens nobres remontam ao século XVII. Ele cresceu em Londres e viveu a separação dos pais quando ainda era criança, e logo foi mandado para um colégio interno de elite. Seu vício em heroína desde muito jovem, assim como a conturbada história familiar, inspiraram em grande medida a vida do protagonista de seu ciclo de romances, Patrick Melrose. Lançado no Brasil em fevereiro, o primeiro volume de Romances de Patrick Melrose reúne três dos cinco livros deste ciclo: Não importaMás notíciasAlguma esperança. Alternando cenas de profunda angústia e tragédia com momentos hilários, os livros dissecam a classe alta inglesa ao narrar a história de Patrick, dos abusos na infância ao vício e, por fim, à reabilitação.

3) As meninas ocultas de Cabul, de Jenny Nordberg (tradução de Denise Bottmann)

meninasocultas

Durante cinco anos de pesquisas no Afeganistão, a repórter Jenny Nordberg descobriu que algumas famílias criam suas filhas como se fossem meninos, tentando fazer com que a comunidade acredite que as crianças são de fato do sexo masculino. A prática, conhecida como “bacha posh”, foi revelada por Jenny em reportagem de grande repercussão no New York Times. Neste livro, lançado em março, ela mostra em detalhe os horrores de um ambiente machista, e faz um alerta para a comunidade internacional sobre um crime que nenhum relativismo cultural é capaz de atenuar.

4) Dois anos, oito meses e 28 noites, de Salman Rushdie (tradução de Donaldson M. Garschagen)

doisanos

Em março lançamos mais um livro de Salman Rushdie, autor de Os versos satânicos. Dois anos, oito meses e 28 noites — que, para quem fizer as contas, corresponde a mil e uma noites — é um romance de tirar o fôlego e um testamento duradouro sobre o poder da ficção, as relações humanas e a nossa ancestralidade. Depois de uma tempestade em Nova York, fatos estranhos começam a ocorrer. Um jardineiro percebe que seus pés não tocam mais o chão. Um quadrinista acorda ao lado de um personagem que parece um de seus desenhos. Ambos são descendentes dos djins, figuras mágicas que vivem num mundo apartado do nosso por um véu invisível. Séculos atrás, Bunia, princesa dos djins, apaixonou-se por um filósofo. Juntos, tiveram filhos que se espalharam pelo mundo humano. Quando o véu é rompido, tem início uma guerra que se estende por mil e uma noites.

5) Uma história de solidão, de John Boyne (tradução de Henrique de Breia e Szolnoky)

solidao

O mais recente romance adulto de John Boyne, lançado em janeiro, aborda com extrema delicadeza o tema dos abusos sexuais na Igreja católica. Uma história de solidão acompanha a vida de Odran Yates, um garoto irlandês nascido nos anos 1950 que cresce em uma família disfuncional e entra para a vida eclesiástica. Da ingenuidade dos primeiros anos de colégio à descoberta dos segredos mais bem guardados da Igreja, o padre Odran Yates descreve uma Irlanda repleta de contradições e ódio por trás de um projeto social baseado nos bons costumes e vive a decadência de seu ofício, que, diante de tantas denúncias de abuso sexual, passa a ser visto com desconfiança. O padre tenta fazer um acerto de contas com a própria consciência, depois de ter sido convencido de que era inocente demais para entender o que ocorria ao seu redor.

6) Campos de sangue, de Karen Armstrong (tradução de Rogério W. Galindo)

campos

A ideia de que a fé pode ser fonte de violência e intolerância vem crescendo nas últimas décadas, especialmente após o Onze de Setembro. Mas seria uma visão precisa da realidade? Neste estudo, Karen Armstrong investiga as grandes tradições religiosas em busca de respostas, e nos conduz a uma viagem pela história das maiores religiões do mundo. Amparado na vasta erudição da autora e no seu compromisso em promover a empatia entre os povos, Campos de sangue mostra que a religião não é a causa de nossos problemas.

7) Pureza, de Jonathan Franzen (tradução de Jorio Dauster)

pureza

Em 2016 também lançamos o novo livro de Jonathan Franzen, um dos maiores autores norte-americanos da atualidade. Em Pureza, acompanhamos a história da jovem Pip Tyler. Ela sabe que seu nome verdadeiro é Purity, que está atolada em dívidas, que está dividindo um apartamento com anarquistas e que a sua relação com a mãe vai de mal a pior. Coisas que ela não sabe: quem é seu pai, por que a mãe a força a uma vida reclusa, por que tem um nome inventado e como ela vai fazer para levar uma vida normal. Um breve encontro com um ativista alemão leva Pip à América do Sul para um estágio numa organização que contrabandeia segredos do mundo inteiro — inclusive sobre sua misteriosa origem. Pureza é uma história sobre idealismo juvenil, lealdade e assassinato.

8) Meu nome é Lucy Barton, de Elizabeth Strout (tradução de Sara Grünhagen)

lucybarton

Lançado agora em junho, Meu nome é Lucy Barton acaba de ser selecionado para concorrer ao Man Booker Prize 2016. O romance é narrado por Lucy Barton, uma escritora bem-sucedida que está há três semanas num hospital se recuperando das complicações de uma simples operação para extrair o apêndice. Sofrendo de saudade das filhas e do marido, ela recebe uma visita inesperada da mãe, com quem não falava havia anos. Nas cinco noites que passa com a mãe, a narradora convalescente lança um olhar aguçado e humano, sem sentimentalismos, para os acontecimentos centrais de sua vida: o isolamento e a pobreza dos anos da infância, o distanciamento de um núcleo afetivo desestruturado, a luta para se tornar escritora, o casamento e a maternidade.

9) Voltar para casa, de Toni Morrison (tradução de José Rubens Siqueira)

voltar

Uma das mais celebradas romancistas dos Estados Unidos, a Nobel de Literatura Toni Morrison expande seu olhar sobre a história norte-americana do século XX em Voltar para casa, uma narrativa de violência, amor e redenção. Frank Money volta da Guerra da Coreia vivendo em profundo conflito com seus fantasmas, perturbado pela enorme culpa de ser um sobrevivente e pelas atrocidades que cometeu. Ao se deparar com um país racista e segregado, ele reluta em voltar à sua cidade natal na Geórgia, onde deixou dolorosas memórias de infância e a pessoa que lhe é mais querida, a irmã Ycidra. Ci sobreviveu como pôde aos anos de ausência do irmão, numa sociedade machista e opressiva em que as mulheres não têm vez, são sistematicamente abandonadas pelos maridos e muitas vezes mutiladas sem piedade. Nesse mundo desfigurado, ao se reencontrarem no caminho de volta para casa, os irmãos poderão enfim ressignificar seu passado e voltar a ver com esperança o futuro.

10) Atlas de nuvens, de David Mitchell (tradução de Paulo Henriques Britto)

atlas

E encerramos com um lançamento deste mês: Atlas de nuvens! Neste que é um dos romances mais cultuados do nosso tempo, David Mitchell combina o gosto pela aventura, o amor por quebra-cabeças e o talento para a especulação científica conduzindo o leitor por seis histórias que se encontram no tempo e no espaço, criando um jogo de bonecas russas que explora com maestria questões fundamentais de realidade e identidade. O livro, adaptado para os cinemas em 2012 e protagonizado por Tom Hanks, finalmente está nas livrarias brasileiras!

 

De como Cervantes e Shakespeare escreveram o manual de literatura moderna

Por Salman Rushdie

Processed with VSCO with x4 preset

Texto originalmente publicado na NewStatesman. Tradução de Carlos Alberto Bárbaro. 

Ao celebrarmos o quadricentésimo aniversário das mortes de William Shakespeare e Miguel de Cervantes Saavedra, talvez valha observar que, embora seja geralmente aceito que esses dois gigantes morreram na mesma data, a 23 de abril de 1616, isso não aconteceu de fato no mesmo dia. Em 1616, a Espanha passara a usar o calendário gregoriano, enquanto a Inglaterra continuava com o juliano, portanto, onze dias atrás. (A Inglaterra ainda se aferraria ao antigo sistema juliano de datação até 1752, e quando finalmente se deu a troca, houve levantes e, conta-se, turbas gritando “Devolvam nossos onze dias!” nas ruas.) É de supor que a coincidência das datas e a diferença dos calendários teria encantado as sensibilidades eruditas e lúdicas de ambos os pais da moderna literatura.

Desconhecemos se chegaram a tomar conhecimento da existência um do outro, mas tinham muito em comum, a começar bem ali, na zona do “desconhecimento”, visto os dois serem homens envoltos em mistério; há anos em que não se encontra registro algum deles e, ainda mais significativo, documentos desaparecidos. Nenhum deles nos legou material pessoal em quantidade suficiente. Quase nada em forma de cartas, diários de trabalho ou rascunhos rejeitados, apenas suas colossais obras completas. “O resto é silêncio.” Não surpreende, assim, que tenham se tornado presas para todo tipo de teorias energúmenas que buscam estabelecer sua autoria.

Uma busca rápida na internet, por exemplo, “revela” que Francis Bacon não só escreveu as obras de Shakespeare, como também o Dom Quixote. (Minha teoria louca favorita sobre Shakespeare é a de que suas peças não foram escritas por ele, mas por outra pessoa com o mesmo nome.) E, claro, Cervantes teve sua autoria contestada no decurso mesmo de sua vida, quando alguém com o pseudônimo de Alonso Fernández de Avellaneda, de quem também não se sabe a verdadeira identidade, publicou uma falsa continuação do Dom Quixote, obrigando Cervantes a escrever o verdadeiro Livro II, cujos personagens têm ciência da existência do plagiador Avellaneda, desprezando-o absolutamente por isso.

É quase certo que Cervantes e Shakespeare jamais se encontraram, mas quanto mais se examina as páginas que os dois deixaram para trás, mais ecos de um no outro se ouve. O primeiro deles, e no que me diz respeito à ideia compartilhada mais preciosa, é a crença de que uma obra literária não tem que ser particularmente cômica, trágica, romântica ou política, mas sim que, se concebida apropriadamente, ser todas essas coisas ao mesmo tempo.

Basta ver as cenas de abertura de Hamlet. A cena 1 do ato 1 é uma história de fantasmas. “E então, isso tudo é só mera fantasia?”, pergunta Bernardo a Horácio, e é claro que a peça é muito mais que aquilo. A cena 2 do ato 1 insere a intriga na corte de Elsinore: o príncipe erudito e furioso, sua mãe recém-viúva prometida em casamento ao tio (“Ó pressa ignóbil, se jogar/Com tanta rapidez no leito incestuoso!”). Ato 1, cena 3, e eis Ofélia, contando ao dúbio pai, Polônio, o começo do que irá ser uma triste história de amor: “Senhor, ele tem feito ultimamente ofertas/Mostrando sua afeição por mim.” Ato 1, cena 4, voltamos à história de fantasmas e “há algo de podre no Estado da Dinamarca”.

À medida que a peça avança, ela vai se metamorfoseando, tornando-se, alternadamente, uma história de suicídio, de assassinato, de conspiração política e de uma trágica vingança. Tem seus momentos cômicos e uma peça dentro da peça. Contém ainda exemplos da mais elevada poesia jamais escrita em inglês, terminando em melodramáticas poças de sangue.

Foi a isso que chegamos após a herança do Bardo: ao conhecimento de que uma obra pode ser tudo a um só tempo. A tradição francesa, mais rígida, separa tragédia (Racine) e comédia (Molière). Shakespeare mistura tudo, e assim, graças a ele, nós também.

Em célebre ensaio, Milan Kundera sugere uma dupla paternidade para a forma romance: a Clarissa, de Samuel Richardson, e o Tristram Shandy, de Laurence Sterne; entretanto, essas duas volumosas e enciclopédicas obras de ficção revelam a influência de Cervantes. O tio Toby e o cabo Trim de Sterne são abertamente moldados no Sancho Pança do Quixote, e o realismo de Richardson é enormemente tributário do desmascaramento empreendido por Cervantes da tola tradição literária medieval cujas ilusões mantêm Dom Quixote agrilhoado. Na obra-prima de Cervantes, à semelhança do que ocorre na obra de Shakespeare, baixezas coexistem com nobreza, pathos e emoção com obscenidades e escabrosidades, culminando no momento infinitamente emotivo em que o mundo real se impõe e o Cavaleiro da Triste Figura reconhece que tem sido um tolo, um velho louco, “pois águas passadas não movem moinhos”.

São dois escritores conscientes do que fazem, modernos de um jeito que a maioria dos mestres modernos reconheceria; um, criando peças de teatro que são altamente conscientes de sua teatralidade, de estarem sendo encenadas; o outro, criando uma ficção que é agudamente consciente de sua natureza ficcional, ao ponto mesmo de inventar um narrador imaginário, Cide Hamete Benengeli — um narrador, curiosamente, com antepassados árabes.

E os dois têm também a mesma consideração, uma adesão, de fato, pelos marginais como pelos ideais elevados; a sua galeria de patifes, prostitutas, punguistas e bêbados sentir-se-iam em casa nas tavernas um do outro. É esse aspecto terreno que revela serem os dois realistas no maior sentido, mesmo quando estão posando de fantasistas, e dessa forma, uma vez mais, nós, os que viemos depois, podemos aprender a partir deles que a magia não tem sentido senão quando a serviço do realismo — terá havido algum mágico mais realista que Próspero? — e que o realismo pode se beneficiar de uma dose saudável do fabulista. Por fim, a despeito de ambos empregarem tropos originários de contos populares, do mito e da fábula, eles se recusam a moralizar, e é aí, acima de tudo, que são mais modernos que os muitos que se seguiram a eles. Eles não nos dizem o que pensar ou o que sentir, mas nos mostram como fazê-lo.

Dos dois, é Cervantes o homem de ação, lutando em batalhas, sendo gravemente ferido, perdendo o uso de sua mão esquerda, sendo escravizado por corsários argelinos durante cinco anos até sua família conseguir levantar o dinheiro para pagar por seu resgate. A experiência de Shakespeare foi desprovida desse lances dramáticos; apesar disso, dos dois, ele parece ter sido o escritor com interesse maior na guerra e em seus soldados. Otelo, Macbeth, Lear são todas histórias de homens em guerra (guerra interior, por certo, mas também nos campos de batalha). Cervantes fez uso de suas dolorosas experiências, por exemplo, no conto do escravo, no Quixote, e em um par de peças teatrais, mas a batalha em que Dom Quixote se engaja é — para empregar termos modernos — absurda e existencial antes que “real”. Estranhamente, coube ao guerreiro espanhol escrever sobre a cômica futilidade de ir à guerra e criar a poderosa figura icônica do guerreiro como tolo (aqui logo vêm à mente o Heller de Ardil-22 ou o Vonnegut de Matadouro 5, somente para citar as mais recentes explorações do tema), enquanto a imaginação do poeta e dramaturgo inglês mergulhou de cabeça (como Tolstói e Mailer) na guerra.

Em suas diferenças, eles encarnam oposições extremamente contemporâneas, do mesmo modo que, em suas similaridades, eles concordam em muito do que ainda hoje é útil a seus herdeiros.

* * *

Até o dia 25 de abril, o box de Dom Quixote, as peças de Shakespeare editadas pela Companhia das Letrinhas e a biografia Shakespeare: o mundo é um palco estão em promoção em nosso site.

* * * * *

Salman Rushdie nasceu em Bombaim, na Índia, em 1947. Em 1968 formou-se em história no King’s College, em Cambridge. Depois de uma breve carreira como ator, passou a dedicar-se à literatura em 1971. Seu romance Os filhos da meia-noite ganhou o prestigioso Booker Prize (1981), o Booker of Bookers (1993) e o Best of the Booker (2008). Já Os versos satânicos (1988) valeu-lhe o Whitbread Prize e uma sentença de morte, promulgada pelo aiatolá Khomeini. Seu livro mais recente, Dois anos, oito meses e 28 noites, foi publicado no Brasil agora em abril.

Semana duzentos e noventa e um

Terra Negra, Timothy Snyder (Tradução de Donaldson M. Garschagen e Renata Guerra)
Neste épico de extermínio e sobrevivência, Timothy Snyder apresenta uma nova explicação sobre o Holocausto e revela os riscos que corremos no século XXI. Com base em novas fontes e testemunhos, Terra negra descreve o extermínio de judeus como um evento mais compreensível do que gostaríamos de admitir, e por isso mais aterrorizante. O início do século XXI se parece com o início do século XX na medida em que preocupações crescentes com alimentos e água acompanham desafios ideológicos à ordem global. Nosso mundo se aproxima do de Hitler, e preservá-lo pede que encaremos o Holocausto como ele foi. Inovador e envolvente, Terra negra revela um Holocausto que não é apenas história, mas também advertência.

As meninas de Cabul, Jenny Nordberg (Tradução de Denise Bottmann)
Durante cinco anos de pesquisas no Afeganistão, a repórter Jenny Nordberg descobriu que algumas famílias criam suas filhas como se fossem meninos, tentando fazer com que a comunidade acredite que as crianças são de fato do sexo masculino. A prática, conhecida como “bacha posh”, foi revelada por Jenny em reportagem de grande repercussão no New York Times. Embora o Talibã tenha deixado o poder em 2001, muito do que aquela milícia fundamentalista acreditava sobre as mulheres continua em voga. Este livro mostra em detalhe os horrores de um ambiente machista, e serve de alerta para a comunidade internacional sobre um crime que nenhum relativismo cultural é capaz de atenuar.

Dois anos, oito meses e 28 noites, Salman Rushdie (Tradução de Donaldson M. Garschagen)
Depois de uma tempestade em Nova York, fatos estranhos começam a ocorrer. Um jardineiro percebe que seus pés não tocam mais o chão. Um quadrinista acorda ao lado de um personagem que parece um de seus desenhos. Ambos são descendentes dos djins, figuras mágicas que vivem num mundo apartado do nosso por um véu invisível. Séculos atrás, Bunia, princesa dos djins, apaixonou-se por um filósofo. Juntos, tiveram filhos que se espalharam pelo mundo humano. Quando o véu é rompido, tem início uma guerra que se estende por mil e uma noites — ou dois anos, oito meses e vinte e oito noites. Mais uma vez, Salman Rushdie cria uma obra prima sobre os conflitos ancestrais que permanecem no mundo contemporâneo.

Sim, eu digo sim, Caetano Waldrigues Galindo
Depois de publicar Ulysses, James Joyce disse que a receita para se tornar imortal era simples: bastava manter os críticos literários ocupados por décadas a fio. Foi a partir dessa ideia que Caetano Galindo, cuja tradução do Ulysses venceu os prêmios Jabuti, APCA e da Academia Brasileira de Letras, pensou neste guia. O leitor conhecerá melhor os passos de Bloom, Stephen e Molly naquele 16 de junho de 1904, mas também irá aprender sobre a própria natureza do romance e mais dezenas de assuntos que povoam essas páginas. Irá, sobretudo, ter um contato privilegiado com a leitura de um dos maiores especialistas em Joyce no Brasil, uma leitura calorosa, erudita e, mais que tudo, surpreendente.

Memória por correspondência, Emma Reyes (Tradução de Hildegard Feist)
Em 23 cartas enviadas entre 1969 e 1997 a seu amigo e confidente Germán Arciniegas, a artista plástica Emma Reyes relata as adversidades que viveu durante sua infância na Colômbia. Emma era filha ilegítima e, nesta autobiografia epistolar, conta desde suas lembranças mais antigas até o momento em que deixou o convento onde passou sua juventude, sem ao menos saber ler. Estes textos não só expõem um belíssimo relato pessoal, mas também descrevem o contexto da sociedade colombiana na década de 1930. Emma Reyes foi vítima de uma sociedade hipócrita e do mundo sombrio das comunidades religiosas, mas isso não impediu que ela construísse uma reconhecida carreira artística na França quando adulta.

Companhia das Letrinhas

A inacreditável história de 2 crianças perdidas, Jean-Claude R. Alphen
Gilda vivia aprisionada por um Ogro horrível. Era sempre muito obediente, porque não queria ser devorada. Godofredo também estava preso com uma Bruxa horrorosa. Ele tinha que fazer tudo que ela pedia e não tinha sossego nunca. Os dois não aguentam mais, vão ter que bolar um plano e juntar coragem para sair dessa situação, ou melhor, fugir!

Será que divido meu sorvete?, Mo Willems (Tradução de Liciane Côrrea)
O elefante Geraldo adora sorvete! Será que ele deve saborear sozinho seu doce predileto ou fazer uma surpresa para a Porquinha, dividindo com ela sua guloseima? Bem, talvez a Porquinha não goste daquele sabor… Por outro lado, um sorvete certamente vai deixá-la muito contente. Geraldo tem que tomar logo uma decisão, antes que o sorvete derreta! Mais uma divertida história para os pequenos leitores sobre a amizade, em que as ilustrações e o texto de Mo Willems se complementam, criando uma narrativa repleta de possibilidades de interpretação.

Meu amigo está triste, Mo Willems (Tradução de Luara França)
O elefante Geraldo está muito triste. A Porquinha não sabe o porquê, mas resolve fazer alguma coisa para ajudá-lo. Quem sabe arrumar uma fantasia bem divertida com os personagens que seu melhor amigo mais gosta não ajudaria? Ela tenta um robô, um palhaço, um caubói… e nada. Quando a Porquinha não sabe mais o que inventar, algo inesperado acontece. A solução para a tristeza de Geraldo vai fazer até os elefantes mais pessimistas sorrirem.

9 livros que fazem aniversário em 2016

Em 2016, a Companhia das Letras completa 30 anos, e claro que algumas de nossas edições mais clássicas também fazem aniversário! A seguir, confira uma lista de obras publicadas pela editora que completam 30 e 20 anos de lançamento.

1. Poemas, de W.H. Auden

poemas

Você deve lembrar da edição bilíngue de Poemas publicada em 2013. Mas a reunião dos 50 principais poemas de W. H. Auden foi um dos primeiros livros da Companhia das Letras, lançado em 1986. Auden é um dos mais importantes autores ingleses do século XX, e o livro reúne desde textos escritos em 1927, quando ele primeiro definiu publicamente suas posições estéticas no que ficou conhecido como “O Manifesto de Oxford Poetry”, até aqueles que datam de 1973, ano da morte do poeta. O volume procura “abarcar, na medida do possível, as várias fases da obra poética de Auden, que foi um poeta prolífico”, conforme declara João Moura Jr., o responsável pela seleção dos textos.

2. Rumo à Estação Finlândia, de Edmund Wilson

Rumo a estacao FInlandia

Um estudo sobre os homens que fizeram a História. Ou um estudo sobre os homens que escreveram a História. Ou ambos. Rumo à Estação Finlândia também foi uma das primeiras obras publicadas pela Companhia das Letras em 1986. Enquanto amplia e problematiza o estudo da revolução soviética, Wilson desenvolve, como pano de fundo, uma trama em que personagens históricas, suas vidas, suas ideias e suas práticas compõem um todo complexo e contraditório, dinâmico e envolvente.

3. Tudo que é sólido desmancha no ar, de Marshall Berman

solido

Ensaio histórico e literário, este livro de Marshall Berman é uma aventura intelectual clara, concisa e brilhante publicada pela Companhia das Letras pela primeira vez há 30 anos. Disponível atualmente na nossa coleção de bolso, Tudo que é sólido desmancha no ar constitui uma instigante sucessão de leituras originais e reveladoras de autores e suas épocas, a começar pelo Fausto de Goethe, passando pelo Manifesto de Marx e Engels, pelos poemas em prosa de Baudelaire, pela ficção de Dostoiévski, até as vanguardas artísticas contemporâneas.

4. O último suspiro do mouro, de Salman Rushdie

salman

Em 1988 o aiatolá Khomeini condenou Salman Rushdie à morte por ter escrito um livro que desagradou aos fundamentalistas islâmicos, Os versos satânicos. A resposta do autor foi este romance. O último suspiro do mouro, lançado há 20 anos no Brasil, é uma defesa contundente das virtudes do pluralismo e da tolerância, em oposição às pretensas verdades únicas e excludentes.

5. Fima, de Amós Oz

amoz

Com graça, agudeza e conhecimento profundo da alma humana, Amós Oz traça em Fima o retrato de um homem e de uma geração que teve sonhos nobres e generosos, mas é incapaz de fazer alguma coisa. A edição publicada em 1996 ainda está disponível nas livrarias.

6. Tristes trópicos, de Claude Lévi-Strauss

tropícos

Narrativa de viagem ou ensaio de ciência? O Brasil que se revela em Tristes trópicos está muito além da provinciana cidade de São Paulo. Lançado em 1996 (e ainda nas livrarias), o livro de Claude Lévi-Strauss não é só um clássico da etnologia e dos “estudos brasileiros”, mas uma obra universal, sem fronteiras, sobre a crise do processo civilizatório na modernidade.

7. Amor, de novo, de Doris Lessing

Amor

Romance repleto de alusões filosóficas e literárias, em Amor, de novo Doris Lessing investiga as raízes profundas do amor e do desejo na psicanálise, partindo do princípio de que os desejos e anseios de uma pessoa apaixonada têm suas raízes nas necessidades de amor da primeira infância. Publicado em 1996, o romance está disponível na coleção Prêmio Nobel.

8. O silêncio da chuva, de Luiz Alfredo Garcia-Roza

chuva

Vencedor do prêmio Jabuti de melhor romance em 1997, O silêncio da chuva foi a estreia na literatura do inspetor Espinosa, que se tornou um clássico dos romances policiais brasileiros – ganhando até série na TV. Lançado há 20 anos, neste romance ele investiga o assassinato de um executivo encontrado morto com um tiro, sentado ao volante de seu carro. Além do tiro, único e definitivo, não há outros sinais de violência. Os possíveis protagonistas do crime só aumentam, e tudo se complica quando ocorre outro assassinato e pessoas começam a sumir.

9. O mundo assombrado pelos demônios, Carl Sargan

assombrado

Assombrado com as explicações pseudocientíficas e místicas que ocupam cada vez mais os espaços dos meios de comunicação, Carl Sagan reafirma o poder positivo e benéfico da ciência e da tecnologia para iluminar os dias de hoje e recuperar os valores da racionalidade no livro publicado em 1996.

London Calling

Por Tony Bellotto


Christopher Hitchens e Salman Rushdie com busto de Voltaire.

Confesso que nunca tinha lido nada do Salman Rushdie até o final do ano passado, quando li Joseph Anton: memórias, que narra a experiência do escritor durante os anos em que viveu escondido e sob proteção policial, depois de sua condenação à morte pelo abominável aiatolá Khomeini.

Joseph Anton — o codinome escolhido por Salman para enfrentar a forçada clandestinidade, inspirado por dois de seus ídolos literários, Joseph Conrad e Anton Tchekhov — é um livro delicioso, da estirpe dos que não se consegue largar, uma reflexão preciosa sobre a liberdade (e a falta dela) num mundo confuso em que barbárie e obscurantismo desfilam como um casal charmoso de monarcas up to date.

Em Joseph Anton, Salman afirma que o apoio dos amigos foi fundamental para que sobrevivesse à angústia do desterro surreal. Entre eles encontram-se três figuras destacadas da literatura e do jornalismo britânicos: Martin Amis, Ian McEwan e Christopher Hitchens.

Nas trevas, os bons companheiros se aproximam de Salman com as potentes lanternas da razão e da solidariedade, acendem a fogueirinha (nunca usando livros como lenha), cantam velhas canções dos Rolling Stones e bebem algumas garrafas de uísque antes que o sol nasça de novo (devem ter cantado também “Here Comes The Sun”, dos Beatles).

Gosto de deixar que livros que me impressionam orientem minhas próximas leituras. Portanto, para mim o ano começa com um sabor de London Calling (apesar das temperaturas saarianas do verão carioca).

Além de Os versos satânicos (que pretendo ler em breve ), termino de ler Hitch-22, uma autobiografia impiedosa e divertida de Christopher Hitchens — nos picos de seu estilo verborrágico, irônico e digressivo —, e já acabei de ler Grana, de Martin Amis, um romance de 1984 (alguém pensou em George Orwell?) que transborda cinismo com a acuidade de uma prosa que pode ser definida como Vladimir Nabokov viajando de ácido.

Do Ian McEwan o último que li acho que foi Solar, mas Serena já está taxiando no tapete.

London calling to the faraway towns
Now war is declared and battle come down
London calling to the underworld
Come out of the cupboard, you boys and girls!

Pressinto um ano de muitos combates e altas temperaturas.

* * * * *

Tony Bellotto, além de escritor, é compositor e guitarrista da banda de rock Titãs. Seu livro mais recente, No buraco, foi lançado pela Companhia das Letras em setembro de 2010.

1234