sarah dessen

Semana trezentos e sete

Companhia das Letras

Farewell, de Carlos Drummond de Andrade
Publicado em 1996, Farewell é um livro póstumo de poemas de Carlos Drummond de Andrade. Mesmo tendo sido lançado nove anos após a morte do autor, esta é uma obra fundamental que toca em temas centrais da poética do escritor mineiro: o tempo, o amor, a brevidade da vida, a família, o encantamento pelos cinco sentidos. A melancolia de mãos dadas com o humor gauche, algo canhestro. A suave metafísica e a ironia delicada. Minas e o vasto mundo. Depuração de uma carreira exemplar e rara em nossas letras, Farewell reafirma, com a sensibilidade característica de seu autor, o percurso formal e ético de Carlos Drummond de Andrade.

Poemas escolhidos, de Mia Couto
O escritor moçambicano Mia Couto tem grande incursão na prosa, com livros de contos, crônicas e romances premiados, mas a poesia sempre fez parte de seu universo criativo e segue como uma de suas formas de expressão favoritas. Para esta antologia poética, o autor selecionou poemas de seus livros Idades cidades divindades, Raiz de orvalho e outros poemas e Tradutor de chuvas.

Seguinte

Uma canção de ninarde Sarah Dessen (tradução de Flávia Souto Maior)
Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem está saindo se aproxima demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Tanta desilusão não é para menos: ela cresceu assistindo os fracassos dos relacionamentos de sua mãe, que já vai para o quinto casamento. Então como Dexter consegue fazer a garota quebrar esse padrão, se envolvendo pra valer? Ele é tudo que ela odeia: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, membro de uma banda, como o pai de Remy — que abandonou a família antes do nascimento da filha, deixando para trás apenas uma música de sucesso sobre ela. Remy queria apenas viver um último namoro de verão antes de partir para a faculdade, mas parece estar começando a entender aquele sentimento irracional de que falam as canções de amor…

Suma de Letras

Guia astrológico para corações partidos, de Silvia Zucca (tradução de Joana Angélica D’Avila Melo)
Quando Alice recebe, na mesma semana, a notícia de que seu ex vai se casar e de que a empresa onde trabalha contratou um consultor chamado David Nardi para avaliar e demitir parte do pessoal, ela tem certeza de que está vivendo um inferno astral. E tem razão. Tito, seu melhor amigo e superentendido de astrologia, jura que é um péssimo momento para ser de Libra, mas que as estrelas também estão lá para nos dizer os dias mais auspiciosos para a esfera profissional ou para encontrarmos nossa alma gêmea. Embora cética, Alice decide apostar nas dicas de seu guia astrológico, mas, estranhamente, a astrologia não a protege de encontros péssimos, decepções terríveis e algumas pequenas surpresas emocionantes. Por exemplo: por que David lhe parece cada vez mais interessante, se seus quadros astrológicos são a combinação para um desastre?

Companhia das Letrinhas

Marco queria dormir, de Gabriela Keselman (ilustrações de Noemí Villamuza e tradução de Mell Brites)
À noite, parece que tudo se transforma: o que é pequeno fica grande, o que é concreto vira abstrato e as coisas são engolidas pela escuridão. Era por isso que Marco não conseguia dormir. Para ajudá-lo, sua mãe tenta de tudo: cria um traje antimosquitos, escreve uma carta à Lua, arranja um bastão de escalada para manter o filho firme na cama… Mas será que Marco precisava mesmo de tudo isso? Às vezes, o que está faltando para uma noite tranquila é algo mais simples, que não tem forma nem cor, mas muda alguma coisa dentro da gente.

Entrevista com Sarah Dessen

sarah

Em 2015, a Editora Seguinte publicou Os bons segredos, um livro cheio de descrições gastronômicas que acompanha a história de Sydney, uma garota que sempre se sentiu ofuscada pelo irmão (mesmo após ele ser condenado à prisão por atropelar um garoto), mas aos poucos encontra aceitação junto a um novo grupo de amigos que a enxerga como ela é.

O livro foi escrito por Sarah Dessen, autora americana que já vendeu mais de 8 milhões de exemplares ao redor do mundo e é considerada um dos maiores destaques da literatura jovem adulta contemporânea.

Como vários blogueiros têm lido e resenhado Os bons segredos, resolvemos chamar alguns deles para entrevistar a autora. Veja as respostas:

1. Para você, o que torna Os bons segredos especial em relação aos seus trabalhos anteriores? Você tem alguma preocupação quando começa a escrever um novo livro?— Priscylla Plauto (Três Coisas) & Aymée Meira (Macchiato)

Os bons segredos é especial para mim por vários motivos, mas um dos principais é que talvez seja o livro mais ambicioso que escrevi nos últimos tempos. É uma história sobre família e amizade, mas também tem um romance importante. Há várias peças em jogo, o que às vezes dificultava a escrita. Mas tenho muito orgulho da história de Sydney.

O que mais me preocupa quando começo a escrever é 1) não terminar; e 2) não conseguir fazer jus à minha ideia original. Em Os bons segredos, sinto que cumpri esses dois quesitos. Pra mim já é suficiente!

2. De quais autores você mais gosta e quais mais te inspiram a escrever seus livros? — Lucas Duarte (Capa e Título)

Eu cresci lendo muitos autores americanos sulistas, como Harper Lee, Lee Smith e Kaye Gibbons. Eu adorava o fato de que as histórias eram sobre cidades pequenas, mas ainda assim tinham muitas camadas e vozes diferentes. Também amo muito A Prayer for Owen Meany, de John Irving. É meu livro preferido, um dos únicos que reli várias vezes. Cada vez que leio encontro algo novo, diferente e significativo. Para mim, isso é o que caracteriza um bom livro.

3. Uma das coisas mais marcantes em seus livros são as reflexões que eles geram. É tocante vê-la abordando temas tão complexos e, infelizmente, reais no dia a dia dos jovens. Por isso, gostaria de saber qual das suas histórias foi a mais dolorosa de escrever (exatamente por causa da complexidade dos temas abordados). — Paola Aleksandra (Livros & Fuxicos)

Considerando a complexidade dos temas, acho que Just Listen e Dreamland foram os mais difíceis de escrever. Os enredos envolvem abuso sexual e violência doméstica, respectivamente. Então eu tive que construir minhas personagens e depois fazê-las passar por uma situação horrível. Você acaba se apegando e se emocionando. Especialmente com a Caitlin, de Dreamland, havia dias em que eu precisava me afastar do computador e tomar um ar. Eu sabia que ela ia ficar bem: eu estava decidida que ela ficaria. Mas até chegar lá, precisava passar por muita coisa. E eu tive que encarar tudo com ela, de certa forma.

4. O que mais me chamou atenção no livro foi o comportamento dos pais de Sydney. Apesar de todos os problemas com o filho mais velho, eles continuaram a defendê-lo e Sydney sempre ficou em segundo plano (e por muito tempo se acostumou a isso). A atitude dos pais dela me parecia, em muitos momentos, machista. Essa realidade é algo que você percebe em algumas famílias? Você se inspirou em alguém ao inserir esse drama familiar na história? — Raquel Araujo (Por uma Boa Leitura)

Já ouvi muita gente comentando isso sobre Os bons segredos desde que foi lançado, e entendo completamente seu ponto. Para mim a questão não era o machismo mas a própria forma como a mãe de Sydney encarava a vida. Seus filhos eram suas conquistas e, até onde ela sabia, Sydney estava bem. Estava segura em casa, sob seu teto, indo à escola. Peyton, por sua vez, estava totalmente fora do alcance e do controle dos pais, então eles focavam as energias nele. Isso não quer dizer que estejam certos. Mas também não acho que seja algo incomum. Você se envolve tanto com os filhos desde que eles nascem porque é sua função garantir que eles se saiam bem e se tornem boas pessoas. Se você sente que falhou nessa missão, é compreensível tentar recorrer a tudo que estiver ao seu alcance para consertar as coisas.

5. (A pergunta abaixo contém um spoiler sobre o livro, selecione o texto para lê-la.)

Em Os bons segredos, Sydney vive uma situação de abuso que só é realmente encarada por seus pais num momento crítico, devido à dificuldade em acreditar que alguém próximo à família poderia representar um risco para a própria filha. Isso é bastante delicado e sério. Você acredita que abordar esse assunto em seus livros pode ajudar meninas que estão passando por situações semelhantes a constatar o abuso e buscar ajuda? — Caroline Dias (Open Page)

Isso é, com certeza, o que eu espero. Eu passei por uma situação parecida durante o ensino médio. Me envolvi com um cara mais velho que eu conhecia e, com o tempo, percebi que ele queria ser mais que meu amigo. Era bom receber atenção de alguém que eu considerava adulto; ser levada a sério de um jeito que meus pais não levavam. Mas quando fiquei incomodada com a direção que as coisas estavam tomando, não tinha ferramentas ou maturidade para lidar com aquilo sozinha. Realmente espero que, quando os leitores terminarem Os bons segredos, eles entendam que alguém te deixar desconfortável é o suficiente. Não é necessário que algo ruim aconteça para justificar que você se afaste ou fale com seus pais ou responsáveis sobre o assunto. É o que eu queria ter ouvido quando estava nessa situação. Sou grata por poder passar essa mensagem através do livro!

6. Em seus livros noto sempre um toque de esperança: por mais que existam dramas, o leitor não espera pelo pior e sim por algo bom no final. A sua intenção é encorajar o jovem na busca pelo seu próprio final feliz? — Cida Oliveira (Moonlight Books)

No sentido prático e realista, eu sei que finais felizes nem sempre são possíveis. Coisas ruins acontecem e às vezes não conseguimos evitá-las. Mas nos meus livros tenho controle sobre o que acontece e gosto, sim, de deixar tudo resolvido da melhor forma possível. Como leitora, não gosto de passar horas lendo um livro para no fim ficar totalmente arrasada. Preciso de um pouco de esperança a que me apegar, tanto como leitora quanto como escritora. E, pela minha experiência, devo dizer que as coisas dão mesmo certo. Nem sempre acontecem exatamente do jeito que queríamos ou esperávamos, mas a gente sempre acaba chegando onde deve estar, de uma forma ou de outra. É o que espero para meus personagens e para mim.

7. Quando eu terminei de ler Os bons segredos, passei literalmente uns vinte minutos encarando a minha pilha de livros a ler com o único objetivo de resistir à tentação de voltar para a primeira página e começar tudo de novo. E isso porque eu só fiquei uma semana com os personagens. Imagino que, para uma autora que passa meses criando cada página e cada personagem, deve ser complicado se despedir. Qual é o seu processo para dar adeus a personagens tão carismáticos quanto os Chatham? Existe um processo ou para cada livro há uma despedida diferente? Você já se pegou pensando nos personagens depois de concluir um livro? — Talita Monteiro (Viciados em Leitura)

Ah, essa é uma pergunta tão legal! Obrigada! Eu realmente sinto falta dos personagens quando termino um livro. Passo meses diariamente com eles, ou até anos, com as revisões e tudo mais. Eles são reais para mim! Mas, ao mesmo tempo, sempre tento deixar meus personagens onde sei que vão ficar bem. Só assim posso partir para a próxima história. Não sou o tipo de autora que escreve séries, então não posso revisitar meus personagens em outros livros. É por isso que comecei a inserir pequenas aparições de personagens antigos em livros novos. É uma forma de mostrar aos leitores que todos ainda estão bem, felizes, que os casais estão juntos (pelo menos na minha cabeça). Se fiz meu trabalho direito, fico tranquila de partir para o próximo livro, porque sei que dei o meu melhor com o anterior. É como estou agora com Os bons segredos. É hora de começar outra história. Só que ainda não estou pronta!

8. Você dedicou Os bons segredos para as garotas invisíveis. Que conselho você daria a elas? — Kleris Ribeiro (Dear Book)

Eu diria que é muito provável que vocês não sejam tão invisíveis quanto pensam. Só porque algumas pessoas não estão te vendo não significa que ninguém está. E o que é mais importante, de verdade, é enxergar a si mesma com clareza. Todo mundo se sente meio ignorado às vezes: eu ainda me sinto, mesmo na casa dos quarenta. Não dá para todo mundo ser extrovertido! Mas só você vai saber como deixar sua marca. E você vai deixar.

 

O próximo livro de Sarah Dessen publicado pela Seguinte será This Lullaby, sobre uma garota que está vendo a mãe planejar seu quinto casamento e não acredita em relacionamentos duradouros. O lançamento está previsto para o meio deste ano.

Semana duzentos e sessenta e quatro

blog

A queda do céu, Davi Kopenawa e Bruce Albert (Tradução de Beatriz Perrone-Moisés)
A queda do céu foi escrito a partir de suas palavras contadas a um etnólogo com quem nutre uma longa amizade – foram mais de trinta anos de convivência entre os signatários e quarenta anos de contato entre Bruce Albert, o etnólogo-escritor, e o povo de Davi Kopenawa, o xamã-narrador. A vocação de xamã desde a primeira infância, fruto de um saber cosmológico adquirido graças ao uso de potentes alucinógenos, é o primeiro dos três pilares que estruturam este livro. O segundo é o relato do avanço dos brancos pela floresta e seu cortejo de epidemias, violência e destruição. Por fim, os autores trazem a odisseia do líder indígena para denunciar a destruição de seu povo. Recheada de visões xamânicas e meditações etnográficas sobre os brancos, esta obra não é apenas uma porta de entrada para um universo complexo e revelador. É uma ferramenta crítica poderosa para questionar a noção de progresso e desenvolvimento defendida por aqueles que os Yanomami – com intuição profética e precisão sociológica – chamam de “povo da mercadoria”.

A garota na teia de aranha – Millennium vol.4, David Lagercrantz (Tradução de Guilherme Braga e Fernanda Sarmatz Åkesson)
A genial e atormentada justiceira Lisbeth Salander está de volta. Mas por que Lisbeth, uma hacker fria e calculista que nunca dá um passo sem pesar as consequências, teria cometido um crime gravíssimo e ainda provocado de forma quase infantil um dos maiores especialistas em segurança dos Estados Unidos? Depois de finalmente se livrar da polícia sueca e de todas as acusações que pesavam sobre si, que motivo ela teria para se atirar em outro lamaceiro político? É o que se pergunta Mikael Blomkvist, principal repórter da explosiva revista Millennium, além de amigo e eventual amante de Lisbeth. Mas Blomkvist precisa lidar com seus próprios demônios: afundada numa crise sem precedentes, a revista foi comprada por um grupo que pretende modernizá-la. Nada mais repulsivo ao jornalista que prefere apurar e pesquisar suas histórias a ceder às demandas e ao ruído das redes sociais. Ainda assim, há tempos o repórter não emplaca um de seus furos, e por isso não hesita em sair no meio da madrugada para atender a um chamado que promete ser a grande história de sua carreira. Presos a uma teia de aranha mortífera, Lisbeth e Blomkvist terão mais uma vez que unir forças, agora contra uma perigosa conspiração internacional. Uma volta em grande estilo da dupla que mudou para sempre os romances de mistério e aventura.

Devagar e simples, André Lara Resende 
André Lara Resende herdou do pai, Otto, o dom da palavra, o prazer do convívio, a clareza de raciocínio e o foco no que importa. E aprimorou essas qualidades ao longo da vida. Este livro é um exemplo dessas virtudes. Os treze artigos aqui reunidos têm alguns eixos comuns, que não derivam apenas de um passageiro interesse do autor no momento em que os escreveu. Alguns são imprescindíveis para o debate público do momento no Brasil. Outros são muito relevantes para entender o atual debate no mundo e seu significado para o Brasil.

O caso de Saint-Fiacre, Georges Simenon (Tradução de Eduardo Brandão)
O caso Saint-Fiacre é o décimo terceiro livro protagonizado por Jules Maigret, em que, finalmente, conhecemos seu passado. Ele é filho do administrador de um castelo ao sul de Paris, para onde volta pela primeira vez desde o enterro do pai. O motivo? Um bilhete anônimo: um crime seria cometido no local durante a missa de finados. Antes do fim do sermão, a condessa de Saint-Fiacre morre subitamente. Sua família está falindo. O filho é um aproveitador. O secretário, seu amante e possível herdeiro. Os atuais administradores do castelo, oportunistas em potencial. O padre, um omisso.

Seguinte

Capitolina – O poder das garotas, Vários autores
A revista on-line Capitolina surgiu em 2014 como uma alternativa à mídia tradicional voltada para meninas adolescentes. Sua proposta é criar um conteúdo colaborativo, inclusivo e livre de preconceitos, abordando temas como relacionamentos, feminismo, cinema, moda, games, viagens e muito mais. Esta edição reúne os melhores textos publicados em um ano de revista, além de vários artigos inéditos, todos eles ilustrados. No total, são 41 jovens escritoras e 23 artistas talentosas. Para completar, há atividades interativas para que cada leitora ajude a construir o livro e dê a ele seu toque pessoal. As leitoras vão encontrar conselhos, dicas, reflexões, muito apoio e, principalmente, a sensação de que não estão sozinhas.

Os bons segredos, Sarah Dessen (Tradução de Cristian Clemente)
Sydney sempre se sentiu invisível, já que Peyton, seu irmão mais velho, era o foco da atenção da família. Até que ele causa um acidente por dirigir bêbado, deixando um garoto paralítico, e vai para a prisão. Sydney parece ser a única a responsabilizá-lo, ao contrário de seus pais, que enxergam o filho como vítima. Para fugir do clima insuportável em casa, certa tarde Sydney entra numa pizzaria ao acaso. Lá conhece Layla, filha do dono do restaurante, e a amizade entre as duas é instantânea. Logo Sydney se vê contando à garota segredos que ninguém mais sabe, e encontra entre a família dela um espaço onde todos a enxergam e a aceitam como é.

Penguin-Companhia

Hamlet, William Shakespeare (Tradução de Lawrence Flores Pereira)
Um jovem príncipe se reúne com o fantasma de seu pai, que alega que seu próprio irmão, agora casado com sua viúva, o assassinou. O príncipe cria um plano para testar a veracidade de tal acusação, forjando uma brutal loucura para traçar sua vingança. Mas sua aparente insanidade logo começa a causar estragos – para culpados e inocentes.

Piloto de guerra, Antoine de Saint-Exupéry (Tradução de Mônica Cristina Corrêa)
Durante a Segunda Guerra Mundial, Saint-Exupéry serviu como piloto nas forças armadas francesas. Em 1940, foi designado para um sobrevoo da região de Arras, ao norte da França, numa missão de alto risco. Em parte relato dessa expedição, em parte indagação sobre o sentido da guerra – o conflito não é uma aventura, mas uma doença, afirma o narrador -, Piloto de guerra é um clássico a ser redescoberto por todas as gerações de leitores.

Companhia das Letrinhas

O pequeno príncipe, Antoine de Saint-Exupéry (Tradução de Mônica Cristina Corrêa)
Nesta edição, depois de ler a história do piloto que encontra um menino de cachos dourados no deserto do Saara, o leitor é convidado a fazer um mergulho na vida do autor e nos detalhes e curiosidades que envolvem a obra, em um posfácio recheado de fotos inéditas e informações imprescindíveis.

Mônica é daltônica?, Mauricio de Souza
Nesta história, a primeira publicada na revista Mônica, em 1970, o Zé Luís – e não o Cebolinha, acredite se quiser -, inaugura a tradição dos planos mirabolantes para tentar acabar com as temidas coelhadas da dona da rua. E o Titi, o Cascão, o Cebolinha, junto com o líder do grupo, executam passo a passo o combinado, até que… Além de descobrir o fim da aventura, o leitor vai conhecer curiosidades sobre a turma e as ilustrações surpreendentes de Odilon Moraes, que reinterpreta um clássico de Mauricio de Sousa.